Cursos de Teologia, Capelania, Psicanálise Clínica, Psicologia Pastoral, Formação Pastoral, Coordenação de encontro de casais, Básico em Teologia, Médio em Teologia, Bacharel em Teologia.
Quinta-feira, 05 de Abril de 2012

Comentário de Julio Severo: A esquerda está confusa. Estava incomodada com os neopentecostais. Agora, parece interessada. Primeiro, foi Gilberto Carvalho, figura sinistra do PT, declarando que a única oposição ao socialismo no Brasil são as posições conservadoras de telepastores como Silas Malafaia e R.R. Soares que, ao serem confrontados com questões de aborto e homossexualismo, falam publicamente o que o PT não quer ouvir, falam o que está na Bíblia e educam suas imensas audiências na defesa da família, atrapalhando assim a hegemonia imoral da revolução marxista no Brasil.
José Dirceu, outra figura sinistra do PT, demonstrou o mesmo incômodo. Afinal, o PT e outros partidos socialistas estão determinados a impor o aborto e o homossexualismo no Brasil. O único impedimento que eles veem são os telepastores neopentecostais — evidentemente, isso não inclui Bispo Macedo e IURD, que embarcaram no apoio ao PT e ao aborto anos atrás.
No artigo abaixo, publicado no blog evangélico progressista PavaBlog, o autor diz que a esquerda não tem diálogo com os evangélicos. Ora! Isso não é verdade. As igrejas adoecidas pela Teologia da Missão Integral mantêm amplos e constantes diálogos com forças esquerdistas. Por que o autor não reconheceu esse diálogo e até a assimilação da ideologia esquerdista entre as igrejas da Teologia da Missão Integral?
O que ele quer dizer é que esse diálogo e assimilação não existem nas igrejas neopentecostais e muitas pentecostais, que são avessas à pregação da Teologia da Libertação ou Teologia da Missão Integral.
Agora, os socialistas querem lidar com essa barreira, para que as igrejas neopentecostais possam perder essa aversão.
Contudo, mesmo que os socialistas consigam fazer tal diálogo e criar tal amizade, do jeito que fizeram com Ariovaldo Ramos, Caio Fábio e outros, haverá compatibilidade entre socialismo e fé cristã?
Os socialistas exigem o Estado no centro de tudo, assumindo controle de espaços que pertencem a Deus, à família e à igreja. A incompatibilidade entre socialismo e fé cristã é abismal, transformando a aceitação da Teologia da Libertação ou Teologia da Missão Integral no meio das igrejas na apostasia perfeita para a instalação de um governo anticristão.
Nesse aspecto, pastores como Silas Malafaia e R.R. Soares demonstram coragem ao falar em público o que os militantes da Teologia da Missão Integral preferem esconder: um testemunho claro sobre questões como aborto e homossexualismo, que tanto incômodo trazem ao PT.
Enquanto a esquerda maquina diálogos para “amansar” o ousado testemunho público neopentecostal, as outras igrejas deveriam condenar a Teologia da Missão Integral muito mais do que criticam a Teologia da Prosperidade. A Teologia da Prosperidade é um problema periférico perto da Teologia da Missão Integral, que possibilita e justifica a intromissão e imposição do Estado em todas as esferas (igreja, família, etc.) com as desculpas mais enganosas, se tornando um problema imenso dentro e fora das igrejas.
Mesmo com todo o apoio servil que as igrejas da Teologia da Missão Integral dão à esquerda, os socialistas as desprezam.
Espero que as igrejas neopentecostais continuem com sua aversão a essa teologia infernal, e espero também que seus pastores se libertem de pregar uma prosperidade que, no caso deles, só ocorre à custa das ovelhas.
Conheço por experiência a realidade entre igrejas apoiadoras da Teologia da Missão Integral e as igrejas neopentecostais. Muitos anos atrás, frequentei uma igreja evangélica tradicionalista que abrigava a elite da cidade. O pastor e outros líderes, além de maçons, eram petistas, e muitas vezes diziam à minha mãe e a nós: “Vocês são pobres. Por que não apoiam o PT? O PT é para vocês!”
Por ordem do pastor, a igreja inteira tinha assinatura coletiva da revista esquerdista Ultimato. Caio Fábio era a palavra final entre eles.
Havia as igrejas pentecostais e neopentecostais na cidade. A Assembleia de Deus tinha sua imposição de costumes, proibindo as mulheres de usarem calças compridas e batons, mas novelas eram permitidas. Havia a IURD, que na época era contra o aborto. Mas, em troca de bênçãos, pedia mais dinheiro do que mendigo na rua.
A igreja tradicionalista, com sua gente rica e refinada, estava infestada de maçonaria e petismo. Já os pobres estavam buscando milagres não no PT, mas na Assembleia de Deus, na IURD ou na Igreja Internacional da Graça de Deus, que não tinham nenhum interesse na Teologia da Missão Integral, na Ultimato, em Caio Fábio e no PT.
Naquela época, não entendíamos bem a Ultimato, mas dava para sentir seu cheiro ideológico e sua ineficácia na vida dos membros da igreja tradicionalista em suas necessidades. Quando precisavam de milagres de cura, eles recorriam a médiuns. Depois que começamos a frequentá-la, eles passaram a nos procurar para receber oração, pois nossa casa estava aberta para ministrar o Evangelho e oração.
Por orientação de Deus, continuamos a frequentar a igreja tradicionalista durante anos, e inspiramos muitos de seus membros a buscarem milagres não no espiritismo ou no PT, mas em Deus, visitando, com eles, especialmente a Assembleia de Deus. Com esse contato, o próprio pastor assembleiano às vezes visitava a igreja tradicionalista, mas ficava no último banco muito acanhado, pois a diferença entre ele (e suas roupas pobres) com os membros da igreja “rica” eram enormes.
Enquanto a igreja tradicionalista, cheia de gente importante da cidade, se ocupava (mediante Ultimato e Caio Fabio) com uma “teologia” dos pobres, a Assembleia de Deus e igrejas neopentecostais estavam cheias de pobres!
Podemos aprender muito com isso. Evidentemente, o autor do artigo no Pavablog não está interessado nas igrejas que têm retórica de defesa aos pobres. Ele está interessado nas igrejas que estão cheias de pobres, mas têm aversão à Teologia da “Libertação”.
As igrejas da Teologia da Missão Integral se desesperam ao ver as igrejas da Teologia da Prosperidade cheias de pobres. Tudo o que podem fazer é atacá-las.
Se todas as igrejas pentecostais e neopentecostais também abraçarem essa teologia socialista, aí tudo estará perdido para as igrejas do Brasil. Aí o PT e outros partidos socialistas poderão dizer: “Não há mais obstáculo para a imposição total da agenda de aborto e homossexualismo no Brasil!”
O artigo esquerdista a seguir é do Pavablog e, embora seja matreiro, façamos como a Bíblia nos ensina: “Examinai tudo e retende o bem”:

O que a esquerda deveria aprender com os evangélicos

“As massas de homens que nunca são abandonadas pelos sentimentos religiosos
então nada mais vêem senão o desvio das crenças estabelecidas.
O institnto de outra vida as conduz sem dificuldades
ao pé dos altares e entrega seus corações aos preceitos
e às consolações da fé.”
Alexis de Tocqueville, “A Democracia na América” (1830), p. 220.
No Brasil, um novo confronto, na forma como dado e cada vez mais evidente e violento, será o mais inútil de todos: o do esclarecimento político contra o obscurantismo religioso, principalmente o evangélico, pentecostal ou, mais precisamente, o neopentecostal. Lamento informar, mas na briga entre os dois barbudos – Marx e Cristo – fatalmente perderemos: o Nazareno triunfa. Por uma razão muito simples, as igrejas são o maior e mais eficiente espaço brasileiro de socialização e de simulação democrática. Nenhum partido político, nenhum governo, nenhum sindicato, nenhuma ONG e nenhuma associação de classe ou defesa das minorias tem competência e habilidade para reproduzir o modelo vitorioso de participação popular que se instalou em cada uma das dezenas de milhares de pequenas igrejas evangélicas, pentecostais e neopentecostais no Brasil. Eles ganharão qualquer disputa: são competentes, diferentemente de nós.
Muitos se assustam com o poder que os evangélicos alcançaram: a posse do senador Marcello Crivela, também bispo da Igreja Universal do Reino de Deus, no Ministério da Pesca e a autoridade da chamada “bancada evangélica” no Câmara dos Deputados são dois dos mais recentes exemplos. Quem se impressiona não reconhece o que isso representa para um a cada cinco brasileiros, o número dos que professam a fé evangélica ou pentecostal no Brasil. Segundo a análise feita pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), a partir dos microdados da Pesquisa de Orçamento Familiar 2009 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a soma de evangélicos pentecostais e outras denominações evangélicas alcança 20,23% da população brasileira. Outros indicadores sustentam que em 1890 eles representavam 1% da população nacional; em 1960, 4,02%.
O crescimento dos evangélicos não é um milagre, é resultado de um trabalho incansável de aproximação do povo que tem sido negligenciado por décadas pelas classes mais progressistas brasileiras. Enquanto a esquerda, ainda na oposição política, entre a abertura democrática pós-ditadura e a vitória do primeiro governo popular no Brasil, apenas esbravejava, pastores e missionários evangélicos percorreram cada canto do país, instalaram-se nas regiões periféricas dos grandes centros urbanos, abriram suas portas para os rejeitados e ofereceram, em muitos momentos, não apenas o conforto espiritual, mas soluções materiais para as agruras do presente, por meio de uma rede comunitária de colaboração e apoio. O que teve fome e dificuldade, o desempregado, o doente, o sem-teto: todos eles, de alguma forma, encontraram conforto e solução por meio dos irmãos na fé. Enquanto isso, a esquerda tinha uma linda (e legítima) obsessão: “Fora ALCA!”.
O mapa da religiosidade no Brasil revela nossa incompetência social: os evangélicos e pentecostais são mais numerosos entre mulheres (22,11% delas; homens, 18,25%), pretos, pardos e indígenas (24,86%, 20,85% e 23,84%, respectivamente), entre os menos instruídos (sem instrução ou até três anos de escolaridade: 19,80%; entre quatro e sete anos de instrução: 20,89% e de oito a onze anos: 21,71%) e na região norte do país, onde 26,13% da população declara-se evangélica ou pentecostal. O Acre, esse Estado que muitos acham que não existe, blague infantilmente repetida até mesmo por esclarecidos militantes de esquerda, tem 36,64% de evangélicos e pentecostais. É o Estado mais evangélico do país. Simples: a igreja falou aos corações e mentes daqueles com os quais a esquerda nunca verdadeiramente se importou, a não ser em suas dialéticas discussões revolucionárias de gabinete, universidade e assembleia.
O projeto de poder evangélico não é fortuito. Ele não nasceu com o governo Dilma Rousseff. Ele não é resultado de um afrouxamento ideológico do PT e nem significa, supõe-se, adesão religiosa dos quadros partidários. Ele é fruto de uma condição evangélica do país e de uma sistemática ação pela conquista do poder por vias democráticas, capitalizada por uma rede de colaboração financeira de ofertas e dízimos. Só não parece legítimo a quem está do lado de fora da igreja, porque, para cada um dos evangélicos e pentecostais, estar no poder é um direito. Eles não chegaram ao Congresso Nacional e, mais recentemente, ao Poder Executivo nacional por meio de um golpe. Se, por um lado, é lamentável que o uso da máquina governamental pode produzir intolerância e mistificação, por outro, acostumemo-nos, a presença deles ali faz parte da democracia. As mesmas regras políticas que permitiram um operário, retirante nordestino e sindicalista chegar ao poder são as que garantem nas vitória e posse de figuras conhecidas das igrejas evangélicas a câmaras de vereadores, prefeituras, governos de Estado, assembleias legislativas e Congresso Nacional. O lema “un homme, une voix” (“um homem, uma voz”) do revolucionário socialista L.A. Blanqui (1805-1881), “O Encarcerado”, tem disso.
Afora a legitimidade política – o método democrático e a representação popular não nos deixam mentir – a esquerda não conhece os evangélicos. A esquerda não frequentou as igrejas, a não ser nos indefectíveis cultos preparados como palanques para nossos candidatos demonstrarem respeito e apreço pelas denominações evangélicas em época de campanha, em troca de apoio dos crentes e de algumas imagens para a TV. A esquerda nunca dialogou com os evangélicos, nunca lhes apresentou seus planos, nunca lhes explicou sequer o valor que o Estado Laico tem, inclusive como garantia que poderão continuar assim, evangélicos ou como queiram, até o fim dos tempos. E agora muitos militantes, indignados com a presença deles no poder, os rechaçam com violência, como se isso resolvesse o problema fundamental que representam.
Apenas quem foi evangélico sabe que a experiência da igreja não é puramente espiritual. E é nesse ponto que erramos como esquerda. A experiência da igreja envolve uma dimensão de resistência que é, de alguma forma, também política. O “não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito” (Paulo para os Romanos, capítulo 12, versículo 2) é uma palavra de ordem poderosa e, por que não, revolucionária, ainda que utilizada a partir de um ponto de vista conservador.
Em nenhuma organização política o homem comum terá protagonismo tão rápido quanto em uma igreja evangélica. O poder que se manifesta pela fé, a partir da suposta salvação da alma com o ato simples de “aceitar Jesus no coração como senhor e salvador”, segundo a expressão amplamente utilizada nos apelos de conversão, transforma o homem comum, que duas horas antes entrou pela porta da igreja imundo, em um irmão na fé, semelhante a todos os outros da congregação. Instantaneamente ele está apto a falar: dá-se o testemunho, relata-se a alegria e a emoção do resgate pago por Jesus na cruz. Entre os que estão sob Cristo, e são batizados por imersão, e recebem o ensino da palavra, e congregam da fé, não há diferenciação. Basta um pouco de tempo, ele pode se candidatar a obreiro. Com um pouco mais, torna-se elegível a presbítero, a diácono, a liderança do grupo de jovens ou de mulheres, a professor da escola dominical. Que outra organização social brasileira tem a flexibilidade de aceitação do outro e a capacidade de empoderamento tal qual se vêem nas pequenas e médias igrejas brasileiras, de Rio Branco, das cidades-satélite de Brasília, do Pará, de Salvador, de Carapicuíba, em São Paulo, ou Santa Cruz, no Rio de Janeiro? Nenhuma.
Se esqueçam dos megacultos paulistanos televisionados a partir da Av. João Dias, na Universal, ou da São João, do missionário R.R. Soares. Aquilo é Broadway. Estamos falando destas e outras denominações espalhadas em todo o território nacional, pequenas igrejas improvisadas em antigos comércios – as portas de enrolar revelam a velha vocação de uma loja, um supermercado, uma farmácia – reuniões de gente pobre com sua melhor roupa, pastores disponíveis ao diálogo, festas de aniversário e celebrações onde cada um leva seu prato para dividir com os irmãos. A menina que tem talento para ensinar, ensina. O irmão que tem uma van, presta serviços para o grupo (e recebe por isso). A mulher que trabalha como faxineira durante a semana é a diva gospel no culto de domingo à noite: canta e leva seus iguais ao júbilo espiritual com os hinos. A bíblia, palavra de ninguém menos que Deus, é lida, discutida, debatida. Milhares e milhares de evangélicos em todo o país foram alfabetizados nos programas de Educação de Jovens e Adultos (EJAs) para simplesmente “ler a palavra”, como dizem. Raríssimo o analfabeto que tenha sido fisgado pela vontade ler “O Capital”, infelizmente. As esquerdas menosprezaram a experiência gregária das igrejas e permaneceram, nos últimos 30 anos, encasteladas em seus debates áridos sobre uma revolução teórica que nunca alcançou o coração do homem comum. Os pastores grassaram.
Divulgação: www.juliosevero.com
publicado por institutogamaliel às 19:02
tags:


Embora os grupos pró-aborto afirmem que Marcela Ferreira não era anencefálica, médicos dos EUA dizem que ela era

Matthew Cullinan Hoffman, correspondente na América Latina

BRASIL, 18 de agosto de 2009 (Notícias Pró-Família) — À medida que o Supremo Tribunal Federal (STF) está examinando uma petição para legalizar constitucionalmente abortos para bebês anencefálicos, o centro da atenção é um bebê falecido chamado Marcela, cujo caso se tornou célebre para o movimento pró-vida do Brasil.

Marcela Ferreira morreu em agosto de 2008, depois de viver mais de um ano e oito meses com anencefalia, uma deficiência de nascença que impede a formação da maior parte superior do cérebro. Os bebês anencefálicos nascem com um crânio aberto e normalmente têm pouco mais do que o tronco cerebral, que permite que seus órgãos funcionem.

Embora a maioria dos bebês com anencefalia morra antes ou logo após o nascimento, o caso de Marcela vem chamando a atenção para o fato de que alguns vivem muito mais — durante meses ou até anos. Além disso, Marcela, como muitos outros bebês anencefálicos, exibia sinais de consciência, sinais que foram amplamente documentados em relatos de vídeo no YouTube. (Clique aqui para ver a série de duas partes.)

Os relatos vividos de Cacilda Ferreira acerca da vida especial, mas curta, de sua filha se tornaram um elemento importante no caso brasileiro. Em resposta, porém, os grupos pró-aborto estão se esforçando para desacreditar o testemunho dela afirmando que apesar de todas as indicações ao contrário Marcela não sofria de anencefalia.

Numerosos médicos dizem que Marcela tinha anencefalia

Contudo, três médicos americanos agora examinaram os exames de MRI e CT do cérebro de Marcela, e estão declarando publicamente que, de acordo com os padrões dos EUA, Marcela era realmente anencefálica.

O Dr. Paul A. Byrne, professor clínico de pediatria da Faculdade de Medicina da Universidade de Toledo, escreveu uma carta aberta obtida por LifeSiteNews declarando que, “Marcela de Jesus Galante Ferreira de fato tem anencefalia conforme é certificado nos Estados Unidos por grandes organizações neurológicas: O escalpo está ausente, e o crânio está aberto da parte de cima até a “foramen magnum”. O cérebro está presente, mas teve um desenvolvimento anormal. As órbitas oculares são rasas e os olhos são saltados”.

De acordo com Byrne, ele foi “reconhecido muitas vezes como especialista em tribunais dos Estados Unidos para avaliar bebês com anormalidades do cérebro e crânio”.

Sua opinião especializada foi apoiada pelo Dr. Thomas Zabiega, que é reconhecido pela junta americana de psiquiatria e neurologia. Zabiega também escreveu uma carta aberta citando a definição padrão americana de anencefalia e comentando que “É exatamente isso o que se vê nos exames das imagens da paciente Marcela de Jesus Galante Ferreira. Ela só tem a presença da parte mais baixa do cérebro, a ponte, o cérebro intermediário e o cerebelo. O resto do cérebro dela está ausente”.

Ambos os médicos observam que outros bebês anencefálicos viveram mais do que Marcela.

O testemunho dos dois médicos americanos contradiz diretamente o testemunho de médicos brasileiros que afirmaram que Marcela Ferreira não estava sofrendo de anencefalia porque ela tinha parte da matéria cerebral superior em seu crânio.

Entretanto, o Dr. Alan Shewmon, professor assistente de pediatria e neurologia na Universidade da Califórnia em Los Angeles, comenta num artigo de 1988 que “embora o termo ‘anencefalia’ signifique ‘sem cérebro’, a quantidade real de tecido do sistema nervoso compatível com esse diagnóstico pode variar de apenas algumas gramas até o peso normal de um cérebro completo”. 1

As subdivisões clássicas da anencefalia, de acordo com Shewmon, são “holo-anencefalia (ausência completa da parte dianteira do cérebro e o crânio) e mero-anencefalia, e em que ‘o crânio e o cérebro estão presentes em forma rudimentar’

Shewmon também examinou pessoalmente os exames de CT e MRI de Marcela Ferreira e declara numa carta aberta que “esse é um caso clássico de anencefalia”.

Os médicos brasileiros que inicialmente examinaram Marcela depois do nascimento expressaram que estavam de acordo. A médica que a atendeu, a Dra. Marcia Beani Barcellos, a diagnosticou com anencefalia. Esse diagnóstico foi confirmado e repetido pelos médicos que conduziram várias análises da menina, inclusive o Dr. João Soares Leite Filho, que realizou o exame de MRI cranial e o Dr. Alberto Pulicano Neto, que realizou a tomografia. Até mesmo o atestado de morte de Marcela registra “anencefalia” como causa da morte.

Literatura médica apóia o diagnóstico

A existência de graus variados de consciência em bebês anencefálicos é também reconhecida na literatura médica.

Num artigo de 1989 na prestigiosa Revista da Associação Médica Americana, um grupo de médicos da Universidade da Califórnia em Los Angeles indicou que embora os bebês recém-nascidos tenham um cérebro dianteiro, ele mal funciona no nascimento, tornando-o semelhante em suas funções ao de um bebê anencefálico. Pelo menos um caso foi documentado de desenvolvimento normal de um bebê de 21 meses com hidrancefalia, em que a parte superior do cérebro é também geralmente ausente.

“Além disso”, escrevem eles, “o fenômeno da neuroplasticidade desenvolvimental poderia, em princípio, permitir que estruturas de tronco cerebral na ausência congênita dos hemisférios cerebrais assumissem uma atividade integrativa de certo modo mais complexa do que normalmente seria o caso…”

Em outras palavras, o tronco cerebral pode assumir algumas das funções da parte superior do cérebro, permitindo um grau de consciência. 2 Pode ser isso o que tenha acontecido no caso de Marcela e outros bebês anencefálicos cujas mães relataram reações e baixos níveis de consciência em seus filhos.

Vários médicos brasileiros usaram critérios falsos para negar a anencefalia de Marcela

Interpretações incorretas entre médicos brasileiros com relação à anencefalia podem explicar o motivo por que vários deles negaram publicamente que Marcela Ferreira tenha tido a deficiência.

Um médico da Universidade de São Paulo decidiu que Marcela não tinha anencefalia por causa da presença de uma “cerebrovasculosa”. Assim, ele a diagnosticou com “merocrania”.

“Marcela tinha merocrania”, disse o Dr. Thomaz Gollop numa entrevista ao Paraná Online. “Acabei de vir de uma reunião com um especialista em anatomia e pediatria neurológica com os exames nas mãos. Ela tinha uma deficiência menos grave na formação do crânio e na pequena parte do cérebro que está presente, em contraste com os anencefálos que nada têm, coberta com uma membrana chamada cerebrovasculosa”.

A análise de Gollop contradiz Shewmon, que declara que quantidades variadas de tecido cerebral são compatíveis com anencefalia, e que “merocrania” ou “meroanencephaly” são simplesmente um tipo de anencefalia, não outra síndrome. Shewmon também declara que a “cerebrovasculosa” é uma característica normal da anencefalia.

Shrewmon explica que em bebês anencefálicos, a parte superior do cérebro começa a crescer, mas é mal-formada, “resultando numa massa desorganizada de primitivo tecido glilal, neural e vascular surgindo da extremidade superior do tronco cerebral… Durante a gestação, o tecido tipicamente se degenera, deixando na finalização só um restante de quantidade variável chamada cerebrovasculosa”.

A própria médica de Marcela, a Dra. Marcia Beani Barcellos, parcialmente se retratou de seus diagnósticos iniciais de anencefalia depois que a atenção da imprensa focalizou na menina, afirmando que ela “não tem a anencefalia clássica”, mas em vez disso “outro tipo de anencefalia”.

No entanto, Barcellos também citou critérios que contradizem os critérios reconhecidos para determinar a anencefalia, afirmando que Marcela estava excluída da “anencefalia clássica” por causa de sua expectativa de vida mais longa e interação com seu ambiente.

“Ela é um bebê sem o encéfalo. Essa região do cérebro dela está cheia de líquido, mas ela não é um exemplo de anencefalia descrita na literatura médica porque ela, de alguma forma, ainda interage com sua mãe, interage com o ambiente, sua base cerebral realiza funções”, disse ela ao jornal O Estado do Paraná. “Um caso clássico de má formação não teria sobrevivido por tanto tempo num estado vegetativo, que não é o caso com ela desde seu nascimento”.

Os testemunhos conflitantes dos médicos com relação ao caso de Marcela Ferreira serão resolvidos pelo Supremo Tribunal Federal nos próximos meses. Contudo, os ministros enfrentam uma questão ainda mais fundamental: independente do nível de consciência e real expectativa de vida dos bebês anencefálicos, a vida humana tem valor intrínseco, ou é um produto descartável cujo valor é decidido por sua produtividade e utilidade social?

Informações de contato:

A seguir, os emails dos ministros do Supremo Tribunal Federal.

mgilmar@stf.gov.br, isabelc@stf.gob.br, macpeluso@stf.gov.br, mluciam@stf.gov.br, mcelso@stf.gov.br, piazzi@stf.gov.br, mmarco@stf.gov.br, marcosp@stf.gov.br, ellengracie@stf.gov.br, angelotabet@stf.gov.br, gabcarlosbritto@stf.gov.br, beatriz@stf.gov.br, mjbarbosa@stf.gov.br, marco@stf.gov.br, egrau@stf.gov.br, alexandram@stf.gov.br, gabinete-lewandowski@stf.gov.br, clarocha@stf.gov.br, eduardost@stf.gov.br, gabmdireito@stf.gov.br

Notas de referências:

1. Shewmon, D. Alan. “Anencephaly: Selected Medical Aspects,” Hastings Center Report, October/November 1988

2. D. Alan Shewmon, Alexander M. Capron, Warwick J. Peacock. “The Use of Anencephalic Infants as Organ Donors: A Critique,” Journal of the American Medical Association, 1989;261:773-781.

Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com

Fonte: http://noticiasprofamilia.blogspot.com/2009/09/bebe-morto-vira-centro-de-controversia.html

Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/ldn/2009/aug/09082402.html

Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.
publicado por institutogamaliel às 19:01
tags:


4 de abril de 2012 (LifeSiteNews.com) — Manifestações da organização pró-vida Brasil Sem Aborto começaram fora do Supremo Tribunal Federal do Brasil enquanto se aproxima a data para uma decisão que permitirá abortos para bebês anencefálicos.
Os defensores dos bebês em gestação estão profundamente preocupados com o caso, que será decidido por ministros em grande parte nomeados por líderes do PT, que é pró-aborto. A votação final está marcada para 11 de abril.
“Não vejo possibilidade de vitória para a vida na próxima votação”, o ativista pró-vida brasileiro Julio Severo disse para LifeSitenews.com, “não porque eu seja pessimista, mas porque um dos ministros já declarou que os que defendem o aborto de bebês deficientes de anencefalia terão uma grande vitória”.
Severo também comentou que todos os 11 ministros do STF foram nomeados por presidentes pró-aborto, e observou que “há amplas forças governamentais pressionando o avanço do aborto legal”.
O caso, que estava parado desde 2008, estará sob a relatoria de um ministro abertamente pró-aborto que declarou publicamente que ele considera o caso como um “gancho” para entrar num debate mais amplo sobre o aborto e a eutanásia como um “direito”.
Numa entrevista à revista Veja naquele ano, num gabinete cercado por imagens católicas sagradas, o ministro do STF Marco Aurélio Mello disse: “O tema anencefalia é um gancho para discutir situações mais abrangentes e fronteiriças”.
“Em minha opinião, os casos de interrupção de gestação de anencéfalo e os de aborto de forma mais abrangente, quando a gravidez não é desejada, possuem um ponto importante em comum: o direito de a mulher decidir sobre a própria vida”, disse Mello, que acrescentou que “o princípio que está em jogo nessas situações é o do direito à liberdade”.
Bebês com anencefalia têm falta parcial ou completa da matéria cerebral superior, e nascem com uma grande abertura na parte de cima do crânio. Eles raramente sobrevivem mais do que uma semana após o nascimento, embora alguns tenham vivido por vários meses nessa situação.
Embora eles sejam muitas vezes considerados como tendo falta de atividade mental, o testemunho de pais de bebês anencefálicos muitas vezes contradiz essa percepção.
Marcela Ferreira viveu 20 meses fora do útero com anencefalia, de 2007 a 2008. Apesar da ausência da maior parte de sua matéria cerebral superior, ela chupava o polegar, chorava para sua mãe e reagia a outros membros da família. A conduta dela era tão contrária ao pensamento convencional sobre anencefalia que levou pelo menos um médico a negar que ela tivesse o problema, apesar de um diagnóstico de vários médicos.
Várias organizações pró-vida planejam iniciar uma vigília de oração às 18h de 10 de abril na Praça dos Três Poderes na frente do Supremo Tribunal Federal, que durará até que todos os ministros tenham votado no dia seguinte, de acordo com o serviço noticioso católico ACI Digital.
ACI Digital também informa que no mesmo dia, uma campanha pró-vida de Twitter será direcionada ao STF, cujo endereço é @STF_oficial, com as hashtags #anencefalo e #avidaporumfio.
publicado por institutogamaliel às 19:00
tags:


Bill Fancher

(AgapePress) — Em nossa época de “tolerância”, um líder evangélico que luta a favor dos valores da família diz que há um grupo que jamais é tolerado por aqueles que se consideram politicamente corretos: “os ex-gays”.

Depois de dedicar a “Semana do Orgulho Gay”, um sistema escolar de Virginia, EUA, rejeitou a idéia de permitir que ex-homossexuais se dirigissem aos estudantes. Bob Knight, do Instituto de Cultura e Família, diz que os “ex-gays” parecem não ser reconhecidos.
“As pessoas que venceram o homossexualismo — que achavam que tinham nascido gays e não podiam mudar e então entenderam que podiam mudar — são considerados como se não existissem”, declara Knight. “Eles são continuamente bloqueados do acesso ao público”.
Knight afirma que se pode achar a mesma discriminação contra ex-homossexuais nas emissoras de televisão também. “As emissoras têm um problema que vem de anos, pois os ativistas homossexuais têm usado poder de veto em termos de quem deve ser indicado para os programas de TV”, explica ele. “Eu mesmo já experimentei isso. Eu havia sido marcado para participar de programas com Stephen Bennett e outros ex-homossexuais, e as emissoras me informaram de que esses ex-gays — que já estavam com tudo marcado — tiveram seu compromisso cancelado, porque os ativistas homossexuais se recusaram a participar do programa com um ex-gay”.

Bennett, um sincero ex-homossexual que hoje dirige um ministério evangélico, foi marcado recentemente para participar do programa Bom Dia América para debater um controvertido programa da TV educativa. Ele havia sido marcado para aparecer com duas lésbicas num segmento de Bom Dia América, mas elas informaram à emissora de que não apareceriam com Bennett. Bennett foi então desmarcado pela emissora e ele crê que foi tirado do programa por causa da “intolerância e preconceito” das lésbicas para com ele, só porque ele é ex-homossexual.
“Os ativistas homossexuais simplesmente não ousam permitir que os ex-gays tenham um palanque”, afirma Knight.
Knight, que não é ex-homossexual, desafia as intenções dos ativistas homossexuais e as debate muitas vezes, em todos os lugares que lhe é permitido aparecer.

Bill Fancher escreve regularmente para AgapePress e trabalha como jornalista da American Family Radio News.

Traduzido e adaptado por Julio Severo: http://www.juliosevero.com.br
publicado por institutogamaliel às 18:56



publicado por institutogamaliel às 18:56



A defesa do jornalista Reinaldo Azevedo é tão sensacional, e de uma lucidez fenomenal, que o pastor Silas Malafaia determinou que o Verdade Gospel não coloque nenhuma palavra do jornalista, para que você acesse direto na reportagem e deixe seu comentário lá.

São duas matérias:

- Quando “pau” é apenas uma metáfora! Ou: Será que Malafaia cometeu um crime?

- Intolerância religiosa, a nova face da “vanguarda do atraso”

Pastor Silas Malafaia comenta:

Nem eu mesmo consegui me defender com tanta precisão e clareza como Reinaldo Azevedo me defendeu. Queremos honrar a quem merece, pela maneira justa e honesta como se posiciona em suas colocações.

publicado por institutogamaliel às 18:49


Leia com atenção a nota do segmento LGBT do PT e logo após o comentário do Pr. Silas Malafaia:

Nota do setorial nacional LGBT do PT sobre posicionamento do senador Lindbergh Farias (PT-RJ)

Na última terça-feira, 3 de abril, o senador petista pelo Rio de Janeiro, companheiro Lindbergh Farias, fez um aparte ao pronunciamento do representante capixaba naquela Casa, o pastor fundamentalista e senador Magno Malta (PR).

Magno Malta é um dos maiores ícones do obscurantismo, tenaz opositor dos direitos humanos, sobretudo dos direitos da população LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais).

Em seu pronunciamento, o homofóbico senador faz novamente ataques contra o movimento pelos direitos humanos das pessoas LGBT, propagando fantasias como a existência de um “império homossexual”. Magno Malta também faz a defesa de um dos principais inimigos da cidadania homossexual, o pastor Silas Malafaia, conhecido por incitar a homofobia e por se opor ao PLC 122, que criminaliza práticas discriminatórias contra LGBT.

Para a perplexidade da militância petista e de todo o movimento social LGBT brasileiro, assistimos ao senador Lindbergh Farias, do PT, possuidor de uma bela trajetória de esquerda, de defesa da juventude, da população negra, dos pobres, se somar a Magno Malta na defesa de Silas Malafaia.

Silas Malafaia está sendo processado pelo Ministério Público Federal por incitar o ódio e a violência contra os homossexuais. Em seu programa semanal, esse pastor obscurantista tem se destacado por sua pregação intolerante contra a população LGBT. É uma prática recorrente.

É preciso acrescentar que Malafaia ameaçou verbalmente e está processando o presidente da maior associação de defesa dos direitos LGBT do Brasil, Toni Reis, da ABGLT. Esse líder cristão fundamentalista é um cancro incrustado na democracia brasileira. A luta de diversos setores dos movimentos sociais é para impedir que Malafaia siga propagando seus conceitos discriminatórios em emissoras de televisão, que são concessões públicas.

A fala do companheiro Lindbergh se torna ainda mais grave por ignorar e desconsiderar o cerne do debate sobre o PLC 122, que é a interdição dos discursos que incitam a violência utilizando-se do pretexto da liberdade religiosa.

Esquece-se o senador Lindbergh que a liberdade de expressão e a liberdade religiosa não estão acima do princípio da igualdade, da dignidade e da não-discriminação. Mais ainda, discursos de ódio não estão sob a proteção da liberdade religiosa ou da liberdade de expressão. Tanto assim, que, no Brasil, o racismo e o anti-semitismo, por exemplo, são crimes.

O velho Marx nos ensinou que as ideias se tornam força material quando penetram nas massas. Discursos homofóbicos de pastores e padres, difundidos nos meios de comunicação de massa armam as mãos que, na sequência, vão agredir e matar milhares de homossexuais e pessoas trans em todo o Brasil, cotidianamente.

O Partido dos Trabalhadores tem resolução Congressual de apoio à criminalização da homofobia e ao casamento civil de homossexuais. A senadora Marta Suplicy (PT-SP), vice-presidente do Senado, é relatora do PLC 122, e convocou audiência pública para o próximo dia 15 de maio, justamente para tentar avançar, mais uma vez, na aprovação da criminalização da homofobia. Marta segue as diretrizes do PT. Lindbergh Farias, ao defender o homofóbico Silas Malafaia, se afasta enormemente das posições do nosso Partido.

Importante ressaltar que o Rio de Janeiro é vanguarda no debate e garantia dos direitos LGBT, pois é o estado com mais políticas públicas e maior orçamento para as ações de combate à homofobia. O governador Sérgio Cabral (PMDB) é um dos maiores aliados da cidadania LGBT no Brasil. O prefeito Eduardo Paes (PMDB) também executa políticas de promoção da cidadania dessa população.

Além disso, Jean Willys (PSOL), o primeiro parlamentar gay defensor da causa é também representante do Rio. Infelizmente, Malafaia, Garotinho e Bolsonaro também fazem carreira política nesse estado.

Esperamos, sinceramente, que o senador Lindbergh Farias não tenha resolvido se perfilar com o segundo grupo de políticos fluminenses, os inimigos dos direitos humanos e da cidadania LGBT. Não há cálculo político ou eleitoral que justifique essa ruptura com os princípios do PT e com a própria trajetória do senador.

Apelamos para que o companheiro Lindbergh Farias se debruce um pouco mais sobre as posições do Malafaia – incompatíveis com o Estado democrático de direito – e cesse a sua defesa desse senhor, inimigo dos direitos humanos e da população LGBT.

São Paulo, 4 de abril de 2012.

Julian Rodrigues - Coordenador nacional setorial LGBT do PT

Pr. Silas comenta:

Esta nota é uma prova insofismável, irrefutável, de quem são os verdadeiros intolerantes:

1- Ao ver as palavras de Lindbergh, você pode observar a coerência, o equilíbrio do senador Lindbergh em me defender. Em todo instante, de maneira bem clara, ele diz que não apóia violência contra gays, mas, de maneira justa, me defende desta armação dos ativistas gays.

2. Os ativistas gays querem liberdade para xingar e ofender quem eles bem entendem, como fizeram nesta nota ao chamar a mim e o senador Magno Malta de homofóbicos e intolerantes. Como todos sabem, homofobia é uma doença classificada na psiquiatria. Isto é uma ofensa! Agora, se qualquer um chamar os homossexuais de doentes, eles querem processar. Mais uma vez para provar a calúnia e a mentira destes ativistas é que eu desafio esse medíocre – que escreveu a nota do PT – a mostrar qual o dia que eu mandei bater em homossexual? Qual o homossexual que entrou em minha igreja e foi agredido? A verdade é que eles querem me calar, mas maior é o que está comigo do que o que está com eles.

3- O PLC 122 é uma afronta à Constituição, fazendo dos homossexuais um grupo social acima dos demais, para eles terem o direito de processar qualquer um a partir dos que eles julgam ser uma ofensa de caráter filosófico, ideológico ou psicológico. É isto que está no PLC 122. Um absurdo! Uma aberração jurídica!

4- A piada desta nota escrita por este cara de pau do PT, é que os ativistas gays querem comparar o comportamento homossexual à raça. Porque ser negro, branco, amarelo, índio etc… não é uma questão de opção, a pessoa nasce. HOMOSSEXUALISMO É UM COMPORTAMENTO, COMO OUTROS TANTOS COMPORTAMENTOS DO SER HUMANO. NINGUÉM NASCE HOMOSSEXUAL.

5- O que o povo evangélico e a liderança evangélica precisam saber é, como já acontece no Canadá, Inglaterra, e outros países, é proibido pregar contra a prática homossexual e dizer que é pecado. Querem calar a Igreja e colocar pastores na cadeia. Eu não estou nesta luta por interesses mesquinhos ou políticos, mas sim em defesa dos nossos princípios e também dos direitos constitucionais. POVO DE DEUS, LIDERANÇA EVANGÉLICA, ACORDEM!!!

6- Por favor, enviem e-mails ao senador Lindbergh se solidarizando com sua postura justa e democrática: lindbergh.farias@senador.gov.br

publicado por institutogamaliel às 18:48



reverendo carlos 150x150 Igreja Anglicana consagra oratório a favor dos homossexuais

Reverendo Carlos Calvani, na missa deste domingo (Foto: Aliny Mary Dias/G1MS)

A Igreja Episcopal Anglicana do Brasil consagrou neste domingo, dia 9, um pequeno oratório destinado às imagens de São Sérgio e São Baco, santos padroeiros dos homossexuais.

A igreja, que fica em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, apoiou a Parada da Diversidade Homo afetiva e com um cartaz que dizia “Deus não discrimina ninguém”, foi celebrada uma missa que durou cerca de uma hora com a presença de 20 fiéis.

Os Santos, considerados mártires pela Igreja Anglicana eram militares e viviam em união estável quando se converteram ao cristianismo no século III, até que foram denunciados e perseguidos pelo Imperador Maximiano, que mandou torturá-los e condená-los à morte.

Mais tarde, a Igreja Bizantina (Ramo Ortodoxo do Cristianismo no Oriente) os canonizou.

O reverendo Carlos Eduardo Calvani, líder da igreja Anglicana, disse em entrevista ao site G1, antes da missa, que as diversidades sempre serão bem-vindas ao templo. “A igreja precisa difundir o direito de rezar sem ser discriminado. Não somos só uma igreja de gays, mas uma família. Não julgamos ninguém e acolhemos a todos”, declara o reverendo.

O casal Alex Lima, de 25 anos, e Renato da Silva, de 30 anos, são frequentadores da igreja e contam que a casa própria e a adoção da filha de quatro meses foram algumas das graças recebidas pelo casal. “Para nós é uma conquista, pois mostra que, desde antigamente, os homossexuais eram respeitados”, afirmou Silva.

Verdade Gospel / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:52


anderson zambom 300x175 Bispo homossexual evangélico, diz que Ser gay não é pecado

Foi inaugurada no dia 24/03, em Porto Alegre, a primeira igreja voltada para público gay do Rio Grande do Sul. O Homossexual assumido, o bispo Anderson Zambom, 26, estará à frente da igreja juntamente com a pastora Vanessa Pereira, 27 anos e contaram com o apoio da também pastora homossexual Lanna Holder.

Em uma entrevista a Revista Veja Anderson, revelou que era discriminado em outra igreja que frequentava, pelo motivo de ser homossexual, sendo que seus pastores pregavam que a homossexualidade é ‘um grande pecado’, “- Então, criei um espaço inclusivo e sem preconceitos para que gays como eu possam expressar sua fé.”, disse ele a revista.

Anderson afirma que na adolescência teve varias namoradas, e que seus pastores o pressionavam para que ele cassasse, mas aos 19 anos teve o seu primeiro namoro homossexual, “vi que não dava mais para viver com máscaras”, contou Anderson.

A Igreja Inclusiva Cidade de Refúgio, uma extensão da ex-pastora Assembleiana Lanna Holder, seguira um estilo pentecostal, e de acordo com Anderson ela será aberta a todos e abrigará os excluídos por causa de sua sexualidade. Anderson frisa que não será um ‘gueto gay’, mas que as famílias e ‘heterossexuais são bem-vindos’.

No culto de inauguração, a igreja contou com a presença de 50 pessoas, e Anderson esta muito animado e acredita que com o tempo a frequência em seus cultos irá crescer.

Ao ser questionado pela revista, se ser gay é pecado, Anderson ataca os pastores que pregam contra a prática gay, dizendo que eles são ‘pastores fundamentalistas’ e que ensinam errado a Palavra de Deus.

“A Bíblia não fala de condenação à homossexualidade, e Deus não faz distinção entre as pessoas. O problema é que pastores fundamentalistas passam os ensinamentos errados. É evidente que ser gay não é pecado.”, diz Anderson.

Para os dirigentes da igreja, além de ter um estilo pentecostal, a igreja terá um perfil jovem, com cultos semelhantes aos da igreja Bola de Neve, e ainda este ano esta programada uma festa noturna direcionada ao público cristão com a Balada Gospel.
Anderson tem planos bem ambiciosos, ele pretende criar uma ‘convenção nacional das igrejas inclusivas’.

Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:50


baseado1 300x243 Maioria da População é Contra Aborto e Legalização da Maconha, diz Pesquisa

Uma pesquisa de opinião pública encomendada pelo PSDB a respeito de temas como aborto e descriminalização do consumo da maconha apontou que 77% dos brasileiros é contra o legalização da droga e 73% se posicionaram contra o aborto , segundo informação de Ricardo Noblat, jornalista de O Globo.

Segundo Noblat, a pesquisa abordou também temas como desarmamento, redução da maioridade penal, pena de morte e política de cotas para negros mostrou importantes tendências dos brasileiro com relação a esse temas polêmicos.

O levantamento mostrou que 61% dos ouvidos apoiam o desarmamento, sendo 33% contra, fala ele em seu blog. Durante o referendo de 2005 a tese do desarmamento foi derrotada por 64% a 36%.
Na análise do cientista político Antonio Lavareda, na reunião com a bancada federal tucana, é que há maior compreensão esensibilidade diante do drama da violência. Isso explica a inversão no posicionamento da população brasileira.
A pesquisa confirma que a redução da maioridade penal, de 18 anos para 16 anos, tem amplo apoio social: 79% a favor e 17% contra. A maioria é a favor também da pena de morte: 57% x 34%; Quanto à política de cotas para negros, há divisão: 49% contra e 43% a favor.

Christian Post / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:48
tags:


drogas1 150x150 Estatísticas mostra que jovens evangélicos estão mergulhando no submundo das drogas

Avanço das drogas na sociedade bate à porta da igreja e jovens evangélicos já fazem parte de estatísticas do vício.
Tudo começou com um punhado de anfetaminas e o desejo desenfreado de vencer no ciclismo. Mas logo vieram o ecstasy, a cocaína, o crack, as brigas com a família e os roubos para manter o vício que acabara de se instalar. A cada capítulo, o drama vivido por Danilo Gouveia, personagem interpretado pelo ator Cauã Reymond na novela Passione, da Rede Globo, mexe com os telespectadores e choca a sociedade com a dura realidade das drogas. Não é o primeiro sucesso do showbiz macional em cima do assunto. Há pouco tempo, o longa Meu nome não é Johnny, baseado no livro do jornalista Guilherme Fiuza, ganhou as telas dos cinemas ao revelar as desventuras de João Guilherme Estrella, um jovem que tinha tudo na vida, menos limites, pelo mundo das drogas. Em comum, histórias como as de Gouveia e Estrella alertam dramaticamente que ninguém está livre desse perigo – nem mesmo aqueles que estão aparentemente nas situações mais seguras, aos olhos dos homens. Johnnatan Wagner Richele Guardian, hoje com 25 anos, sabe muito bem o que isso significa. Nascido numa família de pastores, Johnnatan cresceu dentro de uma congregação da Igreja do Evangelho Quadrangular, numa pacata cidade do interior das Minas Gerais. Na adolescência, envolveu-se com o grupo de mocidade e começou a tocar nos cultos. Tinha talento e um futuro promissor. Mas trocou tudo pela bebida e pela droga. A ponto de terminar traficando cocaína e crack nas ruas da cidade de São Paulo. Tornara-se um dependente.

Para quem observa hoje o trabalho e o envolvimento do obreiro Johnnatan com a juventude da Igreja Internacional da Graça de Deus, onde se prepara para o pastorado, é até difícil imaginar o que pode ter acontecido para um moço aparentemente tão fervoroso espiritualmente ter se esfriado tanto. “As pessoas sempre me viam nos cultos, mas não sabiam o que se passava comigo”, conta. Repetindo o que acontece com tantoa garotos que crescem numa aparente segurança espiritual dentro das igrejas, ele estava longe da fé fervorosa da avó, que sempre o levava aos cultos. “Eu achava tudo muito careta e, influenciado por alguns amigos, pensava que ser crente era viver escondido atrás de uma Bíblia”. Aos 19 anos, o rapaz deixou a igreja. Com a “ajuda” daqueles mesmos amigos, começou a beber. Dali para as drogas, foi um passo.

A família, no entanto, não desconfiava de nada. Só veio a descobrir a verdade quando Jonathan foi morar com a mãe, na capital paulista. Como o que ganhava já não era suficiente para comprar tóxicos, começou a vender coisas de casa até ser flagrado pela mãe. Já estava dominado pelo vício. Nos anos seguintes, não foram poucas as tentativas de deixar as drogas, mas elas sempre terminavam em fracasso. Bastava uma discussão que o deixasse mais nervoso para Johnnatan mergulhar novamente naquele mundo. “Quando ficava desempregado ou o dinheiro acabava, vinham as vozes no ouvido: ‘Por que você não se mata? Jogue-se da ponte!’. Era terrível”, recorda. Conseguiu sobreviver até que um de seus patrões o levou de volta à igreja, onde recebeu a Cristo como Salvador. Logo foi incentivado a largar o vício. Essa decisão, assim como a de romper com velhas amizades e até mesmo um namoro, foram decisivas para que ele tivesse êxito.

Histórias de crentes que enfrentam o pesadelo das drogas chegam a soar muitas vezes quase como surreais. Porém, o que mais impressiona não são experiências sobrenaturais ou as misérias enfrentadas quando a pessoa chega ao fundo do poço, mas perceber que esses casos se multiplicam. Por si só os números que envolvem as drogas têm dimensões infinitamente maiores do que qualquer das pragas descritas no Apocalipse. Estima-se que, em todo mundo, mais de 210 milhões de pessoas usem algum tipo de droga ilegal. Dessas, de acordo com levantamento da Organização das Nações Unidas, 26 milhões enfrentam problemas sérios, como a dependência de substâncias mais pesadas, especialmente nos grandes centros urbanos. É um problema de saúde pública, inclusive no Brasil, onde estima-se que haja quase 900 mil usuários. Mas, quando se pensa que uma parte desse contingente é formado por jovens filhos de crentes ou desviados das igrejas, a preocupação é ainda maior.

O pastor Cilas, dirigente de uma igreja pentecostal do Rio de Janeiro, pede que a reportagem omita seu sobrenome e o nome de seu filho mais novo, de 22 anos. Mas não esconde que vive esse drama: “Eu prego a libertação que há em Jesus no púlpito, mas esse processo ainda não aconteceu na minha casa”, lamenta o religioso. No fim da adolescência, o filho, que desde bebê acostumou-se a ouvir cânticos e mensagens de fé na congregação frequentada pela família, deixou de ir aos cultos. Alegava que queria ficar em casa e assistir televisão aos domingos, mas quando se via sozinho, saía furtivamente. “Pensamos que era aquela coisa de adolescente rebelde, que um belo dia vai ter uma experiência com Cristo e mudar de vida”, diz Cilas. O problema era muito maior – o garoto já andava com outros rapazes mais velhos, que o iniciaram nas drogas. Passo seguinte, abandonou os estudos e agora pouco aparece em casa, para desespero dos pais. “Às vezes, fico semanas sem vê-lo, sem nem mesmo saber se está vivo ou morto”, entristece-se o pastor, que admite a própria culpa. “Tinha tanto interesse em buscar as almas perdidas que não percebi que tinha um perdido sob meu teto.”

RELAÇÃO PERIGOSA
Não existem pesquisas nem números que quantifiquem de fato essa relação perigosa dos jovens evangélicos com as drogas. Mas basta analisar o perfil dos pacientes internados nas muitas casas de recuperação para dependentes químicos espalhadas pelo Brasil para perceber que vários deles têm ou tiveram alguma relação anterior com o Evangelho. Essa constatação se repete nas ruas. No Rio de Janeiro, missionários que trabalham nas favelas costumam relatar encontros em que traficantes pedem orações. “Cansei de conhecer traficantes filhos de crentes”, confirma o missionário Pedro Rocha Júnior, de Jovens com uma Missão, a Jocum. Atualmente no Cairo (Egito), ele passou mais de uma década pregando o Evangelho e prestando serviços sociais no Morro do Borel, zona norte da capital carioca, num tempo em que a comunidade era dominada pelo narcotráfico. “Muitos dos traficantes tinham nomes bíblicos, como Ezequiel, Davi, Josué. Gente criada na igreja, mas que depois pulou fora e caiu no vício.”

Em São Paulo, na chamada Cracolândia – área da região central da cidade que ganhou fama pelo tráfico de drogas e pela prostituição, além dos delitos praticados a céu aberto e em plena luz do dia –, meninos e meninas que um dia cantaram em corais juvenis de igrejas agora não passam de moribundos que vagam pelos becos alucinados pela próxima dose. “É assustador ver que tanta gente com quem trabalhamos saiu de igrejas e provêm de famílias evangélicas. Seja por terem uma religião apenas nominal ou por experimentarem alguma frustração com o sistema, foram presas fáceis para a tentação das drogas”, explica a advogada e missionária Selma Maria de Oliveira, de 33 anos. Ela integra a Missão Cena, organização interdenominacional que trabalha na região da Cracolândia. Sua sede, localizada próximo dali, é um refúgio para quem já não pode contar com mais nada nem ninguém. A cada terça-feira, centenas de moradores de rua e viciados dirigem-se à base para comer, tomar banho, cortar o cabelo e trocar de roupa. Lá, encontram abrigo temporário, mas que pode se transformar em permanente: após passar por uma triagem, os usuários de drogas têm a possibilidade de conseguir tratamento na Fazenda Nova Aurora, centro de recuperação que a missão mantém em Juquitiba, no interior paulista.

A impressão dessa alta presença de ex-crentes entre os viciados foi partilhada pelo repórter de CRISTIANISMO HOJE. A revistaacompanhou na região central de São Paulo o trabalho de uma equipe de obreiros da Cena. Conversando com usuários de drogas como o crack, é possível perceber a origem e formação evangélica de diversos deles, como um rapaz que falava da Bíblia para moradores de rua. Antes, líder do louvor numa igreja pentecostal, ele agora se tornou traficante. Mesmo pedindo para não ser identificado, falou um pouco sobre sua história. Ainda guarda do Evangelho a certeza de que há perdão e restauração em Cristo, mas, por enquanto, diz não ter forças para sai do fundo do poço. “Tenho esperança de que um dia voltarei para os caminhos do Senhor”, diz. Mesmo assim, garante, fala do amor de Jesus aos outros. “Até ensino o pessoal a cantar alguns hinos”, diz, sorrindo.

“Há pelo menos quatro fatores que podem explicar o vício entre os jovens: o físico, o psicológico ou emocional, o social – e também o espiritual”, explica a psicóloga Gisele Aleluia, professora do Instituto de Integração da Família (Inif) e de pós-graduação na Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro. Coautora do livro Drogas.sem (Editora BestSeller), em que orienta como ajudar alguém que pretende deixar o vício, ela diz que os adolescentes são presas fáceis quando buscam reconhecimento entre os amigos e acham que as drogas os ajudarão a ser mais populares ou vencer a timidez na hora de namorar. Já outros, na ponta oposta, são por demais curiosos e autossuficientes para achar que correm riscos. “A mesma falta de perspectivas pode ser encontrada entre aqueles inseguros, que vão atrás de alívio para seus problemas”, aponta.

Pesquisa recente mostrou que um em cada quatro estudantes do ensino fundamental e médio da rede pública brasileira já experimentou algum tipo de droga, além do cigarro e das bebidas alcoólicas. Num desafio ao bom senso, experimentam esse tipo de substância cada vez mais cedo. Há dez anos, a média de idade para o primeiro contato era de 14 anos. Agora, não passa de onze. As pesquisas também revelam que, devido à exibição na televisão dos efeitos devastadores dos entorpecentes na vida de viciados e às campanhas de prevenção, a juventude brasileira sabe o tamanho desse problema. Ainda assim, boa parte dela não consegue ficar longe de um baseado de maconha ou um papelote de cocaína.

“No meio evangélico, some-se a tudo isso o ambiente repressor de muitas igrejas. Ao sair desse sistema, o jovem está vulnerável e despreparado”, continua a psicóloga Gisele. “Justamente por conta dessa tolerância para com os de fora e intolerância para os de dentro, a igreja tem facilidade para lidar com quem pede ajuda e dificuldade para auxiliar alguém já recuperado que recai”, diz. Membro do Corpo de Psicólogos e Psiquiatras Cristãos (CPPC), ela lembra o caso de um de seus pacientes. Filho de pastor, hoje, ele luta contra o vício. “A pessoa quer mostrar sua rebeldia usando tóxicos. No caso desse rapaz, ele me confessou que seu pai o havia prendido a vida inteira. Finalmente, quando conseguiu sair, saiu demais.”

ESPIRITUALIDADE TERAPÊUTICA
Do ponto de vista da ciência, as drogas são uma doença. Um problema sério, capaz de acabar com relacionamentos e inviabilizar o estudo e o trabalho – e que precisa do devido acompanhamento e de soluções à altura. Mesmo assim, até na área médica já existe um consenso de que a espiritualidade tem um papel muito importante para prevenir e tratar a dependência química. No mais amplo estudo realizado no Brasil sobre o tema, de autoria de pesquisadores da Universidade de Campinas (Unicamp), mais de 16 mil estudantes foram envolvidos. A conclusão foi de que a religiosidade é fator importante de prevenção ao vício.

Essa também é a opinião dos órgãos governamentais responsáveis pela política nacional de combate às drogas. “As instituições religiosas são fundamentais para minimizar o impacto do uso das drogas na população. Ter fé auxilia no enfrentamento do estresse e de situações difíceis na vida, que são fatores de risco para o uso dessas substâncias”, defende Paulina Duarte, secretária adjunta da Secretaria Nacional Antidrogas (Senad). Dentro da estratégia de priorizar a prevenção, um dos principais projetos da instituição é o curso Fé na Prevenção, desenvolvido para capacitar os religiosos a trabalhar na área. O objetivo era chegar ao fim de 2010 com 200 mil pessoas treinadas.

“Valores espirituais protegem a pessoa das drogas. Por isso, torna-se tão importante falar a língua do jovem”, faz coro Gisela. Acontece que normalmente famílias e igrejas que enfrentam o perigo das drogas com seus jovens têm dificuldade para fazer a pressão na medida certa e ao mesmo tempo manter o mínimo de diálogo. Na lacuna, quem entra com força são os centros especializados no acolhimento e tratamento a viciados. Não por acaso, a maior parte das casas de recuperação são evangélicas ou católicas, sendo procuradas também por quem não tem religião. Mas a demanda é grande demais, inclusive por parte das igrejas e famílias evangélicas que as veem como última esperança. Só a Federação de Comunidades Terapêuticas Evangélicas do Brasil (Feteb) representa cerca de 300 instituições do gênero no Brasil. Quem atua no setor quer fazer mais. “Para prestar um serviço relevante à sociedade precisamos nos qualificar, mas também melhorar nossa estrutura física”, diz o presidente da entidade, pastor Wellington Vieira. “Um primeiro passo é o reconhecimento dos governos federal, estaduais e municipais ao nosso serviço e parcerias que nos permitam adaptar-nos às exigências da Vigilância Sanitária para o funcionamento das clínicas”, reivindica.

A fé, contudo, não faz milagres sozinha. “Não adianta somente se dizer evangélico. Se a família que frequenta a igreja é disfuncional, a chance de seus filhos pararem nas drogas é alta”, constata o pastor Carlos Roberto Pereira da Silva, do Desafio Jovem de Rio Claro (SP). Desde 1998, a casa é a representante oficial do Ministério Desafio Jovem Internacional, criado quarenta anos antes nos Estados Unidos pelo pastor David Wilkerson, cuja história está registrada no best-seller A cruz e o punhal (Editora Betânia). Na época, Wilkerson, pastor de uma Assembleia de Deus no interior do país, mudou-se para Nova Iorque a fim de evangelizar gangues que disputavam o poder nas ruas da metrópole.

“O tratamento é melhor estruturado e mais complexo agora”, destaca Carlos, “mas, ainda hoje, a filosofia de trabalho permanece a mesma. Temos uma das melhores porcentagens de recuperados no país, com mais de 70% de sucesso. Nos Estados Unidos, o índice chega a 86%”. Ele é parte dessa estatística, já que, no passado, foi viciado e chegou a roubar e traficar drogas. Com conhecimento de sobra, o pastor não tem ilusões em relação ao assunto. “Infelizmente, muitas igrejas querem lidar com viciados sem o mínimo de estrutura. Não se tira alguém das drogas com uma simples oração ou unção com óleo”. Mas sabe que o Evangelho de Jesus continua tendo poder de mudar vidas. “Acredito que a Igreja brasileira continua sendo um lugar terapêutico, mas é preciso voltar a tocar a trombeta do despertamento.”

Johnnatan, o futuro pastor que abre a reportagem, tem feito isso. Exceção à regra, ele superou o vício sem precisar ser internado em uma casa de recuperação. Mas sabe que precisa vigiar. As recaídas são das maiores ameaças a ex-viciados, e ele já passou pela experiência. “E não quero repetir nunca mais”, afirma. Consciente da situação, hoje Johnnatan ajuda a tirar outros jovens do submundo das drogas. Quase toda semana, visita instituições de atendimento, onde testemunha e encoraja os internos a continuarem o tratamento. “Se eu consegui, você também consegue”, costuma repetir para rapazes e moças – muitos dos quais, como ele, deixaram para trás os tempos de comunhão com o Senhor e os irmãos para entrar num caminho nem sempre com retorno.

Pesadelo global

Segundo a ONU, 210 milhões de pessoas no mundo usam substâncias ilegais
Destas, 26 milhões são seriamente viciados em drogas pesadas
No Brasil, usuários frequentes e viciados chegam a 900 mil
Há dez anos, a idade média do primeiro contato era 14 anos. Hoje, é de 11 anos
1 em cada 4 estudantes brasileiros de ensino fundamental e médio já experimentaram

Solução arriscada
A última conferência da Comissão de Entorpecentes da ONU, realizada em Viena, Áustria, em 2008, foi palco para surpresas desagradáveis. A primeira foi o trágico balanço da luta contra as drogas. A proposta de criar “um mundo livre das drogas”, slogan aprovado pela entidade dez anos antes, foi um fracasso retumbante. A segunda, a ressurreição das vozes que clamam pela legalização do uso de substâncias consideradas ilícitas. Mesmo derrotada, a proposta é cada vez mais forte no mundo moderno.

Historicamente, a legalização das drogas trouxe mais males do que benefícios. Há cem anos, a China só conseguiu conter o crescimento do consumo de ópio quando passou a combatê-lo. Com isso, evitou uma catástrofe nacional, já que 25% da população era viciada. Em países como a Holanda, que liberou a compra de até cinco gramas de maconha em lojas, criou-se um “turismo da droga” – além disso, bairros inteiros da capital Amsterdã se degradaram.

Blindagem familiar
São muitos os caminhos, as oportunidades e as necessidades que levam o jovem às drogas. Mas a família não deve encarar o pesadelo como inevitável ou definitivo:

· Diálogo constante e compreensão na medida certa, com demarcação de limites claros, continuam sendo as melhores opções para manter os filhos longe do vício

· A fuga para as drogas geralmente é sintoma de que algo não vai bem em casa. Os pais precisam exercitar a autocrítica o tempo todo

· O filho deve ser conscientizado, desde cedo, que é o principal responsável por seus atos – e a principal vítima de suas eventuais consequências ruins

· Famílias acomodadas correm mais riscos de serem surpreendidos pelas drogas. Os pais devem acompanhar a rotina, fiscalizar companhias e programas dos filhos e, sobretudo, ganhar sua confiaça

· O drama das drogas muitas vezes não se resolve e pode levar o filho à ruína pessoal e à morte. A família não deve minimizar o uso de substâncias entorpecentes ou considerar que a prática é coisa normal do processo de formação e amadurecimento do jovem

· Repetidos estudos têm mostrado a importância da prática religiosa como forma de prevenção ao vício. Pais crentes devem incentivar o desenvolvimento da vida espiritual dos filhos e seu engajamento numa congregação

Fontes: Desafio Jovem e Clube 700 (adaptado) / Cristianismo Hoje / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:46
tags:


namoro cristao 300x200 Quatro coisas que um namoro deve proporcionar
Quando ministro aos jovens de minha comunidade, costumo dizer a eles que há pelo menos quatro coisas que um namoro para ser considerado “Namoro em Cristo” deve trazer, deixe-me compartilhar com você também:
1- Saúde física:

Nós sabemos e não podemos ser hipócritas de achar e ou fazer de conta que acreditamos que todos os nossos jovens são vencedores na área sexual, que todos se abstem de relacionamentos sexuais, não, isso não seria verdeiro e não ajudaria muito.Diante disso, os meninos e as meninas tem que cuidar para que o outro não se contamine com doenças adquiridas sexualmente, como a herpes, hepatite,AIDS, e tantas outras transmissíveis de pessoa a pessoa. Digo sempre, que aquele “aquela coisinha linda” ou aquela “princezinha” pode trazer dentro de si uma “fera adormecida” como a AIDS. Por isso é melhor obedecer e decidir-se pela pureza, nadando contra a corrente e abstendo-se sexualmente.

2- Saúde emocional:

É comum os adolescentes começarem um namoro, entegarem-se apaixonadamente um para o outro, e junto nesse pacote, o ciúme. À partir daí, as brigas começam, os controles, as discussões, as separações e voltas que não acabam mais, de forma que a vida muda, aquela menina que antes era alegre, saía com as amigas, vivia sorrindo, agora, já nem sorri mais. Chora as escondidas dos pais no interior de seu quarto, a depressão começa a dar seus primeiros sinais,os ressentimentos e outras coisas mais tomam conta do inexperiente coração. Ora, isso não é possível que seja a vontade de Deus para um relacionamento. Se um relacionamento não traz saúde emocional então, não era bem isso que Deus tinha para eles.

3- Saúde espiritual:

Se o fato de estar namorando acabou por trazer crescimento espiritual, trouxe uma maior proximidade para com Deus, eles estão visivelmente apaixonados entre si e por Jesus, então o casalzinho está no caminho certo. Agora, se depois de iniciado o namoro,eles se afastaram da igreja, buscaram outros amigos,outros prazeres, a música da igreja já não serve, os amigos de lá também não; o estilo de vida, os compromissos, os eventos, tudo isso já não é mais importante, então eles já não são um presente de Deus para o outro. Um bom namoro precisa antes de tudo nos aproximar de Deus e não nos afastar Dele.Quando eu digo que amo a Deus, devo amar as coisas que ele ama.

4- Crescimento e Promoção Pessoal:

O namoro em Cristo, além de outras coisas, deve ser aquele que permite o crescimento de ambos enquanto seres sociáveis que são. O namoro que faz com que os dois , ou um deles deixe de estudar, de trabalhar, de relacionar-se com outras pessoas, ou principalmente, deixe de servir ao Senhor, está fora dos planos do Pai. Observamos moços que proíbem a namorada de trabalhar aqui ou ali, de estudar,participar da sua igreja, enfim, de buscar a sua própria promoção social, o seu crescimento enquanto ser humano, não pode ser bem vindo e tem que ser repensado agora.Como diz o humorista, ” a mulher se casa esperando que o homem mude, o homem se casa esperando que ela nunca mude”. Não espere que depois de casado o outro mude, o que não é impossível, mas que pode acrescentar muitas dores.

Um forte abraço, no amor de Jesus

por: Pr Ismael e Pra Cleire.

publicado por institutogamaliel às 17:45
tags:


namorovirtualinterna 150x150 Namoro a distância   será que funciona ?

1- O que o senhor pensa sobre os perigos de um relacionamento à distância?

Nenhum relacionamento está isento de riscos e perigos, porém, quando duas pessoas assumem um compromisso estando longe uma da outra, o que vai determinar a força dessa relação é a profundidade do caráter de cada um. Quantos casamentos foram iniciados a partir de um relacionamento a distância, e são felizes. O fato de algumas pessoas terem se dado mal num relacionamento assim, não significa que ninguém mais deve investir nesse tipo de namoro. Relacionamento a distância fracassados não é a regra.

2- Há algum risco de ocorrer uma traição quando a saudade aperta ou quando se encontra uma outra pessoa interessante?
A possibilidade de uma traição sempre existe, mesmo estando perto um do outro, porém, é claro que a ausência do parceiro(a) e o fato de se encontrarem esporadicamente, pode esfriar a relação vulnerabizando assim a relação. Lembre-se, por mais que ele(a) sinta saudade, o que faz as pessoas sustentarem o compromisso e se guardarem uma para outra, é o amor. A Bíblia diz que o amor é paciente, tudo sofre, tudo crê, tudo espera e tudo suporta (1 Co 13:4-7).

3- Como saber manter a chama acesa mesmo longe do namorado(a).
Com o avanço tecnológico, hoje os casais podem se comunicar através da Internet,(e-mail, vídeo câmera, MSN, ICQ…) telefone, fax etc. O contato permanente, mesmo a distância pode aprofundar o vínculo levando os dois a manterem o pacto de fidelidade. O namorado(a) precisa estar sempre lembrando que ele(a) está longe fisicamente, mas presente emocionalmente. A forma mais eficaz de conservar a chama acessa, é manter a conexão através dos meios disponíveis de comunicação. Os jovens amantes, sempre encontram uma forma de fazer o amor crescer apesar da distância. O amor é a causa motivadora da criatividade.

4- Como controlar a questão do ciúme e não se tornar uma torre de vigia por meio de ligações, cartas, e-mails etc.

Toda relação equilibrada é fundamentada na confiança e isso tem a ver com o caráter e maturidade das pessoas. O ciúme faz parte de um estágio de infantilidade emocional. Na proporção que a pessoa vai amadurecendo e tomando consciência do respeito que deve ter quanto aos limites do outro, o comportamento tende a mudar. O que não pode é alimentar esse sentimento em vez de buscar cura e libertação.

5- Namorar longe pode comprometer a relação dentro do casamento?
Depende, se os dois são apenas namorados, a resposta é não, mas se estão casados e por alguma razão um precisa ficar longe do outro durante muito tempo, ai sim é uma situação de grande risco. Conheço muitos casamentos que ruíram, porque um dos cônjuges resolveu ir para um outro pais a fim de ganhar dinheiro e o longo período que passaram distantes um do outro foi o fator determinante para que acontecesse uma traição. Quando estão os dois estão apenas namorando, é mais fácil administrar a distância, é claro que não é como se estivessem próximos. O casal precisa amar o suficiente para assimilar todas as implicações de um relacionamento assim.

6- É possível conhecer a pessoa mesmo estando longe? (como fazer para descobrir os caprichos, os valores, as manias, o gênio, o caráter, o relacionamento com a família) gostaria que você falasse sobre cada item desse separadamente.
Mesmo à distância, os dois precisam buscar meios para se encontrarem, a fim de que não seja um namoro 100% virtual. A verdade, é que, mesmo estando próximos e se encontrando com freqüência, ainda não é possível conhecer o suficiente, imagina estando longe. Um relacionamento à distância, muito mais do que aquele onde o dois está perto um do outro, precisa haver total transparência e sinceridade. Os dois vão precisar escrever, falar ao telefone, expor um para outro tanto as suas qualidades como os defeitos, e a tendência nessa fase é apenas mostrar o lado bom e omitir o ruim. É importante fazer contato com os pais, a família e os amigos, que podem dar testemunho da pessoa.
Um outro fator é que nós somos de certa forma aquilo que falamos, ao se comunicar durante um bom tempo com alguém, logo vamos conhecendo o perfil do caráter e da personalidade dessa pessoa. O que não pode acontecer, é o jovem fazer toda a leitura apenas com os óculos da paixão, ai é impossível uma analise criteriosa do outro. Sempre quem está de fora enxerga melhor do que os envolvidos, por isso leve muito a sério a opinião de pessoas maduras e que podem ajudar.

7- Namorar à distância funciona ou não funciona?
Depende muito dos envolvidos e das circunstâncias. Quando a distância é extremamente grande e os dois só vão se encontrar no dia do casamento para se verem pela primeira vez e casarem, essa decisão me parece ser um pulo no escuro sem saber onde vão cair. Ë imprescindível que o casal na medida do possível, se encontre, ainda que esporadicamente. Esse contato, onde os dois possam se olhar, ouvir, sentir a presença etc, é fundamental.

8- O senhor não acha que o relacionamento do casal de namorados entre suas famílias é importante? Então como proceder se eles moram longe?

A família é importante no relacionamento, mas os pais devem respeitar a liberdade de escolha dos filhos. Se a escolha que o(a) está fazendo é dentro dos princípios da Palavra de Deus e do outro a pessoa escolhida se mostra ser alguém que vale o investimento, não há o porque a família jogar contra. O amor vence obstáculos!

9- ver o relacionamento do/a namorado(a) com a família dele(a), ver como se tratam etc, também não é importante? Mas, no entanto, a distância também impede de observar isso, como fazer então para sanar o problema?

Como conselheiro que trabalha a muito tempo com casais e jovens, tenho orientado que, independente de quem seja a família do outro, é necessário que haja respeito e consideração. Isso porque é leviano dizer ao namorado, noivo ou cônjuge “te amo” e não querer bem a família dele(a), isso é o absurdo da incoerência. A forma como um vê a família do outro e com ela se relaciona tem muito mais a ver com a maturidade dos dois.

10- agora, à luz da Bíblia, termine deixando uma dica legal para os casais que namoram à distância.
Não importa o quão distante estão, o relacionamento tem que ser construído sobre base sólida, e nenhum outro alicerce é melhor do que os princípios estabelecido por Deus em sua Palavra. Tudo o que começa sem Deus termina em fracasso, mas quando o Senhor está no controle de todas as coisas, o relacionamento tem tudo para ser bem sucedido. A confiança na soberania de Deus e o amor pode fazer com que um namoro a distância desemboque num casamento feliz.

Alguns conselhos:

1. Estamos vivendo na era da “virtualidade”, onde muitos se conhecem através da internet. Cuidado, não seja precipitada(o) em se envolver num encontro virtual, nesses encontros nem todos dizem a verdade, é preciso muito cautela.

2. A vida é o resultado das suas escolhas, por isso a sua decisão deve estar respaldada na vontade Deus, busque-a como prioridade número um, não abra mão disso por nada.

3. Nunca se ponha debaixo de um jugo desigual com os incrédulos.

4. Não namore por lazer. Namoro não é passa tempo.

5. Após iniciar um relacionamento a distância, não deixe a “emoção” falar amais alto do que a “razão”, mantenha os pés no chão.

6. Lembre-se, maturidade é também saber dizer não quando necessário.

7. Envolva seus pais e sua família nesse projeto, eles poderão dar o apoio moral necessário em qualquer relacionamento relevante.

8. O pastor deve ser o seu conselheiro espiritual nessa área, esta cobertura é imprescindível.

9. Cuidado com o ciúme doentio, toda pessoa ciumenta vive aprisionada e busca sempre aprisionar o outro, isso é torturante.

10. Nunca acredite em tudo o que falam e seja criterioso(a) no julgamento sobre a pessoa com a qual está se relacionando.

11. Leia o Salmo 37, principalmente o versículo 4.

por: Pr. Josué Gonçalves

Familia de Baixo da Graça / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:42
tags:



namoro santo 300x220 Quero um namoro santo. Na prática, como é?
Essa tem sido a indagação de muitos filhos de Deus.

Eles querem um namoro santo, um namoro do qual não tem que se envergonhar, diante de Deus ou dos homens.

Um namoro onde a consciência não acusa, o Espírito Santo não convence do pecado porque ele não acontece, o diabo não tem brecha e o mundo, bem…. o mundo não consegue entender, mas respeita e admira.

Algumas características de um relacionamento que tem, como prioridade, a busca de santidade e da vontade do Senhor:

- Antes de namorar, sejam amigos. A amizade é fundamental para um relacionamento dar certo. Permaneçam ‘só amigos’ o máximo de tempo possível!

-Busquem orientação de Deus antes e durante o namoro.Se vocês não têm vergonha de beijar um ao outro, então porque ter vergonha de orar juntos?

- Estabeleçam alvos conjuntos. Façam do namoro o primeiro passo para um casamento. Nem sempre o namoro vai acabar num altar, mas esse deve ser o objetivo principal. Só comece a namorar com essa intenção, nunca para se divertir ou como passatempo.

-Não façam do namoro ou um do outro prioridade. Enquanto vocês não são casados continuam debaixo do cuidado dos pais, autoridades colocadas por Deus sobre suas vidas. A suas famílias devem ser prioritárias. A aprovação deles em tudo o que fizerem é imprescindível. Lembrem-se do mandamento: ‘Honra a teu pai e tua mãe…’ e Deus lhes mostrará que é fiel!

-Não se isolem. Muita gente, após um namoro desfeito, descobre que não tem mais amigos. Eles foram sumindo aos poucos, enquanto o namoro era autocentralizado.

-Não se sintam ‘dono do outro’. O namoro é apenas uma fase de conhecimento do parceiro (a), não significa que você tem posse sobre ele (a). Não se impeçam de, as vezes, saírem sozinhos (a) ou com a turma;

-Não dêem lugar ao diabo (Efésios 4:27). Não fiquem sozinhos em casa, não namorem no escuro. Não façam aquilo que virá a despertar desejos mais íntimos ou sexuais. Só façam um com o outro aquilo que não teriam vergonha de fazer na frente dos outros.

-Aproveitem esse tempo para conversar e abrir seus corações. Mas se vocês não são adeptos da corte, pelo menos coloquem beijos e abraços em segundo plano e sempre com moderação;

- Aprendam a demonstrar carinho com respeito. Palavras doces, pequenas surpresas e programas agradáveis a sós podem revelar seu amor pelo outro sem que suas convicções se choquem.

-Busquem o máximo de intimidade visando o conhecimento mútuo sem que seja necessário defraudação do corpo do outro. Intimidade também significa familiaridade. Duas pessoas íntimas se dedicam particular afeição.

-Façam com que a paz de Deus seja o árbitro. Namoro turbulento e cheio de neuroses não esta com nada. Não dêem ouvidos para que os outros falam, ou o que a sociedade vem impondo sobre namoros ‘modernos’.

- Lembrem-se que estamos no mundo, mas não pertencemos a ele. Não se acomodem, não se conformem com o que está errado. E sejam felizes! ‘E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.

por: Pr Ismael e Pra.Cleire
Namoro em Cristo / Portal Padom
publicado por institutogamaliel às 17:42
tags:



Namoro é uma fase muito bonita. É definida como o ato de galantear, cortejar, procurar inspirar amor a alguém. O namoro cristão, tenha a idade que tiver, deve ser uma convivência afetiva preliminar que amadurece e prepara o casal para o compromisso mais profundo. O contrário disso, longe dos princípios de Deus, pode resultar em uma experiência nociva e traumática. Observe alguns princípios que ajudam a manter o seu namoro dentro do ponto de vista de Deus.

1. Não namore por lazer: namoro não é passatempo e o cristão consciente deve encarar o namoro como uma etapa importante e básica para um relacionamento duradouro e feliz. Casamentos sólidos decorrem de namoros bem ajustados.

2. Não se prenda em um jugo desigual (II Co 6:14-18): iniciar um namoro com alguém que não tem temor a Deus e não é uma nova criatura pode resultar em um casamento equivocado. E atenção: mesmo pessoas que freqüentam igrejas evangélicas podem não ser verdadeiros convertidos ou não levarem o relacionamento com Deus a sério.

3. Imponha limites no relacionamento: o namoro moderno, segundo o ponto de vista dos incrédulos, está deformado e nele intimidade sexual ou práticas que levam a uma intimidade cada vez maior são normais, mas o namoro do cristão não deve ser assim, o que nos leva ao próximo mandamento.

4. Diga não ao sexo: Deus criou o sexo para ser praticado entre duas pessoas que se amam e têm entre si um compromisso permanente. É uma bênção para ser desfrutada plenamente dentro do casamento; fora dele é impureza.

5. Promova o diálogo e a comunicação: conversar é essencial, estabeleça uma comunicação constante, franca e direta e não evite conversar sobre qualquer assunto.O namoro é tempo de se conhecer o coração um do outro e não tempo de conhecer o corpo e a intimidade sexual.

6. Cultive o romantismo: a convivência a dois deve ser marcada por gentileza, cordialidade e romantismo. Isso não é cafona, nem é coisa do passado e traz brilho ao relacionamento.

7. Mantenha a dignidade e o respeito: o namoro equilibrado tem um tratamento recíproco de dignidade, respeito e valorização. O respeito é imprescindível para um compromisso duradouro. Desrespeito é falta de amor.

8. Pratique a fidelidade: infidelidade no namoro leva à infidelidade no casamento. Fidelidade é elemento imprescindível em qualquer tipo de relacionamento coerente à vontade de Deus, que abomina a leviandade.

9. Assuma publicamente seu relacionamento: uma pessoa madura e coerente com a vontade de Deus não precisa e nem deve lutar contra seus sentimentos ou escondê-los.

10. Forme um triângulo amoroso: namoro realmente cristão só é bom a três: o casal e Deus. Ele deve ser o centro e o objetivo do namoro.

Deixe Deus orientar e consolidar seu namoro. Viva integralmente as bênçãos que Deus tem para você através do namoro. E seja feliz.

por: Pr Ismael e Pra.Cleire
Namoro em Cristo / Portal Padom
publicado por institutogamaliel às 17:40
tags:


namorovirtualinterna 150x150 Namoro a distância   será que funciona ?

1- O que o senhor pensa sobre os perigos de um relacionamento à distância?
Nenhum relacionamento está isento de riscos e perigos, porém, quando duas pessoas assumem um compromisso estando longe uma da outra, o que vai determinar a força dessa relação é a profundidade do caráter de cada um. Quantos casamentos foram iniciados a partir de um relacionamento a distância, e são felizes. O fato de algumas pessoas terem se dado mal num relacionamento assim, não significa que ninguém mais deve investir nesse tipo de namoro. Relacionamento a distância fracassados não é a regra.

2- Há algum risco de ocorrer uma traição quando a saudade aperta ou quando se encontra uma outra pessoa interessante?
A possibilidade de uma traição sempre existe, mesmo estando perto um do outro, porém, é claro que a ausência do parceiro(a) e o fato de se encontrarem esporadicamente, pode esfriar a relação vulnerabizando assim a relação. Lembre-se, por mais que ele(a) sinta saudade, o que faz as pessoas sustentarem o compromisso e se guardarem uma para outra, é o amor. A Bíblia diz que o amor é paciente, tudo sofre, tudo crê, tudo espera e tudo suporta (1 Co 13:4-7).

3- Como saber manter a chama acesa mesmo longe do namorado(a).
Com o avanço tecnológico, hoje os casais podem se comunicar através da Internet,(e-mail, vídeo câmera, MSN, ICQ…) telefone, fax etc. O contato permanente, mesmo a distância pode aprofundar o vínculo levando os dois a manterem o pacto de fidelidade. O namorado(a) precisa estar sempre lembrando que ele(a) está longe fisicamente, mas presente emocionalmente. A forma mais eficaz de conservar a chama acessa, é manter a conexão através dos meios disponíveis de comunicação. Os jovens amantes, sempre encontram uma forma de fazer o amor crescer apesar da distância. O amor é a causa motivadora da criatividade.

4- Como controlar a questão do ciúme e não se tornar uma torre de vigia por meio de ligações, cartas, e-mails etc.

Toda relação equilibrada é fundamentada na confiança e isso tem a ver com o caráter e maturidade das pessoas. O ciúme faz parte de um estágio de infantilidade emocional. Na proporção que a pessoa vai amadurecendo e tomando consciência do respeito que deve ter quanto aos limites do outro, o comportamento tende a mudar. O que não pode é alimentar esse sentimento em vez de buscar cura e libertação.

5- Namorar longe pode comprometer a relação dentro do casamento?
Depende, se os dois são apenas namorados, a resposta é não, mas se estão casados e por alguma razão um precisa ficar longe do outro durante muito tempo, ai sim é uma situação de grande risco. Conheço muitos casamentos que ruíram, porque um dos cônjuges resolveu ir para um outro pais a fim de ganhar dinheiro e o longo período que passaram distantes um do outro foi o fator determinante para que acontecesse uma traição. Quando estão os dois estão apenas namorando, é mais fácil administrar a distância, é claro que não é como se estivessem próximos. O casal precisa amar o suficiente para assimilar todas as implicações de um relacionamento assim.

6- É possível conhecer a pessoa mesmo estando longe? (como fazer para descobrir os caprichos, os valores, as manias, o gênio, o caráter, o relacionamento com a família) gostaria que você falasse sobre cada item desse separadamente.
Mesmo à distância, os dois precisam buscar meios para se encontrarem, a fim de que não seja um namoro 100% virtual. A verdade, é que, mesmo estando próximos e se encontrando com freqüência, ainda não é possível conhecer o suficiente, imagina estando longe. Um relacionamento à distância, muito mais do que aquele onde o dois está perto um do outro, precisa haver total transparência e sinceridade. Os dois vão precisar escrever, falar ao telefone, expor um para outro tanto as suas qualidades como os defeitos, e a tendência nessa fase é apenas mostrar o lado bom e omitir o ruim. É importante fazer contato com os pais, a família e os amigos, que podem dar testemunho da pessoa.
Um outro fator é que nós somos de certa forma aquilo que falamos, ao se comunicar durante um bom tempo com alguém, logo vamos conhecendo o perfil do caráter e da personalidade dessa pessoa. O que não pode acontecer, é o jovem fazer toda a leitura apenas com os óculos da paixão, ai é impossível uma analise criteriosa do outro. Sempre quem está de fora enxerga melhor do que os envolvidos, por isso leve muito a sério a opinião de pessoas maduras e que podem ajudar.

Curta-nos no Facebook

7- Namorar à distância funciona ou não funciona?
Depende muito dos envolvidos e das circunstâncias. Quando a distância é extremamente grande e os dois só vão se encontrar no dia do casamento para se verem pela primeira vez e casarem, essa decisão me parece ser um pulo no escuro sem saber onde vão cair. Ë imprescindível que o casal na medida do possível, se encontre, ainda que esporadicamente. Esse contato, onde os dois possam se olhar, ouvir, sentir a presença etc, é fundamental.

8- O senhor não acha que o relacionamento do casal de namorados entre suas famílias é importante? Então como proceder se eles moram longe?

A família é importante no relacionamento, mas os pais devem respeitar a liberdade de escolha dos filhos. Se a escolha que o(a) está fazendo é dentro dos princípios da Palavra de Deus e do outro a pessoa escolhida se mostra ser alguém que vale o investimento, não há o porque a família jogar contra. O amor vence obstáculos!

9- ver o relacionamento do/a namorado(a) com a família dele(a), ver como se tratam etc, também não é importante? Mas, no entanto, a distância também impede de observar isso, como fazer então para sanar o problema?

Como conselheiro que trabalha a muito tempo com casais e jovens, tenho orientado que, independente de quem seja a família do outro, é necessário que haja respeito e consideração. Isso porque é leviano dizer ao namorado, noivo ou cônjuge “te amo” e não querer bem a família dele(a), isso é o absurdo da incoerência. A forma como um vê a família do outro e com ela se relaciona tem muito mais a ver com a maturidade dos dois.

10- agora, à luz da Bíblia, termine deixando uma dica legal para os casais que namoram à distância.
Não importa o quão distante estão, o relacionamento tem que ser construído sobre base sólida, e nenhum outro alicerce é melhor do que os princípios estabelecido por Deus em sua Palavra. Tudo o que começa sem Deus termina em fracasso, mas quando o Senhor está no controle de todas as coisas, o relacionamento tem tudo para ser bem sucedido. A confiança na soberania de Deus e o amor pode fazer com que um namoro a distância desemboque num casamento feliz.

Alguns conselhos:

1. Estamos vivendo na era da “virtualidade”, onde muitos se conhecem através da internet. Cuidado, não seja precipitada(o) em se envolver num encontro virtual, nesses encontros nem todos dizem a verdade, é preciso muito cautela.

2. A vida é o resultado das suas escolhas, por isso a sua decisão deve estar respaldada na vontade Deus, busque-a como prioridade número um, não abra mão disso por nada.

3. Nunca se ponha debaixo de um jugo desigual com os incrédulos.

4. Não namore por lazer. Namoro não é passa tempo.

5. Após iniciar um relacionamento a distância, não deixe a “emoção” falar amais alto do que a “razão”, mantenha os pés no chão.

6. Lembre-se, maturidade é também saber dizer não quando necessário.

7. Envolva seus pais e sua família nesse projeto, eles poderão dar o apoio moral necessário em qualquer relacionamento relevante.

8. O pastor deve ser o seu conselheiro espiritual nessa área, esta cobertura é imprescindível.

9. Cuidado com o ciúme doentio, toda pessoa ciumenta vive aprisionada e busca sempre aprisionar o outro, isso é torturante.

10. Nunca acredite em tudo o que falam e seja criterioso(a) no julgamento sobre a pessoa com a qual está se relacionando.

11. Leia o Salmo 37, principalmente o versículo 4.

por: Pr. Josué Gonçalves

Familia de Baixo da Graça / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:38
tags:


 Cristãos e Organizações Pró Família Condenam Cena de Sexo Gay em ‘Glee’
A Terceira temporada do seriado Glee já está no ar na TV dos EUA e traz desta feita uma cena bastante polêmica: dois personagens homossexuais realizam uma cena de sexo, no que seria a primeira experiência íntima dos dois.

O casal de adolescentes Kurt (Chris Colfer) e Blaine (Darren Criss), vai ter sua primeira transa em “Glee”.
A cena do relacionamento sexual entre os personagens Kurt (Chris Colfer) e Blaine (Darren Criss), que são namorados, vem gerando protestos nos EUA. A cena foi classificada pelo Conselho de Pais para a Televisão nos EUA como”repreensível”, de acordo com o F5.

Já o Culture and Media Institute afirmou que o seriado promove “propaganda homossexual” e que está”ultrapassando os limites do que é aceitável na TV aberta”.

Na visão cristã, a Bíblia condena claramente o relacionamentohomossexual, classificando-o como pecaminoso.
De acordo com o pastor Márcio Miranda, da Igreja Presbiteriana Independente, a mídia tem feito uma campanha generalizada para impor o homossexualismo masculino e feminino, e ridicularizando quem se posiciona contra esta prática.

“O alvo desta campanha geral, presente nestes seriados americanos, nas novelas, nos filmes de Holywood e nas revistas, são os adolescentes e jovens”, afirma Miranda.

De acordo com o líder religioso, a mídia insere o comportamento homossexual de forma “colorida”, induzindoos jovens a pensarem que é louvável ser gay, como sendo uma opção que deve ser respeitada.

“Desta forma, de tanto baterem na mesma tecla, as pessoas, de um modo geral, já aceitam este comportamento como normal e admitem até a possibilidade de ter uma experiêncianeste sentido, nem que seja para provar e decidir se é bom o ruim”, explica Miranda.

Segundo o pastor, a técnica repetição massiva é a mesma utilizada para outros comportamentos igualmente pecaminosos, mas socialmente aceitos como: sexo fora do casamento, embriaguez na juventude , fumar cigarro, fumar maconha, entre outros.

O líder religioso pondera que, apesar de o mundo estar mudando e sermos obrigados a rever muitas coisas “há verdades absolutas da Palavra de Deus que são inegociáveis, e o fato de o homossexualismo ser pecado e abominação ao Senhor é uma delas”.

Segundo Miranda, há ainda uma pressão crescente e até uma perseguição aos que são contrários ao homossexualismo. Masnão podemos abrir mão de nossas convicções”.

“Devemos, como Cristãos que têm a Bíblia como sua regra de fé e prática, denunciar esta mentira e lutar contra esta obra do diabo que tem ceifado muitas vidas”, adverte.

A série Glee está sendo exibida pela TV Globo nas manhãs de sábado.

Christian Post / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:37


homem duvida Pergunte ao Pastor – Fui traído, divorciamos, veio o arrependimento, agora queremos namorar e casar novamente, o que faço?

Pastor, fui casado e depois de alguns anos fui traído por minha esposa, nos separamos e depois de 2 anos nos divorciamos e agora arrependida ela quer namorar comigo e possivelmente voltar a casar comigo, minha dúvida é como posso levar este relacionamento, digo ter um namoro com ela sem relação sexual, posso levar uma vida normal com ela até o casamento ou não? Obrigado e que Deus abençoe.

A… – Via Email

Pastor André Lepre Responde
Querido irmão,

Melhor teria sido que vocês tivessem se entendido antes de se separarem, visto que, se você abre a possibilidade para voltar a namorá-la e até mesmo se casar de novo com ela, é sinal de que você ainda nutre algum sentimento. Mas já que houve a ruptura, entendo que vocês entram no mesmo processo de qualquer casal de namorados com princípios bíblicos estabelecidos pela Palavra de Deus, ou seja, sexo só depois do casamento.
A questão de vocês já terem tido intimidade, não lhes permitem se relacionar de novo sexualmente, pois legalmente vocês estão separados, sendo assim, vocês estarão cometendo o pecado de fornicação se assim se comportarem. Esse é o preço de uma atitude precipitada. Querem namorar de novo? Agora paga o preço filho!

Ademais, creio que vocês devem dialogar bastante a fim de que as feridas do passado tenham sido definitivamente fechadas, caso contrário, feridas mal cicatrizadas voltam a se abrir e causam estragos maiores.
Procure o vosso pastor, peça-lhe aconselhamento e deixe Deus direcionar as vossas vidas.

Deus os abençoe.

Pr. André Lepre

publicado por institutogamaliel às 17:35


beijo casal jovem 436 300x300 A intimidade do casal de namorados
É comum que um casal de namorados concorde com qualquer conceito que favorece o relacionamento deles. Mas, se algo dificulta usufruir do grande amor que um tem pelo outro, então isso não é bem-vindo, mesmo que venha da Bíblia e de Deus. Os apaixonados são cúmplices, se entendem muito bem e acham que ninguém é capaz de compreender a dimensão doamor que têm.
Alguns casais acham que ter relações sexuais no namoro, é ummeio de se conhecerem melhor e provarem o amor mútuo, mesmo que esse seja um argumento simplista demais. Pelo fato de namorarem a alguns meses, acham que “se conhecem muito bem”. Muitos quando começam o namoro, não concordam com isso, mas, como “o amor é cego”, com o tempo esse pensamento cai por terra. Os anticoncepcionais facilitam essa prática.
Quando o casal está de acordo, essa aventura se concretiza facilmente. Porém, o que muitos não sabem é que na hora mais esperada as coisas não acontecem como imaginadas. A falta de experiência, o sentimento de culpa, o medo de serem descobertos e a necessidade de manterem o fato escondido, se torna um tormento e não um prazer. Sem falar na possibilidade de uma gravidez indesejada e possíveis doenças sexualmente transmissíveis. E aí, aquilo que poderia ser um prazer, pode se tornar um terror que poderá permanecer por toda a vida, pois a consciência é a única namorada da qual jamais poderemos nos livrar. Quanto à falta de experiência, ninguém precisa treinar para isso, ela acontece naturalmente no casamento. Os órgãos genitais não se atrofiam e facilmente se ajustam, pois são feitos de músculos.
A chamada “prova de amor” com o sexo antes do casamento, é exatamente falta de amor. A Bíblia diz que “o amor não pratica o mal contra o próximo” (Rm 13.10). E o sexo no namoro é um mal a si e ao próximo, pelas razões já citadas e tantas outras. A desconfiança paira na relação. Se ele e ela não foram capazes de esperar até o casamento, poderão suportar um caso dentro casamento? Se não foram capazes de dizer “não” antes do casamento, qual será a resistência para não dizerem um outro “sim” fora do casamento? Que modelo darão aos filhos ao ensinarem os bons princípios de conduta nessa área? É claro que Deus perdoa esse pecado, mas a cicatriz fica.
A intimidade do casal deve ser no coração, não nos órgãos genitais com carícias e relações sexuais. Um casal de namorados que não desenvolve uma verdadeira amizade, se torna mais vulnerável, mesmo depois do casamento. O calor da paixão na adolescência é pouco consistente como prova para os anos seguintes. Essa é uma fase de mudanças rápidas no corpo e nas emoções. Sabe-se que um adolescente pode se apaixonar em média até cinco vezes antes de completar vinte anos. Cada um deve se guardar para aquela pessoa com a qual se viverá por toda a vida depois do casamento.
Volto a citar os anticoncepcionais, para dizer que eles não fazem bem para uma menina adolescente. Por impedir a ovulação, eles alteram o ciclo menstrual, podendo até provocar esterilidade. Se o uso de pílulas acontecer por muito tempo, a moça poderá ter sua menstruação completamente interrompida, exigindo um complexo tratamento posterior. Em nome do amor paixão, não compensa abusar do próprio corpo com pílulas e práticas sexuais com uma pessoa que vocênão tem aliança com ela. A satisfação de alguns minutos não podem superar a tortura de dias, meses e anos pela frente. Pormais que se queira negar, é impossível viver em paz no pecado.
As implicações das intimidades físicas no namoro são muito abrangentes. Os pais não concordam e sofrem com elas na vida de seus filhos. Que amor é esse que provoca lágrimas quentes no rosto de uma mãe e de um pai com uma filha que perdeu a virgindade com o namorado, ou com uma gravidez inesperada? Que pai ou mãe se orgulha de ter um filho com fama de garanhão? Quem gostaria de conviver com lembranças indesejadas quando na cama com seu cônjuge e lembrar de outras relações sexuais com uma pessoa que faz parte do passado?
Enquanto escrevo esta página, estou completando 29 anos de namoro com minha esposa. Ela foi minha primeira namorada e eu fui seu primeiro namorado. Éramos adolescentes quando começamos o namoro, sem experiências e muitas instruções, mas Deus nos preservou maravilhosamente com sua graça. Eu tenho dito que não temeria mostrar literalmente o filme de nosso namoro para ninguém. É verdade que tivemos nossos momentos quentes de emoções fortes, mas nada que nos comprometesse à luz dos padrões de Deus revelados em sua Palavra, a Bíblia. O que nos ajudou a ter um namoro positivo, foi o nosso compromisso com Deus e o seu Reino. Sempre fomos envolvidos com a obra do Senhor, líamos a Bíblia e orávamos juntos. Isso certamente fez a diferença.
Estou escrevendo sobre a intimidade dos namorados, mas nãoposso deixar de mencionar a importância da intimidade dos pais com seus filhos. Não tenho dúvidas em afirmar que muitos namoros indecorosos são reflexos de filhos carentes de afeto e amor por parte de seus pais. Todos nós temos uma espécie de balão emocional. Os pais são os primeiros responsáveis em manter esse balão cheio na vida de seus filhos. Isso acontece na vida comum do lar, com palavras, ações e reações. Quando a criança cresce e chega à adolescência com esse balão vazio, ela se torna presa fácil em uma paquera e pouco se faz necessário para ela se entregar incondicionalmente a alguém, devido o vazio que precisa ser preenchido. Antes de qualquer outra coisa, o jovem quer amizade, afeto, respeito, carinho. Quando ele tem isso, muitasvezes não acontece a intimidade física no namoro. Ela é reservada para o casamento.
A intimidade física no namoro não compensa. O que é feito em nome do amor, tantas vezes acaba com a auto-estima. Muitas moças engordam muito na adolescência com o uso de anticoncepcionais. Isso sem falar em muitos gastos na tentativa de superar as conseqüências de uma decisão sem sabedoria. Ninguém terá uma vida sexual saudável fora do casamento. Deus estabeleceu isso e ninguém será capaz de mudar. Quando tentamos quebrar as leis, na verdade estamos quebrando a nós mesmos.
Acima de tudo, a intimidade do casal deve ser com Deus. A Bíblia diz: “O SENHOR confia os seus segredos aos que o temem, e os leva a conhecer a sua aliança” (Sl 25.14). E mais: “Deleite-se no SENHOR, e ele atenderá aos desejos do seu coração. Entregue o seu caminho ao SENHOR; confie nele, e ele agirá” (Sl 37.4-5). Deus deve ser o centro de um namoro abençoado. Se ele for colocado em primeiro lugar, o casal terá toda a direção, sabedoria e equilíbrio para lidar bem com todas as situações. O prazer da comunhão com Deus nunca pode ser subestimado pelo prazer da intimidade no namoro. Se assim for feito não será Deus que atenderá os desejos do nosso coração, mas nós mesmos satisfazendo os desejos carnais, egoístas e contrários à vontade de Deus, o que só trará tristezas, mesmo que precedidas de efêmeras alegrias. Quem tem intimidade com Deus, tem intimidade certa, na hora certa, com a pessoa certa devidamente. Não devemos nos amoldar ao padrão de namoro deste mundo, mas nos mantermos firmes na Palavra de Deus, renovando a mente com tudo o que for verdadeiro, nobre, correto, puro, amável, de boa fama, e tudo o mais que for excelente e digno de louvor (Rm 12.2; Fp 4.8).
Que Deus nos abençoe

Curta-nos no Facebook

por: Pr. AntônioFrancisco

Achologia / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:34



namorados Conselhos para um jovem casal em vias de cair no pecado sexual
Conselhos para um casal de namorados. Publico aqui uma carta que escrevi a um casal de namorados que serviam no Ministério de Música da igreja e que estavam em vias de cair na tentação da fornicação.Penso que pode ser a história de muitos jovens.

Eis o texto:

Vocês dois são pessoas especiais para Deus, que O servem numa obra muito importante e aí fico pensando primeiramente no prejuízo para o Reino.

Se isso acontecer vocês estarão desautorizados e sem autoridade para continuar a servir no ministério de jovens, pois vocês foram vencidos.Não que não possa haver restauração e perdão, mas veja o exemplo de Sansão, o herói de Deus, o guerreiro de Deus, que foi vencido pelo sexo e tornou-se um bobo da corte, e somente no fim de sua vida, depois de muita vergonha e tristeza acabou por escolher a morte do que continuar a ser objeto de diversão e palhaço do inimigo.

Saibam que vocês não estão sós, muitos são os jovens que estão no mesmo barco que o de vocês.

Há alguns que voltam para casa envergonhados, vencidos , cabisbaixos, com sentimento de culpa.

Eles se lembram de Jesus, da Palavra, da igreja , da santa ceia, das orações, e adoecem em suas almas.

Então eu acredito que a primeira vez é importante não acontecer , porque se assim for as coisas ficarão ainda mais difíceis.

Agora quero enumerar algumas coisas extraídas do livro “O Prazer da Espera” de Jim Burns e também outros autores, para ver se assim consigo ajudá-los, mas de qualquer forma, eu compreendo vocês, amo mesmo não os conhecendo e vou orar para sejam vitoriosos.

Por que esperar? Esse é o título do capitulo que quero me deter.

Muitas pessoas boas cometem o erro de avançar o sinal antes do casamento.

Apesar de a Bíblia ser clara sobre o assunto da relação sexual antes do casamento ( fornicação), Deus é misericordioso e paciente e nos ama incondicionalmente.

Posso também entender como o impulso sexual de duas pessoas saudáveis e que se amam pode provocar um intenso desejo para a união sexual.

Entretanto , estou ainda mais convencido de que o desejo de Deus é que as pessoas evitem a relação sexual antes do casamento, e que obedecer a suas instruções no que se refere ao assunto é o melhor para o relacionamento.

C.S.Lewis ( homem de Deus) disse: “ A verdade é que sempre que um homem se deita com uma mulher, queiram eles ou não, uma relação transcendental se estabelece entre eles, a qual será motivo de alegria ou sofrimento para sempre”.( Alguns chamam de laço de alma). Haverá uma ligação entre ambos para sempre, pode até se casar com outro , mas aquele laço de alma ficou.

Não acho que exista algo mais íntimo ou pessoal do que os dois compartilharem os corpos, emoções e espíritos na união sexual.

Abaixo vai algumas perguntas e indagações para que vocês dois discutam juntos, e elas ajudarão a meditar e chegar a uma decisão cuidadosa quanto a esperar ou não.

Tenham em mente que escrevi as questões considerando a ambos como cristãos desejosos de crescer verdadeiramente na fé cristã.

1- Para algum de vocês , o significado da relação sexual no casamento será diminuído por ela já ter ocorrido antes de se casarem? Se a resposta for sim, o relacionamento será prejudicado por amargura e ressentimentos.

2- Suas consciências os tem incomodado durante ou depois do ato sexual ou mesmo do “quase lá”.? Vocês acham que poderia ser o Espírito Santo desafiando-os?

3- Ambos estão comprometidos um com o outro? Verdadeiramente?

4- Vocês estão convencidos de que um é a pessoa certa para o outro, como companheiros para o resto da vida?

5- O que vocês acham que a Bíblia tem a dizer sobre a relação sexual antes do casamento? Aqui estão alguns versículos que devem ser examinados. At.15:20; I Co 6:13, 18-20; Ef 5:3; 1Ts 4:1-8 e 1Pe 2:11.

6- Ambos parecem desejar o melhor de Deus para suas vidas. A relação sexual afetará o serviço a Deus e sua comunhão com ele?

7- A relação sexual causará danos de alguma forma ao seu inter-relacionamento ?

8- Ela poderá prejudicar a comunicação entre ambos e mesmo provocar a perda da confiança?9- A relação sexual ajudará, impedirá ou não afetará o relacionamento espiritual entre vocês?

10- Vocês pensaram na possibilidade de uma gravidez e em como fazer para que isso não aconteça?

11- Que razões os levariam a um ato sexual? Elas são puras?

Afirmo que até dar respostas a vocês não é difícil , o difícil será vocês praticarem o que é certo, mas também penso que Deus ainda tem seus heróis entre os jovens.

Segundo o excelente livro “Sexo,amor e paixão: como realmente saber?’, de Ray Short, no capítulo “Ser ou não virgem”, o autor escreve que a ciência constatou nove fatos relacionados ao provável efeito sobre o seu relacionamento conjugal, do sexo praticado antes do casamento:

Fato 1: O sexo antes do casamento tende a separar os casais,

Fato 2: muitos homens não gostam de se casar com mulheres que tenham tido relações com outra pessoa,

Fato 3: As pessoas que praticam sexo antes do casamento tendem as ser menos felizes no relacionamento conjugal.

Fato 4: As pessoas que praticam sexo antes do casamento estão mais propensas ao divórcio.

Fato 5: As pessoas e os casais que tenham tido relacionamento sexual antes do casamento possuem maior inclinação a manter casos extraconjugais.

Fato 6: A experiência pré-conjugal pode iludí-lo e levá-lo a casar-se com uma pessoa que não é a certa para você.

Fato 7: As pessoas e os casais que mantêm uma relação íntima pré-conjugal parecem alcançar a satisfação sexual mais cedo, após o casamento. Entretanto:

Fato 8: No decorrer de seu relacionamento conjugal, provavelmente se sentirão menos satisfeitos com sua vida sexual, entendida num sentido mais amplo.

Fato 9: Hábitos sexuais insatisfatórios antes do casamento podem acarretar, mais tarde, a deterioração do relacionamento sexual entre os cônjuges.

Mais uma coisa, mesmo que vocês não tenham dúvidas neste instante, que vocês foram feitos um para o outro e não tenham dúvidas de que um dia vão se casar e naturalmente não querem pensar de outra forma, deixe-me fazer o papel do diabo (acusador): Larry Richards diz: “Um estudo mostra que os garotos acreditam haver encontrado o seu amor verdadeiro pelo menos cinco vezes na fase que compreende o período entre o ginásio e o segundo ano da faculdade”

Deus nos dotou de uma sexualidade e depois Ele disse não. Será que ele é masoquista ? Gosta de ver a gente sofrer ?

Não, mil vezes não. Deus quando diz não Ele tem os seus motivos, e esses motivos são sempre no sentido de Proteção e Provisão, veja:

-Proteção contra a gravidez indesejada e provisão de gravidez desejada e saudável,

-Proteção contra a infelicidade no casamento por causa da desconfiança, e provisão de um casamento onde os dois confiam plenamente um no outro;

-Proteção contra o casamento precipitado onde a chance de separação aumenta muito e provisão para um casamento no momento certo, com uma estrutura mínima necessária para ser um sucesso.

-Proteção contra as doenças sexualmente transmissíveis, e provisão de uma vida com saúde.

- Proteção contra o aborto, e provisão de filhos bem vindos e benditos.

-Proteção contra o prejuízo espiritual oriundo da desobediência, e provisão de crescimento espiritual pela obediência.

O relacionamento amoroso deve trazer pelo menos quatro coisas boas:

-Crescimento espiritual

-Saúde emocional

-Saúde física ( isento de doenças sexuais)

-Promoção pessoal enquanto ser humano.

E de tudo isso, que falamos, fuja das situações de perigo e lembre-se passar muito tempo perto do abismo, pode colocá-los lá no fundo um dia.

Procure fazer as coisas sempre em grupo e fuja das oportunidades, porque de outra forma vocês serão vencidos e poderá haver muita tristeza e acusações.

Seja um vencedor, um herói de Cristo, e não um palhaço do diabo como foi Sansão.

Lembre-se, que algumas coisas de nossa vida, serão motivo de alegria ou de tristeza para o resto de nossas vidas. Escolha bem.

Um forte e demorado abraço.

por: Pr Ismael R. Carvalho

Namoro em Cristo / Portal Padom
publicado por institutogamaliel às 17:32


cama com rosa 150x150 Casamento: Pensei que só seriam flores e alegrias..Um problema chamado falsas expectativas conjugais.

João 16:33 – “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.”

Uma jovem esposa me disse: Sempre sonhei com um casamento com base nas seguintes expectativas: “nunca serei agredida verbalmente, jamais dormiremos em cama separada, vamos deitar e acordar como “anjos”, feitos um para o outro. Vou ser surpreendida com uma atitude de profundo amor em todas as datas importantes. Vou esperá-lo todos os dias bem arrumada e preparar sempre o que ele gosta de comer. Nossos finais de semana serão planejados e não conhecemos o que é rotina em nossa vida a dois. Casei-me, e logo nos primeiros seis meses, estava decepcionada, porque o meu sonho parecia ter se transformado em um pesadelo.”

Não existe casamento sem “papel higiênico, escova de dente, cesto de roupa suja” ou “sem feijão com arroz”. O casamento é uma experiência de vida, onde há uma alternância entre momentos de alegria e de tristeza, entre a estação do frio e a do calor, de prazer e de dor. A Bíblia nunca omitiu esta realidade. Ao contrário, veja o que diz Eclesiastes: “Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque se um cair, o outro levanta o seu companheiro; mas ai do que estiver só; pois, caindo, não haverá outro que o levante. Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só, como se aquentará? E, se alguém prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa.” (Eclesiastes 4:9-12).

Quando Jesus usou a figura da construção da casa sobre a areia ou rocha, serviu para ensinar uma grande verdade sobre casamento e família. A estação da chuva e do vento, vem sobre todas as casas, independentemente de quem quer que seja. O segredo do sucesso está na escolha da “base” sobre a qual você ergue sua casa, sua vida conjugal. Não existe casamento perfeito, existe casamento feliz. Quando a construção é feita com base nos princípios da Palavra do Senhor, as tempestades podem vir, mas a casa não cai. ? Casamento é uma experiência de vida, onde dois assumem o compromisso de crescerem juntos, principalmente na estação das grandes chuvas.

por: Pr. Josué Gonçalves
Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:30
tags:


separacao 150x150 O que Deus diz sobre o divórcio

O que Deus diz sobre o divórcio

As estatísticas de divórcio são assustadoras. Elas refletem falta de respeito, na sociedade moderna, pela vontade de Deus. A prevalência do divórcio entre as pessoas chamadas por Deus é ainda mais alarmante. Lembramo-nos tristemente que muitos que dizem servir a Deus não odeiam o que ele ardentemente detesta (Malaquias 2:16; Apocalipse 2:6).Apesar dos esforços humanos para esquivar da vontade de Deus, podemos entender e seguir seu ensinamento sobre casamento, divórcio e novo casamento. Considere estes fatos fundamentais:

Deus fez o casamento para durar uma vida inteira. A vontade básica de Deus a respeito do casamento permanece inalterada desde o Éden. Jesus baseou seu ensinamento no princípio revelado em Gênesis 2:24 (Marcos 10:6-9). Paulo usou o mesmo princípio, claramente entendido em Romanos 7:2-3. Uma vez que o casamento dura somente até a morte (Mateus 22:30), as pessoas que enviúvam ficam livres para se casarem novamente (veja 1 Coríntios 7:39; 1 Timóteo 5:14).

O divórcio sempre envolve pecado. Em termos gerais, Deus proíbe o divórcio (1 Coríntios 7:10-11). Mesmo nos casos em que ele permite o divórcio e novo casamento (a ser examinado em breve), uma das pessoas pecou contra Deus e o companheiro. Onde o adultério não está envolvido, a decisão de divorciar é um ato de rebelião contra o Senhor. Aos olhos de Deus, não há tal coisa como divórcio “sem culpa.”
Alguns torcem o comentário de Paulo em 1 Coríntios 7:11: (” Se, porém, ela vier a separar-se, que não se case, ou que se reconcilie com seu marido”) para dizer que ele está sancionando o divórcio. Eles sugerem que, se o divorciado não se casar, a separação é permitida. Podemos ver claramente a falácia de tal argumento comparando a estrutura desta passagem com 1 João 2:1-2. Considere o paralelo óbvio:

1 Coríntios 7:10-11: “…não se separe…se, porém, ela vier a separar-se, que não se case… ou que se reconcilie com seu marido”.

1 João 2:1-2: “.. não pequeis. Se … alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai”.

Pecado é errado em 1 João 2:1-2 e a separação é errada em 1 Coríntios 7:10-11.

Entendemos claramante que Paulo não autoriza o divórcio, considerando seu ensinamento uns poucos versículos antes. Ele disse que separações curtas por consentimento mútuo para o propósito de oração podem ser permitidas (1 Coríntios 7:5-6). Ele não aprovou decisões unilaterais de separar e não autorizou separações permanentes.

Jesus condena divórcio e novo casamento. Lucas 16:18 apresenta a regra geral: “Quem repudiar sua mulher e casar com outra comete adultério; e aquele que casa com a mulher repudiada pelo marido também comete adultério.” Jesus condenou o que tem se tornado comum em nossa sociedade: a prática de deixar um cônjuge para se unir a outro.
O adultério mencionado aqui é um pecado contínuo que envolve relações sexuais entre pessoas que não têm permissão dada por Deus para coabitar. O pecado não está meramente no ato de fazer um voto de casamento, mas na conseqüente posse de um cônjuge ilícito. Não era errado somente para Herodes tomar Herodias como sua esposa; era ilícito para ele tê-la (Marcos 6:18). Para retificar esta situação perante Deus, a separação teria sido necessária. Quando o pecado é adultério, os frutos do arrependimento requerem o fim da prática (Mateus 3:8; 1 Coríntios 6:9-11). Tão certamente como ladrões, bêbedos e homossexuais têm que cessar suas práticas ímpias, os adúlteros têm que deixar suas relações ilícitas.
„ As mesmas regras se aplicam geralmente. Muitas pessoas tentam alterar o significado do ensinamento bíblico limitando sua aplicação em modos em que Deus não o restringiu. Consideremos dois exemplos de tais restrições artificiais:

* Excluindo mulheres. Ocasionalmente, alguém tentará excluir mulheres do ensinamento de Cristo, devido ao uso de pronomes masculinos (Lucas 16:18; Mateus 5:32; 19:9). Além do fato que expressões masculinas freqüentemente incluem mulheres, Jesus esclareceu especificamente este ponto em Marcos 10:11-12, onde ele afirma o mesmo princípio visto das perspectivas masculinas e femininas.

*Excluindo não cristãos. Outros excluem não cristãos do ensinamento de Cristo, sugerindo freqüentemente que 1 Coríntos 7:10-16 significa que Jesus não se dirigiu aos não cristãos. Além de ser uma interpretação insustentável, esta posição coloca os não cristãos numa situação difícil. Se Jesus não lhes falou, eles continuam sob a mesma lei básica dada a todos os homens em Gênesis 2, onde não há menção a qualquer motivo para divórcio e novo casamento. É claro que 1 Coríntios 7:12-16 aborda um assunto não especificamente mencionado no ensino pessoal de Jesus (como um cristão abandonado por um cônjuge não cristão deverá agir). A passagem não diz que os não cristãos não estão cobertos pela vontade de Deus, nem oferece qualquer permissão para novo casamento depois de uma separação.

Outros argumentam que a aliança de Cristo não abrange os descrentes. Diversos fatos bíblicos mostram as falhas deste tipo de argumento. Primeiro, há numerosas passagens que mostram que Deus tem sempre responsabilizado todos os homens por seus princípios básicos de moralidade, incluindo a conduta sexual. No Velho Testamento, Deus freqüentemente julgou os gentios por sua conduta ímpia, incluindo seus pecados sexuais (considere Levítico 18:24-30 em seu contexto, e compare com Romanos 1:18-32). Segundo, o ensinamento de Jesus foi dirigido aos pecadores, e não somente àqueles em comunhão com ele (Marcos 2:17). Pedro e Paulo entenderam que a mensagem do evangelho se aplica universalmente (Atos 10:34-35; 17:30). Terceiro, a afirmação de Paulo que alguns dos coríntios eram adúlteros antes de se converterem (1 Coríntios 6:9-11) mostra que eles eram sujeitos às leis de casamento de Deus mesmo quando ainda não estavam em comunhão com ele. Quarto, Paulo argumenta que o pecado e a morte vêem com a lei (Romanos 7:7-11) e diz mais que os gentios estavam mortos em transgressões e pecados (Efésios 2:1). Eles não estavam sujeitos à lei dada no Sinai, mas eram governados pela lei divina que incluía proibições de adultério. Hoje, todos os homens estão sujeitos ao domínio de Cristo, quer reconheçam este fato ou não (Efésios 1:20-21).

… Jesus oferece uma exceção. Dois textos em Mateus complementam as afirmações registradas em outros lugares. Mateus 5:32 diz: “Eu, porém, vos digo: qualquer que repudiar sua mulher, exceto em caso de relações sexuais ilícitas, a expõe a tornar-se adúltera; e aquele que casar com a repudiada comete adultério.” A regra básica é a mesma encontrada em Lucas 16:18 e Marcos 10:11-12. O divórcio geralmente resulta em outros pecados. Novo casamento é condenado. Se, contudo, o divórcio for por causa de imoralidade sexual, aquele que repudia a ofensora não faz com que ela se torne adúltera. Mateus 19:9 inclui um elemento adicional: “Eu, porém, vos digo: Quem repudiar sua mulher, não sendo por causa de relações sexuais ilícitas, e casar com outra, comete adultério [e o que casar com a repudiada comete adultério].” Novamente, divórcio leva a pecado adicional e o novo casamento é condenado. Como em todos os outros textos relevantes, à pessoa que é repudiada (independente do motivo) não é dada permissão para casar novamente. Mas se um homem se divorcia de sua esposa por causa de infidelidade sexual dela, ele não comete adultério se tornar a casar-se. Gramaticalmente, a exceção nega a conseqüência normal. A mesma palavra grega é usada em João 19:11, onde Jesus disse a Pilatos: “Nenhuma autoridade terias sobre mim, se de cima não te fosse dada”. Uma vez que lhe tinha sido dada de cima, Pilatos teve autoridade para sentenciar Jesus à morte. Semelhantemente, a conseqüência em Mateus 19:9 é alterada em casos de traição: quem quer que se divorcie de sua esposa por causa da imoralidade sexual dela e se casa com outra não comete adultério.

Uma palavra de precaução: em nossas discussões de direito a divórcio e novo casamento, precisamos ser cuidadosos para não esquecermos o ensinamento do mesmo Senhor sobre os assuntos do amor e do perdão. Mesmo quando ele permite o divórcio, essa nem sempre é a melhor opção.

† Jesus definiu a ordem dos eventos. Quando ensinamos sobre salvação, ressaltamos corretamente a seqüência dos eventos e os motivos de certos atos. Por exemplo, entendemos que a crença e o arrependimento precedem o batismo, e que o batismo é para o propósito de receber a remissão dos pecados (Marcos 16:16; Atos 2:38). Uma pessoa que não segue esta seqüência, ou que é batizada por algum outro propósito, não faz o que Deus exige. Semelhantemente, Jesus falou da imoralidade sexual como razão para divórcio. Um homem que abandona sua esposa por outros motivos, e espera até que ela subseqüentemente tenha relações com outro homem para justificar sua ação, não está respeitando a seqüência e a razão definidas pelo Senhor. Se não podemos aceitar que o arrependimento e o batismo venham depois da salvação, não podemos aceitar adultério depois do divórcio para justificar novo casamento.

‡ A justiça humana não é o padrão. O casamento foi destinado por Deus e tem sido sempre governado por ele. Nossas opiniões pessoais são irrelevantes para discussões sobre o que é certo e o que é errado. Eu posso não gostar do fato que uma pessoa inocente possa ser repudiada sem nenhuma razão e não possa casar novamente, mas isso somente sugere meu entendimento inadequado da vontade de Deus (Isaías 55:8-9). Ele sempre tem razão e sempre busca nossos melhores interesses. Governos podem fazer leis justificando divórcios pecaminosos e permitindo casamentos pecaminosos, mas isso só prova que os governos humanos são capazes de desrespeitar a vontade de Deus. Aqueles que se defendem na base de lei humana precisam inevitavelmente aceitar uniões homossexuais e outras abominações, porque legisladores de “mente aberta” chamam o mal de bem, e o bem de mal (Isaías 5:20). Não esqueçamos que nós que somos santificados pela verdade estaremos sempre em descompasso com os padrões da sociedade descrente que nos rodeia (João 17:14-19; Romanos 12:1-2).

Conclusão
Podemos considerar as leis de Deus sobre o casamento rígidas e inflexíveis. Para muitas pessoas, elas apresentam um teste de submissão mais difícil do que a ordem de Jesus a um jovem rico para vender tudo o que ele tinha e dar aos pobres. Seja qual for o sofrimento que sua vontade possa exigir, podemos suportá-lo por nossa confiança na eterna bem-aventurança. (Hebreus 12:1-2). Jamais tiremos nossos olhos da meta.

-por Dennis Allan

EstudosBiblicos / Padom

publicado por institutogamaliel às 17:28
tags:


divorce Sou divorciado. Posso casar me novamente, de acordo com a Bíblia?

Pergunta: “Sou divorciado. Posso casar-me novamente, de acordo com a Bíblia?”

Resposta: Freqüentemente recebemos perguntas dizendo: “Divorciei-me por esta ou aquela razão. Posso me casar novamente?” ou “Já estou no segundo divórcio: o primeiro, por adultério de meu esposo, e o segundo por incompatibilidade. Estou namorando um homem que está no terceiro divórcio: o primeiro por incompatibilidade, o segundo porque ele cometeu adultério e o terceiro por adultério de sua esposa. Podemos nos casar?” Perguntas assim são muito difíceis de responder, pois a Bíblia não vai fundo em detalhes quanto aos motivos permitirem ou não que a pessoa se case após um divórcio.

O que sabemos com certeza é isto: Deus odeia o divórcio (Malaquias 2:16). É plano de Deus para um casal que permaneça casado enquanto os cônjuges viverem (Gênesis 2:24; Mateus 19:6). A única permissão específica para um segundo casamento após um divórcio é no caso de adultério (Mateus 19:9) – mas mesmo assim, isto é debatido entre os cristãos. Outra possibilidade é quando um cônjuge não cristão deixa seu cônjuge cristão (I Coríntios 7:12-15). Mas esta passagem não se dirige especificamente ao segundo casamento, mas apenas a continuar casado. A mim também parece que abuso físico, sexual, ou severo abuso emocional seriam motivos suficientes para o divórcio, e possivelmente um segundo casamento. Mas a Bíblia, entretanto, não traz este ensino, especificamente.

Dentro deste assunto, duas coisas sabemos com certeza: (1) Sim, Deus odeia o divórcio (Malaquias 2:16). (2) Deus é misericordioso e perdoador. Cada divórcio é resultado de pecado, tanto da parte de um cônjuge ou dos dois. Deus perdoa o divórcio? Claro que sim! O divórcio não é menos perdoável do que qualquer outro pecado. O perdão de todos os pecados está disponível através da fé em Jesus Cristo (Mateus 26:28; Efésios 1:7). Se Deus perdoa o pecado do divórcio, isto então significa que você está livre para se casar novamente? Não necessariamente. Às vezes Deus chama as pessoas para que continuem solteiras (I Coríntios 7:7-8). Estar solteiro é algo que não deve ser visto como uma maldição ou punição, mas ao invés disso, como uma oportunidade de servir a Deus de forma mais comprometida e incondicional (I Coríntios 7:32-36). Mas a Palavra de Deus nos diz que é melhor casar do que abrasar-se (I Coríntios 7:9). Talvez isto se aplique, às vezes, a um segundo casamento após o divórcio.

Então, você pode ou deve se casar novamente? Não posso responder a esta pergunta. Afinal, isto é entre você, seu cônjuge em potencial, e principalmente, Deus. O único conselho que posso dar é que você ore a Deus pedindo sabedoria a respeito do que Ele quer que você faça (Tiago 1:5). Ore com a mente aberta, e verdadeiramente peça ao Senhor que coloque Seu desejo em seu coração (Salmos 37:4). Busque a vontade de Deus (Provérbios 3:5-6) e siga Sua orientação. Este é o melhor conselho que posso dar.

GotQuestions / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:26
tags:


divorcio 300x210 DEZ PERGUNTAS SOBRE O DIVÓRCIO
O divórcio é um problema persistente, danoso e desorientador. Hoje em dia, nos Estados Unidos, a maioria das famílias já foi afetada por ele. Os pastores estão divididos a respeito de como lidar com pessoas divorciadas. Às vezes as igrejas ficam em dúvida sobre como lidar com um membro divorciado.

Laurence Justice tem averiguado cuidadosamente as Escrituras para delimitar o que a Palavra de Deus diz, de fato, sobre o assunto. Laurence é um estudante meticuloso da Bíblia. Com compaixão, com a segurança da explicação bíblica e com estilo claro e conciso, tem encontrado informação útil que será de grande ajuda a pastores, igrejas e pessoas que tenham sido afetadas pelo divórcio.
Quando o irmão Justice freqüentava a Universidade Batista de Oklahoma, fui seu pastor durante um pequeno período de tempo. O seu pai e eu fomos amigos próximos durante aproximadamente quarenta anos. Vi Laurence crescer, desenvolver-se e amadurecer como pregador, pastor e erudito da Bíblia. Oro para que esta mensagem a respeito do divórcio tenha uma circulação ampla e que seja uma bênção a todos os que a lerem.

DEZ PERGUNTAS SOBRE O DIVÓRCIO
?E eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de fornicação, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério?. Mateus 19.9
Há seis passagens principais, na Bíblia, que tratam especificamente do assunto divórcio; Deuteronômio 24.1-4, Mateus 5.31-32, Mateus 19.3-9, Marcos 10.2-12, Lucas 16.18 e Romanos 7.1-3. Mateus 19.3-9 é a passagem central.
O tema divórcio realmente é muito controverso. Há muitos extremistas e muitos posicionamentos e idéias não bíblicos sobre o divórcio. Nossa responsabilidade é averiguar as Escrituras e descobrir o que a Palavra de Deus diz efetivamente sobre o assunto. Nesta mensagem, necessitamos fazer dez questões sobre o divórcio e tentamos respondê-las a partir das Escrituras.

QUESTÃO UM
UM PASTOR DEVE PREGAR SOBRE O DIVÓRCIO?
Há, pelo menos, quatro razões pelas quais um pastor deve tratar do assunto. Primeiro, o pastor divinamente chamado deve pregar sobre o divórcio porque as Escrituras tratam do assunto, e o pastor divinamente chamado é responsável pela proclamação de todo o conselho de Deus. Paulo procedeu dessa maneira, em Atos 20.27.
Segundo, um pastor deve pregar sobre o divórcio devido à tremenda onda de divórcio que está varrendo nosso mundo nos dias de hoje. Homens e mulheres, meninos e meninas precisam ser informados e advertidos sobre a vontade de Deus a respeito deste assunto muito sério. Oh, se pelo menos um matrimônio fosse poupado, se pelo menos uma pessoa jovem evitasse o pecado e as angústias de um lar desmoronado por intermédio desta mensagem!
O pastor divinamente chamado deve pregar a respeito do divórcio, em terceiro lugar, porque os homens e as mulheres sempre procuram meios de evitar o assunto divórcio a fim de aliviar as suas consciências culpadas e torná-los capazes de externalizar a maldade de seus corações. Por isso, a vontade de Deus revelada a respeito deste assunto deve se fazer conhecida continuamente.
Finalmente, o pastor deve pregar sobre o divórcio porque algumas pessoas estão suportando um fardo desnecessário de culpa e angústia nocivas em relação ao divórcio em suas próprias vidas ou em suas famílias. Estou convencido de que muitas pessoas sofrem desnecessariamente sob fardos de culpa devido a certos enganos, e restrições estabelecidas pelos próprios homens a respeito deste assunto. Usando as Escrituras, o pastor divinamente chamado deve aclarar essas idéias equivocadas e fardos nocivos de culpa.

QUESTÃO DOIS
O QUE É O CASAMENTO?
Ao considerar qualquer assunto, e especialmente um tão controverso como o divórcio, precisamos começar definindo nossos termos. Antes que possamos entender o significado de termos como fornicação, adultério e divórcio, precisamos entender exatamente o que é casamento.
O que é o casamento? O que faz de um casal esposo e esposa? É a cerimônia na igreja? É aquele pequeno pedaço de papel requerido pelo município com a assinatura do pastor? São estas coisas que tornam um homem e uma mulher um aos olhos de Deus? O que é o casamento?
O que faz de um casal esposo e esposa aos olhos de Deus, o que reúne um casal como uma única carne é a união física, sua convivência como marido e mulher. O Senhor Jesus define casamento do seguinte modo, quando diz, em Mateus 19.5-6, “? portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne? Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem?.

QUESTÃO TRÊS
O QUE É O DIVÓRCIO?
O Divórcio é ?a dissolução legal da relação de matrimônio?, diz o Dicionário Webster. O divórcio é uma declaração pública de que a união matrimonial entre um homem e uma mulher foi desfeita. Quando um homem se divorcia de sua esposa, declara publicamente, através dos tribunais da lei ou por meio de um documento por escrito, que ele e sua esposa já não estão mais casados. O termo bíblico mais usado para o divórcio é !repúdio?. O Senhor diz, em nosso texto, “Qualquer que repudiar sua esposa?” etc.

QUESTÃO QUATRO
QUAL A VONTADE DE DEUS REVELADA SOBRE O DIVÓRICO?
No casamento, Deus junta um homem e sua mulher, como lemos no versículo 6 de Mateus dezenove. “Portanto o que Deus ajuntou não o separe o homem?. A palavra enlaçar significa, literalmente, juntado com um laço.
O Senhor diz, em Mateus 19.6, que a ordenança de Deus enlaça marido e mulher e, uma vez que a ordenança de Deus enlaça marido e esposa, a ordenança para o homem é que não os ponha separados, e a ordenança para o homem é não desfazer o enlace ou separar marido e esposa, seja essa ordenança redigida pelo próprio parceiro do matrimônio, pelo estado, pela igreja ou por qualquer um que seja. A vontade de Deus revelada é que marido e esposa não se divorciem! Mateus 19.3-9 revela a vontade de Deus a respeito do divórcio e clara e inequivocamente ordena que marido e esposa não se divorciem, que não seja feita a separação de seu casamento.
Malaquias 2.16 informa qual é a visão de Deus sobre o divórcio. As Escrituras contam-nos que Deus odeia o divórcio. “Porque o Senhor, o Deus de Israel, diz que odeia o repúdio?”.

QUESTÃO CINCO
QUAL A RELAÇÃO EXISTENTE ENTRE FORNICAÇÃO E ADULTÉRIO?
O motivo para essa pergunta pode não ser aparente no princípio. Porém, é muito pertinente em relação ao assunto divórcio, como será visto em seguida.
Algumas pessoas ensinam que o termo fornicação refere-se apenas a pecados sexuais anteriores ao casamento ou a pessoas solteiras, e que adultério refere-se apenas a infidelidade sexual depois do matrimônio. A Bíblia não confirma isso.
É verdade que o termo ?adultério? aplica-se à deslealdade sexual depois do matrimônio, mas não é verdade que fornicação refere-se apenas a pecados sexuais anteriores ao matrimônio ou cometidos por pessoas solteiras. Na Bíblia, fornicação é um termo amplamente usado para todos os tipos de impureza sexual, o que inclui o adultério, sem se limitar a ele.
Todos os que cometem qualquer tipo de pecado sexual, não importa o momento, são culpados de fornicação. Poderíamos dizer desta maneira: todos os Fords são automóveis, mas nem todos os automóveis são Fords. Todo adultério é fornicação, mas nem toda fornicação é adultério.
A palavra fornicação é usada na Bíblia para descrever todos os tipos de pecados sexuais. Em I Coríntios 5.1, o termo !fornicação? é usado para descrever o pecado de incesto, em I Coríntios 6.18, para descrever prostituição, em I Coríntios 7.2, para descrever sexo antes do casamento, em Judas 7, para descrever sodomia e, em Apocalipse 21.8, a palavra fornicação é usada para descrever relações sexuais ilícitas por comércio.
Às vezes fornicação e adultério são citados separadamente como sendo duas coisas diferentes, como em Gálatas 5.19, passagem em que são listados ambos como obras da carne. Mas a coisa importante aqui é o fato de que a fornicação e o adultério também são usados de maneira intercambiável nas Escrituras para se referir ao mesmo pecado.
O sétimo mandamento diz !NÃO ADULTERARÁS?. Obviamente esse mandamento proíbe imoralidade tanto para pessoas solteiras como também para pessoas casadas, assim, aqui, adultério e fornicação partilham o mesmo significado.
Uma esposa pode ser culpada de fornicação, pois Paulo diz, em I Coríntios 5.1, que o homem que cometeu incesto com a esposa de seu pai foi culpado de fornicação. “Geralmente se ouve que há entre nós fornicação, e fornicação tal, que nem ainda entre os gentios se nomeia, como é haver quem abuse da mulher de seu pai?.

QUESTÃO SEIS
EXISTE ALGUM SUPORTE DA BÍBLIA PARA QUE UMA PESSOA CASADA SE DIVORCIE DE SEU CÔNJUGE?
O embasamento para as afirmações a respeito do divórcio, feitas por nosso Senhor, em Mateus 19.9, está no versículo 3 do mesmo capítulo. Então, chegaram aos pés dele os fariseus, tentando-o, e dizendo-lhe: !É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo?”, os fariseus pensaram ter colocado o Senhor em uma armadilha com essa pergunta.
Se Ele dissesse que Sim, o Senhor estaria contradizendo o que Ele mesmo já tinha dito, em Mateus 5.32. “Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério, e qualquer que casar com a repudiada comete adultério.”
Se, por outro lado, o Senhor dissesse Não, Ele contradiria o que Moisés havia dito em Deuteronômio 24.1. Pelo menos, contradiria a interpretação que tinham dessa passagem. “Quando um homem tomar uma mulher e se casar com ela, então será que, se não achar graça em seus olhos, por nela encontrar coisa indecente, far-lhe-á uma carta de repúdio, e lha dará em sua mão, e a despedirá de sua casa.” Os fariseus tinham dado uma interpretação tão ampla à frase !se não achar graça em seus olhos?, que permitiriam o divórcio por qualquer razão, não importasse o quanto fosse frívola.
Nosso texto é a parte principal da resposta do Senhor à pergunta dos fariseus. “Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério, e qualquer que casar com a repudiada comete adultério.”
O Senhor diz que o divórcio ou o repúdio da esposa de algum indivíduo não é legal, não importa o motivo, exceto um motivo. O Senhor diz que há um motivo, e somente um, pelo qual uma pessoa casada pode se divorciar de seu cônjuge de maneira justa.
Aos olhos dos homens há muitos motivos para o divórcio hoje em dia. Há crueldade, violência contra a esposa, alcoolismo, falta de apoio, cônjuges condenados à prisão, hospitalização, loucura, um marido ou esposa que se torna uma pessoa relaxada, um casamento que não está dando certo, diferenças irreconciliáveis, incompatibilidade, etc., etc., etc. A Igreja Romana dissolve um matrimônio quando um membro decide tornar-se monge ou freira.
Mas, segundo o Filho de Deus, nenhum desses é motivo para o divórcio. De acordo com o Senhor, só existe uma razão bíblica e legítima para o divórcio, que é a fornicação ou o adultério por parte de um dos cônjuges. “Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério, e qualquer que casar com a repudiada comete adultério?. O Senhor Jesus explicitamente refere-se tanto aqui quanto em Mateus 5.32 que o divórcio somente é permitido por razão de adultério de um dos cônjuges de um matrimônio.
No entanto, há aqueles que defendem que não há NENHUM motivo bíblico para o divórcio, nem mesmo o adultério. Um exemplo disto é o recente Theodore Epp de !Back To The Bible Broadcast? (Programa de rádio !De volta à Bíblia?). No seu folheto “Deus e o divórcio”, nas páginas 38-39, fala do incidente envolvendo nosso texto e diz !? Jesus? não lhes deu absolutamente nenhuma permissão, seja ela qual for, para o divórcio.” Outro exemplo é visto no Catolicismo Romano, que diz na questão 1194, de seu Catecismo de Baltimore, “O matrimônio de duas pessoas batizadas que, desde então, viveram juntas como marido e mulher nunca pode ser dissolvido, a não ser pela morte de uma das partes.” É difícil de entender esses posicionamentos, quando se leva em conta declarações explícitas de nosso Senhor contrárias a eles.
É interessante notar neste momento que, em Jeremias 3.8-9, Deus descreve-se como que se divorciando de Israel por causa do adultério espiritual dela contra Ele. Ele a repudiou e lhe deu uma carta de divórcio. “E vi que, por causa de tudo isto, por ter cometido adultério a rebelde Israel, a despedi, e lhe dei a sua carta de divórcio, que a aleivosa Judá, sua irmã, não temeu; mas se foi e também ela mesma se prostituiu. E sucedeu que pela fama da sua prostituição, contaminou a terra; porque adulterou com a pedra e com a madeira.”
Há aqueles que ensinam que fornicação, em Mateus 19.9, significa apenas ser infiel antes do casamento e, então, essa infidelidade pré-marital, quando descoberta pelo cônjuge depois do matrimônio, é a única razão bíblica para o divórcio. Mas como vimos ao responder a pergunta cinco, as Escrituras não confirmam tal definição.
O motivo bíblico para o divórcio é a fornicação, que inclui o adultério. Vamos pensar por um momento por que o adultério justifica um divórcio. O adultério, na verdade, dissolve um matrimônio. Destrói a verdadeira essência do matrimônio, a relação em que apenas uma única carne existe, descrita pelo Senhor, em Mateus 19.5-9. “? portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne? Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem”.
A fornicação ou o adultério dissolve um matrimônio porque os cônjuges, depois do adultério, não são mais uma só carne, no sentido misterioso no qual a Bíblia diz que um marido e sua mulher devem ser. Paulo diz, em I Coríntios 6.16, !Ou não sabeis que o que se ajunta com uma meretriz, faz-se um corpo com ela? Porque serão, disse, dois uma só carne.” Se um homem se torna uma só carne com uma meretriz, é difícil de se imaginar como ele ainda pode ser uma só carne com sua esposa.
Não é a ação de um tribunal ou uma igreja, não é o que está escrito em algum pedaço de papel, não é a assinatura de um juiz que dissolve um casamento. O pecado de adultério dissolve um casamento. Quando o tribunal ou o estado estabelece um divórcio, está simplesmente reconhecendo o que já aconteceu. O Senhor permite divórcio por motivo de adultério pois, dessa maneira, o adultério rompe com o relacionamento de uma só carne existente no matrimônio.

QUESTÃO SETE
UMA PESSOA DIVORCIADA QUE SE CASA NOVAMENTE COMETE ADULTÉRIO AO FAZER ISSO?
Sim, se a pessoa se divorciou por qualquer outra razão que não a razão bíblica. O segundo casamento é uma das coisas que o Senhor trata especificamente, em Mateus 19.9, quando usa as palavras “e casar com outra?. O Senhor diz, nesse trecho, claramente, que “qualquer que repudiar sua mulher? por qualquer outra razão que não seja o adultério !e casar com outra, comete adultério??
Sempre que um casal se divorcia por qualquer motivo não bíblico e um divorciados casa-se novamente, comete adultério. Por quê? Porque, embora possam ter um divórcio reconhecido pelo estado ou por alguma igreja, o seu laço não foi rompido antes da união com a outra pessoa e esta união é, então, um adultério. O divórcio não bíblico deixa a porta aberta para o adultério quando uma das partes casa-se novamente.
Uma pessoa divorciada que se casa novamente comete adultério ao fazer isso? Não, não se ela está divorciada por uma razão bíblica! Como já vimos, o adultério termina a relação de matrimônio, como Deus originalmente instituiu-o. Se um homem se divorcia de sua esposa em acordo com as Escrituras, então, o laço do matrimônio é obviamente dissolvido e as partes já não podem ser chamadas de esposo e esposa. E, se o laço é assim dissolvido, então a parte inocente é certamente livre para se casar novamente sem ser culpada de adultério. Um casamento que foi dissolvido moralmente e legalmente deixou de existir e a parte inocente é, portanto, tão livre para se casar novamente, como se a parte ofensora estivesse morta! Quando há cometimento de adultério, a parte culpada juntou-se a outra pessoa e, assim, a parte inocente não está mais ligada e é livre.
O fato de as pessoas divorciadas biblicamente e que se casam de novo não serem culpadas de adultério também é confirmado pela exceção que nosso Senhor faz em Mateus 19.9. A exceção aqui se aplica ao divórcio e ao segundo matrimônio. !Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, A NÃO SER POR CAUSA DE PROSTITUIÇÃO, faz que ela cometa adultério, e qualquer que casar com a repudiada comete adultério.” O adultério é cometido pela pessoa que se divorciou de maneira não bíblica e que se casa com outra pessoa.
Marcos, ao reportar esse mesmo incidente, cita o Senhor, em Marcos 10.11, dizendo “E ele lhes disse: Qualquer que deixar a sua mulher e casar com outra, adultera contra ela”. Porém, a exceção que faz com que o segundo casamento de uma pessoa divorciada deixe de constituir adultério é que o divórcio tenha ocorrido devido à fornicação ou ao adultério.
Também temos que nos lembrar aqui que Deus não castiga uma pessoa inocente por causa dos pecados do culpado. Em Ezequiel 18.20, Deus diz: “A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniqüidade do pai, nem o pai levará a iniqüidade do filho. A justiça do justo ficará sobre ele e a impiedade do ímpio cairá sobre ele”. Todo homem tem que pagar por seus próprios pecados. Deus não castigará uma esposa inocente para o resto de sua vida devido aos pecados cometidos por seu marido e vice-versa.
É importante notar, aqui, que homens eminentes de Deus entenderam as Escrituras do mesmo modo que temos explicado. Spurgeon, em seu comentário sobre Mateus 19, disse: “A fornicação faz de uma pessoa culpada um sujeito ao qual se pode aplicar perfeitamente um divórcio justo e legal: uma vez que isto gera uma anulação virtual do laço matrimonial? dois indivíduos, uma vez casados, à vista de Deus, estão casados para toda a vida, com a exceção de fornicação comprovada”.

QUESTÃO OITO
UMA PESSOA DIVORCIADA QUE SE CASOU NOVAMENTE ESTÁ “VIVENDO EM ADULTÉRIO”?
Os ensinamentos da Igreja Protestante Reformada (IPR) nos dizem que sim. Tenho um folheto intitulado “O Laço Irrompível do Matrimônio”, de Herman Hoeksema. Hoeksema foi ex-pastor da Primeira Igreja Protestante Reformada de Grand Rapids, Michigan, durante anos, e a principal líder para o movimento dessa igreja. Nesse folheto, o Sr. Hoeksema mostra a posição da IPR quando diz: “Um homem que vive separado da sua primeira esposa, mesmo que divorciado e casado novamente, vive em adultério contínuo e, para que ele corrigir sua situação, teria que se divorciar de sua segunda esposa? mesmo depois do adultério, o casamento não está rompido e nunca pode ser rompido até a morte.”
Mas isto certamente não é o que ensina a Palavra de Deus! Infidelidade ou adultério separam o que Deus uniu. A infidelidade de qualquer um dos cônjuges termina com a relação de matrimônio. O homem e a mulher não são mais uma só carne. Um deles une-se a uma outra pessoa de maneira adúltera.
Uma mulher que se divorciou e casou novamente não tem dois maridos. Ela foi casada duas vezes, mas ela não tem dois maridos. O marido do segundo casamento é o seu marido. O marido do seu primeiro casamento é o seu ex-marido.
Deuteronômio 24.4 chama o primeiro marido de uma mulher divorciada de !seu primeiro marido?, exatamente essas palavras. !Seu primeiro marido, que a despediu, não poderá tornar a tomá-la??
Um divórcio bíblico estabelece que o matrimônio anterior já não existe mais, que o marido anterior já não é marido, e a esposa anterior já não é esposa. Quando Deus se divorciou de Israel devido ao adultério espiritual dela, disse, a respeito de Israel, em Oséias 2.2, “Ela não é minha mulher, e eu não sou seu marido??

QUESTÃO NOVE
POR QUE OS PASTORES FREQÜENTEMENTE SE RECUSAM A EXECUTAR CERIMÔNIAS DE MATRIMÔNIO QUANDO UM OU AMBOS O CASAL SÃO DIVORCIADOS?
Duas razões simples: primeiro, porque para fazer isso seria necessário que o pastor se tornasse juiz para determinar a culpa ou inocência das partes envolvidos e não é justo que ele carregue esse fardo. E segundo, porque, nos casos em que está envolvido um divórcio não bíblico, o pastor responsável pela cerimônia estaria ajudando o casal a cometer o que a palavra de Deus considera pecado.

QUESTÃO DEZ
O QUE DEVERIA SER FEITO COM RELAÇÃO AO PECADO DAQUELES QUE SE DIVORCIARAM DE MANEIRA NÃO BÍBLICA E CASARAM NOVAMENTE?
Algumas pessoas carregam a culpa de tais pecados durante anos e nunca realmente conseguem ter alívio de maneira completa. Infelizmente, os cristãos, às vezes, usam os divórcios de seus companheiros cristãos contra eles como se esse pecado de alguma maneira os tornasse cristãos de segunda classe. O que um indivíduo deveria fazer a respeito desse pecado?

Primeiro, deveria encarar este assunto de modo honesto e franco e, acima de tudo, ele deveria encarar isso levando em conta o que a Bíblia tem a dizer sobre esse assunto. Precisa parar de evitar o assunto e confrontá-lo abertamente.

Segundo, quando descobre, a partir da Bíblia, onde pecou, tem que trazer seus pecados à presença de Deus. Tem que confessar seus pecados e tem que implorar pela purificação e perdão de Deus. I João 1.9 diz “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda injustiça.”

O que Deus faz com nossos pecados quando os levamos a Ele? Ele os purifica e os perdoa. Algumas pessoas pensam que o pecado abominável do adultério é muito ruim para que Deus o perdoe, mas Deus diz, em Mateus 12.31, que todo tipo de pecado será perdoado aos homens. Deus perdoou a mulher samaritana e que tinha sido cinco vezes casada e divorciada e que estava vivendo com um homem com quem ela não estava casada. Quando um pecador traz o seu adultério a Deus, Deus perdoa esse pecado e o esquece. Em Jeremias 31.34, o Senhor diz: “? porque lhes perdoarei a sua maldade, e nunca mais me lembrarei dos seus pecados”. Nem sempre somos capazes de esquecer nossos pecados, mas Deus pode.

Em terceiro lugar, uma pessoa tem que viver para o Senhor em total obediência e proximidade com Ele, começando por hoje, e desse dia em diante. Ele precisa agradecer ao Senhor pela Sua purificação e perdão. Agora é necessário que se esqueça das coisas que atrás ficam e avançar para o alvo.

por: Laurence Justice

Tradução: Albano Dalla Pria – 09 04

Palavra Prudente / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:25
tags:


Pergunta: “O que diz a Bíblia a respeito do divórcio e segundo casamento?”

divorcio biblia O que diz a Bíblia a respeito do divórcio e segundo casamento?

Resposta: Em primeiro lugar, independentemente do ponto de vista que se tem a respeito do divórcio, é importante lembrar as palavras da Bíblia em Malaquias 2:16a: “Pois eu detesto o divórcio, diz o Senhor Deus de Israel.” De acordo com a Bíblia, o plano de Deus é que o casamento seja um compromisso para toda a vida. “Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem” (Mateus 19:6). Entretanto, Deus bem sabe que o casamento envolve dois seres humanos pecadores, e por isto o divórcio vai ocorrer. No Antigo Testamento, Ele estabeleceu algumas leis com o objetivo de proteger os direitos dos divorciados, em particular das mulheres (Deuteronômio 24:1-4). Jesus mostrou que estas leis foram dadas por causa da dureza do coração das pessoas, não por desejo de Deus (Mateus 19:8).

A polêmica a respeito do divórcio e do segundo casamento, se são ou não permitidos de acordo com a Bíblia, gira basicamente em torno das palavras de Jesus em Mateus 5:32 e 19:9. A frase “a não ser por causa de infidelidade” é a única coisa nas Escrituras que possivelmente dá a permissão de Deus para o divórcio e segundo casamento. Muitos intérpretes compreendem esta “cláusula de exceção” como se referindo à “infidelidade matrimonial” durante o período de “compromisso pré-nupcial”. Segundo o costume judeu, um homem e uma mulher eram considerados casados mesmo durante o período em que estavam ainda “prometidos” um ao outro. A imoralidade durante este período em que estavam “prometidos” seria a única razão válida para um divórcio.

Entretanto, a palavra grega traduzida “infidelidade conjugal” é uma palavra que pode significar qualquer forma de imoralidade sexual. Pode significar fornicação, prostituição, adultério, etc. Jesus está possivelmente dizendo que o divórcio é permitido se é cometida imoralidade sexual. As relações sexuais são uma parte muito importante do laço matrimonial: “e serão dois uma só carne” (Gênesis 2:24; Mateus 19:5; Efésios 5:31). Por este motivo, uma quebra neste laço por relações sexuais fora do casamento pode ser razão para que seja permitido o divórcio. Se assim for, Jesus também tem em mente o segundo casamento nesta passagem. A expressão “e casar com outra” (Mateus 19:9) indica que o divórcio e o segundo casamento são permitidos se ocorrer a cláusula de exceção, qualquer que seja sua interpretação. É importante notar que somente a parte inocente tem a permissão de se casar uma segunda vez. Apesar disto não estar claramente colocado no texto, a permissão para o segundo casamento após um divórcio é demonstração da misericórdia de Deus para com aquele que sofreu com o pecado do outro, não para com aquele que cometeu a imoralidade sexual. Pode haver casos onde a “parte culpada” tem a permissão de se casar mais uma vez, mas tal conceito não é ensinado neste texto.

Alguns compreendem I Coríntios 7:15 como uma outra “exceção”, permitindo o segundo casamento se um cônjuge não crente se divorciar do crente. Entretanto, o contexto não menciona o segundo casamento, mas apenas diz que um crente não está amarrado a um casamento se um cônjuge não crente quiser partir. Outros afirmam que o abuso matrimonial e infantil são razões válidas para o divórcio, mesmo que não estejam listadas como tal na Bíblia. Mesmo sendo este o caso, não é sábio fazer suposições com a Palavra de Deus.

Às vezes, perdido no meio deste debate a respeito da cláusula de exceção, está o fato de que qualquer que seja o significado da “infidelidade conjugal” , esta é uma permissão para o divórcio, não um requisito para ele. Mesmo quando se comete adultério, um casal pode, através da graça de Deus, aprender a perdoar e começar a reconstruir o casamento. Deus nos perdoou de tão mais. Certamente podemos seguir Seu exemplo e perdoar até mesmo o pecado do adultério (Efésios 4:32). Entretanto, em muitos casos, o cônjuge não se arrepende e nem se corrige, e continua na imoralidade sexual. É aí que Mateus 19:9 pode possivelmente ser aplicado. Muitos também se apressam a fazer um segundo casamento depois de um divórcio, quando Deus pode estar querendo que continuem solteiros. Deus às vezes chama alguém para ser solteiro a fim de que sua atenção não seja dividida (I Coríntios 7:32-35). O segundo casamento após um divórcio pode ser uma opção em alguns casos, mas não significa que seja a única opção.

Causa perturbação que o índice de divórcio entre os que se declaram cristãos seja quase tão alto quanto no mundo não crente. A Bíblia deixa muitíssimo claro que Deus odeia o divórcio (Malaquias 2:16) e que a reconciliação e perdão deveriam ser atributos presentes na vida de um crente (Lucas 11:4; Efésios 4:32). Entretanto, Deus reconhece que divórcios poderão ocorrer, mesmo entre Seus filhos. Um crente divorciado e/ou que tenha se casado novamente não deve se sentir menos amado por Deus, mesmo que seu divórcio e/ou segundo casamento não esteja sob a possível cláusula de exceção de Mateus 19:9. Freqüentemente Deus usa até a desobediência pecaminosa dos cristãos para executar um bem maior.

Got Questions / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:23
tags:


Namoro imprudente 150x150 Qual o nível apropriado de intimidade antes do casamento?

Pergunta: “Qual o nível apropriado de intimidade antes do casamento?”Resposta: Efésios 5:3 nos diz: “Mas a prostituição, e toda a impureza ou avareza, nem ainda se nomeie entre vós, como convém a santos.” Qualquer coisa que possa apenas “sugerir” imoralidade sexual é inadequada para um cristão. A Bíblia não nos dá uma “lista” do que se qualifica como “sugestão” ou tampouco nos diz especificamente quais são as atividades físicas aprovadas para um casal antes do casamento. Contudo, o fato de a Bíblia não mencionar especificamente o assunto não significa que Deus aprove atividades “pré-sexuais” antes do casamento. Em essência, as “preliminares” existem para que você fique “pronto” para o sexo. Logicamente, então, as “preliminares” devem ser restritas aos que forem casados. Qualquer coisa que possa ser considerada como “preliminar” deve ser evitada antes do casamento (não há necessidade de entrarmos em detalhes).

Toda e qualquer atividade sexual deve ser restrita a casais (marido e esposa). O que pode fazer um casal antes do casamento? Um casal, antes do casamento, deve evitar qualquer atividade que os tente em direção ao sexo, que dê a aparência de imoralidade ou que possa ser considerada como parte de “preliminares”. Eu, pessoalmente, aconselharia veementemente um casal a não ir além de dar as mãos, abraçar e beijar “levemente” antes do casamento. Quanto mais um casal (marido e esposa) tiver a compartilhar exclusivamente entre si, mais especial e único será o relacionamento sexual dentro do casamento.

Got Questions / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:22


preparando casamento 150x150 Como posso me preparar para o casamento?

Pergunta: “Como posso me preparar para o casamento?”Resposta: A maneira de se preparar biblicamente para o casamento é a mesma a ser usada para se preparar para um projeto de vida. É o princípio que deve governar todos os aspectos de nossas vidas como crentes nascidos de novo. Este princípio é: “… Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento” (Mateus 22:37).

Este não é um mandamento qualquer. É a parte mais importante de nossas vidas como crentes. É escolher ter como foco Deus e Sua Palavra de todo o nosso coração, para que nossas mentes estejam ocupadas com as coisas que primeiramente agradam a Deus. O relacionamento que temos com Deus através do SENHOR Jesus Cristo é o fator que coloca todos os outros relacionamentos em perspectiva. O próprio relacionamento dentro do casamento é baseado no modelo de Cristo e a igreja (Efésios 5:22-33). Todos os aspectos de nossas vidas são governados por nosso compromisso como crentes, compromisso de andar e viver de acordo com o que diz o SENHOR. Nossa obediência a Deus e a Sua palavra nos dá os instrumentos de que precisamos para que possamos cumprir o papel que nos foi dado por Deus em nosso casamento e certamente nosso papel no mundo. E o papel de todo o crente nascido de novo é glorificar a Deus em todas as coisas (I Coríntios 10:31).

Então, minha resposta a você é que para se preparar para o casamento, ande de forma digna com o chamado de Cristo Jesus e torne-se íntimo com Deus através de Sua Palavra. Concentre-se em total obediência. Não há uma cartilha fácil para aprender a andar em obediência a Deus. Deixar de lado a visão corrente neste mundo e escolher seguir a visão de Deus é uma escolha de todos os dias. Andar de forma a honrar a Cristo é submeter-se em humildade ao único Caminho, única Verdade e única Vida, e fazê-lo a cada dia, a cada momento. Esta é a preparação que cada crente precisa para se preparar para este grande presente que chamamos vida.

Uma pessoa espiritualmente madura e que ande com Deus está mais preparada para o casamento do que qualquer um. O casamento exige compromisso, paixão, humildade, amor e respeito. Estas características são mais evidentes em alguém que tenha um relacionamento íntimo com Deus. Enquanto se prepara para o casamento, concentre-se em permitir que Deus molde você no homem ou mulher que Ele quer que você seja. Se você se submeter a Ele, Ele o capacitará a estar pronto para o casamento, quando este dia maravilhoso chegar!

GotQuestions / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:20


sexo fora do casamento Pergunte ao Pastor – Gostaria de saber se Deus abomina aquele que faz sexo antes do casamento?

Pergunta

Gostaria de saber se Deus abomina aquele que faz sexo antes do casamento. Por favor, entre em contato comigo preciso muito saber, Obrigado.

Karen – via email


Pastor André Lepre Responde

Querida irmã,

Sexo fora do casamento é algo que não está dentro dos princípios estabelecidos por Deus, tanto para o homem como para Deus.

Quem pratica sexo fora do casamento está em estado de fornicação e isso é condenado por Deus, porém, nada está perdido. Ainda há tempo para se arrepender e agir conforme a Palavra de Deus.

Se isso aconteceu contigo, não se desespere e nem se culpe. Deus está de braços abertos e ouvidos para te ouvir e te perdoar.

O sexo não deve ser para uma satisfação carnal como muitos fazem, mas o sexo é uma benção dentro do casamento para que seja o complemento do amor entre um casal que se ama.

Deus lhe abençoe!

Graça e Paz!

Pr. Andre Lepre

publicado por institutogamaliel às 17:19


sexo 300x225 O que diz a Bíblia a respeito do sexo antes do casamento/sexo pré matrimonial?

Pergunta: “O que diz a Bíblia a respeito do sexo antes do casamento/sexo pré-matrimonial?”

Resposta:
Junto a todos os outros tipos de imoralidade sexual, o sexo antes do casamento, ou sexo pré-matrimonial é repetidamente condenado nas Escrituras (Atos 15:20; Romanos 1:29; I Coríntios 5:1; 6:13,18; 7:2; 10:8; II Coríntios 12:21; Gálatas 5:19; Efésios 5:3; Colossenses 3:5; I Tessalonicenses 4:3; Judas 1:7). A Bíblia defende e encoraja a abstinência antes do casamento. Sexo antes do casamento é tão errado quanto o adultério ou outras formas de imoralidade sexual, porque todos envolvem relações sexuais com alguém com quem você não é casado. Sexo entre marido e sua esposa é a única forma de relações sexuais que Deus aprova (Hebreus 13:4).

Por muitas razões o sexo antes do casamento tornou-se algo tão comum. Muito freqüentemente nós focalizamos no aspecto de “recreação” do sexo, sem reconhecer o aspecto de “recriação”. É isso mesmo, o sexo dá prazer. Assim Deus fez o sexo. Ele quer que homens e mulheres tenham satisfação com o sexo (dentro dos limites do casamento). Entretanto, o primeiro propósito do sexo não é o prazer, mas a reprodução. Não é para nos privar de ter prazer que Deus proíbe o sexo antes do casamento, mas para nos proteger de uma gravidez indesejada e filhos nascidos de pais que não os querem ou não estão preparados para eles. Imagine como o nosso mundo seria muito melhor se todos seguissem os padrões de Deus a respeito do sexo: menos doenças sexualmente transmissíveis, menos mães solteiras, menos gravidezes indesejadas, menos abortos, etc. A abstinência é a única diretriz de Deus a respeito do sexo antes do casamento. A abstinência salva vidas, protege bebês, valoriza as relações sexuais, e principalmente, honra a Deus.

GotQuestions / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:16


homossexual book 237x300 Livro de ex homossexual que promete curar a homossexualidade gera polêmica na Espanha

Após vários protestos de simpatizantes do movimento LGBT, uma grande rede espanhola de livraria virtual a El Corte Inglés , retirou de seu site o livro “Comprender y sanar la homosexualidad” (“Compreender e curar a homossexualidade”, escrito pelo psicoterapeuta Richard Cohen.

Em uma entrevista ao site da editora que traduziu o livro para o espanhol, Cohen afirma que a cura do homossexualismo é possível “Se estamos decididos, contamos com o amor de Deus e o apoio de outras pessoas, a cura é possível”, diz o autor do livro.

Cohen, diz que escreveu o livro a partir de sua própria experiência, pois ele foi homossexual durante décadas e voltou a ser hetero. Ele afirma ter “curado” durante os últimos quinze anos, “milhares” de homens e mulheres que sentiam atraídos por pessoas do mesmo sexo.

Richard Cohen e seu livro Livro de ex homossexual que promete curar a homossexualidade gera polêmica na Espanha

Richard Cohen (autor do livro), diz que era homossexual e que já curou milhares de pessoas do homossexualismo

A editora El Corte Inglés, resolveu retirar as vendas do livro de sua loja virtual, após os protestos realizados na internet com a iniciativa da ACtuable, um comunidade on-line de pessoas e organizações de simpatizantes a causa homossexual que “que unem esforços para lutar contra as injustiças”.

Os protestos tiveram resultados, pois em apenas três horas mais de quatro mil pessoas mostraram sua “indignação” pela venda do livro.

A Federação Andaluza de Associações LGTB, festeja a retirada do livro e afirma que é uma “vitória do ativismo”.

“Foram de grande ajuda as ferramentas das novas tecnologias da informação e comunicação, que permitiram uma pronta e decisiva atividade por parte dos cidadãos”, destacou a organização em comunicado.

A organização acredita que o livro pode provocar “não só a desinformação radical sobre a própria classe LGTB, mas uma clara ameaça para os jovens homossexuais e transexuais e suas famílias baseada nos tão condenados e temidos tratamentos reparadores”.

Fonte: Portal Padom

Com informações da Folha Online

publicado por institutogamaliel às 17:14


intimacyofeden 300x181 O sex shop de Jesus
Sexo é um assunto tabu para a religião. Quase nunca aparece e, quando vem à tona, é mais para ser reprimido do que discutido. Não pode fazer antes de casar. Não pode fazer com camisinha. Não pode fazer isso ou aquilo…

Mas alguns empreendedores cristãos resolveram quebrar esse tabu. Eles abriram sex shops online para incentivar “a intimidade” entre os casais – dentro dos laços do casamento, que fique bem claro. O Intimacy of Eden é um deles, e resume assim a sua missão: “Somos pró-casamento, somos pró-sexo, e estamos aqui para ajudar os casais a desenvolver o componente sexual da saúde conjugal. Esta loja cristã do sexo existe para ajudar os casais casados a reacender o romance e a paixão de seus casamentos – uma intimidade conjugal como a que Adão e Eva gozaram no Jardim do Éden.”

A diferença é que, no Jardim do Éden contemporâneo, Adão e Eva têm não só uma maçã tentadora, mas vibradores, lingeries, lubrificantes… Os itens vendidos pelos sex shops cristãos são bem parecidos com os dos sex shops “ateus”. Mas os sex shops religiosos tomam alguns cuidados: retiram os produtos de embalagens que possam ser ofensivas (com cenas de nudez), exibem lingeries em manequins (não em modelos) e enviam os pedidos da maneira mais discreta (de resto, como seus concorrentes não-religiosos). Alguns não vendem itens que podem ferir regras religiosas, como camisinhas e brinquedos para sexo anal.

Curta-nos no Facebook

Mas talvez a maior diferença esteja nos clientes: mais pudicos e com menos informação sobre sexo. Preocupados com o que possa ofendê-los, os sites adotam uma linguagem menos explícita (em vez de “borboleta estimuladora de clitóris”, vendem “estimulador vibratório”, por exemplo) e mandam junto com os produtos instruções para o “uso saudável”.

Os comerciais de um outro sex shop cristão, o Hookin’ up Holy, são tão ingênuos que chegam a ser cômicos:



odo esse cuidado parece estar valendo a pena. Alguns líderes religiosos já começaram a indicar os serviços dos “sex shops de Jesus” para salvar o casamento de alguns fiéis. Uma mulher cristã ouvida pela reportagem do Daily Beast disse que um vibrador reacendeu seu casamento – e deu a ela seu primeiro orgasmo. Um jovem judeu disse que os brinquedos ajudaram-no a lidar com a ejaculação precoce que atrapalhava sua relação com a mulher. A ajuda dos livros sobre sexo e dos brinquedos sexuais é infinitamente mais eficiente do que alguns conselhos estapafúrdios que se espalham em algumas comunidades religiosas. A reportagem cita que um jovem casal escutou o seguinte: “Se uma mulher não gosta de sexo, ela deve tomar dois comprimidos de Tylenol e terminar o mais rápido possível”. Ótimo conselho para a felicidade conjugal, não?

Fiéis de outras religiões tiveram iniciativas semelhantes. Há um sex shop judeu, a Kosher Sex Toys, e uma loja virtual que segue as leis da sharia muçulmana, a El Asira. Não importa se seguidores de Jesus, Moisés ou Maomé, todos os sites têm algo em comum: defendem que o bom sexo é fundamental para um casamento bem-sucedido. Duvido que ateus e agnósticos discordem dessa ideia.

escrito por: Letícia Sorg

do Padom: “O mundo cada vez mais esta perdido, já tem um blog com as ‘evangélicas mais gostosas’ agora esse sexy shopp ao ‘Povo de Deus’, daqui uns dias vem Filme Porno Gospel e GMagazine e Playboy gospel! Este mundo vai de mau a pior…. Volta logo JESUS!! “

Fonte: Mulher 7×7 / Portal Padom
publicado por institutogamaliel às 17:13


Religião e sexo nunca foram assuntos que andaram lado a lado. Para muitas crenças, o sexo é apenas parte do processo reprodutivo e o prazer é condenado. Outros acreditam que o sexo deva ser feito apenas depois do casamento e apenas com a pessoa que Deus escolheu para você.

E onde tem sexo, tem gente investindo para deixar tudo mais… divertido! É o que vem acontecendo, nos últimos anos, com a indústria gospel. Isso mesmo, indústria gospel relacionada ao mundo do sexo! Essa semana todo mundo resolveu falar de uma empresa que está produzindo filmes eróticos evangélicos. Todas as obras têm enfoque claro e seguem regras de conduta: os protagonistas dos filmes são casais — marido e mulher mesmo – na vida real, todas as cenas seguem preceitos do sexo cristão — e tem a religião como princípio -, nunca é extraconjugal e práticas como ménage, sadomasoquismo e nudismo (!) são impensáveis.

A ideia desses filmes é ensinar aos casais cristãos como eles podem ter e proporcionar prazer de acordo com a Bíblia — incluindo posições sexuais e tratamentos respeitosos ao órgão do outro. Mas a indústria do sexo gospel não é baseada apenas em filmes em que, pelo que eu entendi, rola sexo de roupa. Também há outras… atividades nesse mercado. Quer conhecer?

Sex shop para casais religiosos
Apimentar a relação de acordo com preceitos da Bíblia é a missão de alguns sex shops online. O Book 22 foi o primeiro deles e a história é que o casal que o criou estava, segundo o site NPR.com, cansado de buscar soluções para sua vida sexual e só encontrar pornografia.

Existe também o My Beloved Garden, que oferece produtos para casados. E há também o Intimacy of Eden. Mas não se assuste se o que você encontrar nessas lojas for igual ao que vê em outras sex shop, o que muda é só o nome. Eles vendem o produto e cada um usa como quer, então…

Pole dance para Jesus
Uma americana resolveu criar o esporte e fez algumas mudanças nas aulas convencionais de pole dance, ou dança do poste. Primeiro, as músicas: nada de música de boate, apenas louvores cristãos ou músicas gospel populares. Depois, os movimentos, que não são tão sensuais quando nas aulas normais, afinal, é um momento de adoração.

Além disso, é um exercício físico que deixa as mulheres mais fortes para lidar com os problemas do dia a dia.

“Eu acho que não há nada de errado com o que eu faço. Eu ensino mulheres a se sentir bem consigo mesmas, ensino elas a sentirem-se poderosas. Qualquer um que quiser me julgar, Crystal Deens, criadora da modalidade, para a rede de TV americana Fox News.


Swing gospel
Esse é o nome de um grupo musical que canta temáticas religiosas, mas não é sobre eles que estamos falando. O swing gospel do qual estamos falando é igualzinho àquele não religioso, em que as pessoas trocam de casal e fazem sexo por puro prazer, sem sentimentos ou ligações matrimoniais.

Não há uma casa especializada na prática também conhecida como “sono inocente”, mas foram encontrados alguns anúncios em classificados sexuais de casais evangélicos procurando moças evangélicas para fazer parte do relacionamento.

E então, casais evangélicos também sofrem com a monotonia do sexo e curtem apimentar a relação de vez em quando?

Yahoo / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:11
tags:


Tenho dezoito anos, uma personalidade independente e às vezes tímida. Cresci durante toda a minha vida na igreja; quando o recém formado grupo de louvor me chamou para tocar bateria, senti que finalmente havia encontrado meu lugar lá. Tudo parecia estar bem comigo, mas me sentia vazia.sozinha pornografia Lutando sozinha contra a pornografia

Mais tarde, no ensino médio, meu vazio aumentou e com ele minha curiosidade de encontrar alguma coisa que me satisfizesse. A principio me voltei para coisas pequenas como roubar cigarros do meu detestável tio, mas isso não era suficientemente forte para preencher aquele vazio. Eu não iria desistir tão fácil. Eu sou a Jennifer, forte como aço e vou conseguir aquilo que eu quero! Como uma “nerd” da informática, consegui ter acesso a várias coisas que as pessoas normais não tinham nem idéia. Descobri o que queria. Consegui o que queria. PORNOGRAFIA!

Antes mesmo que percebesse, estava viciada. Essa doença não foi, na minha vida, um substituto para o sexo. Eu era, na verdade, e ainda sou virgem. Isso era algo apenas para me preencher. Quando estava triste, ou tinha tido um dia ruim, podia simplesmente ir até o meu quarto, fechar a porta e me sentir bem novamente. Era de graça, inofensivo, e ninguém ficava sabendo. Mas toda vez que estava na internet, aquilo que eu buscava para me satisfazer, já não me satisfazia mais. Como um viciado em drogas, procurando dia após dia por drogas mais fortes, eu procurava cada vez mais por fontes mais fortes de satisfação. Isso nunca tinha fim até que Deus entrou em cena.

Eu não sei exatamente quando, por que ou como (a não ser, através da intervenção necessária de Deus), mas, um dia, percebi como minha vida estava devastada. Meu pai fumava e tinha parado DE VEZ. Sem adesivos e sem diminuição, ele apenas parou. Então percebi que era isso o que precisava fazer. Eu percebi que Deus era a única maneira de curar meu vazio. Então, apaguei TUDO do meu computador. Todos os sites, os vídeos, as senhas, tudo aquilo que pudesse me conduzir de volta ao lugar onde me tornei uma pessoa horrível. Uma curiosidade ingênua rapidamente tinha se tornado um vício.

Logo depois fui a um retiro cristão. Estava empolgada, mas não esperava o impacto que isso teria em mim. Naquele fim de semana, dediquei minha vida novamente a Jesus Cristo, dizendo a Deus: “Eu quero viver totalmente e completamente para Ti. Eu quero ser uma nova criação (2 Co 5:17), transformada pelo amor que você tem me mostrado. Eu sei que cometi vários erros e até os meus acertos não são dignos de Ti (Isaias 64:6)”. Mas também sei que Deus nos salvou por Sua misericórdia, não pelas coisas que tínhamos feito (Tito 3:4-5). Então, daquele dia em diante, resolvi fazer um compromisso com Deus dizendo que aquilo que Ele pensa é mais importante do que o que eu e o mundo pensamos e tudo o que fizer agora será para Sua glória, coisas que Ele quiser que eu faça.

O amor que senti no retiro foi o que me fez superar. Eu sabia que Deus me amava… Mas tanto assim? Estava rodeada por pessoas que eu não conhecia e elas estavam orando, intercedendo e pedindo por mim, me dando conselhos e expressando o amor que sentiam por mim. Mas por que pessoas completamente desconhecidas estavam demonstrando amor por mim? A Bíblia diz: “Nós amamos porque ele nos amou primeiro” (1 João 4:19). Eles me amavam por sentirem o amor que Deus tinha por eles. E agora que sinto o amor de Deus, quero dividi-lo também com o mundo! Além do amor, experimentei cantar musicas de adoração como nunca antes. Voltei aos meus velhos amigos cristãos e fiz novos amigos. Depois daquele fim de semana era visível a expressão de Jesus em meu rosto e em meus atos. Todos os dias, encontrava uma nova razão para louvar a Deus… Não havia um resquício sequer do vazio que eu sentia antes. Não havia mais raiva, solidão, tristeza ou medo. O Salmo 119:62 diz: “À meia-noite me levanto para dar-te graças pelas tuas justas ordenanças”.

É isso que eu sinto agora. Querendo levantar-me à meia-noite para louvar e adorar ao Senhor pelo que Ele fez por mim e pelos meus amigos. Você nunca é muito novo ou velho para mudar por causa do Senhor: “Ninguém o despreze pelo fato de você ser jovem, mas seja um exemplo para os fiéis na palavra, no procedimento, no amor, na fé e na pureza” (1 Tm 4:12).

Hoje! Hoje, entregue-se total e completamente a Deus. Você não tem nada a perder e a vida eterna a ganhar. Paulo disse: “mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 6:23). Aceite essa oferta e corra, corra para Deus, porque você é e sempre será dEle. Quando o mundo inteiro lhe der as costas, Ele estará lá, porque Ele é, foi e sempre será. Ele ama você.

Sua Escolha / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:09


pornograifa Epidemia de pornografia: estamos inundados de pornografia

— Numa conversa com um padre em minha diocese, compartilhei o relatório do meu diretor espiritual de que de cada duas confissões que ele ouve de homens, uma envolve o pecado da pornografia. A resposta do padre foi chocante: “Oh, é muito pior do que isso!” Desde então, essa triste realidade vem sendo confirmada por muitos outros: O pecado da pornografia está assolando os homens católicos.

A pornografia é agora mais popular do que o futebol. Aliás, se tornou o passatempo dos Estados Unidos, e estamos inundados de pornografia. A pornografia está em nossos computadores, em nossos smartphones e nossas TV a cabo ou satélite. É comum em nossos hotéis e até mesmo em muitos estabelecimentos comerciais e postos de gasolina. Para muitos homens — e cada vez mais, mulheres — é parte de suas vidas diárias.
Contudo, o ensino católico sobre o assunto é claro. O uso da pornografia é uma “ofensa grave”. O Catecismo da Igreja Católica declara: “A pornografia… é uma ofensa contra a castidade porque perverte o ato conjugal, a doação íntima dos cônjuges um para o outro. Provoca grave dano à dignidade de seus participantes (atores, vendedores, o público), pois cada um se torna um objeto de prazer vil e lucro ilícito para outros” (2354).
No livro A Vida de Cristo (Life of Christ), o arcebispo Fulton J. Sheen escreveu: “A pena para aqueles que vivem perto demais da carne é jamais entenderem o espiritual”. A pornografia explícita na internet oferece um oceano de perversão. Leva a mente aonde jamais deveria ir, soltando suas amarras morais e deixando-a a deriva num traiçoeiro oceano de pecado. Esse é o destino trágico daqueles que se entregam à pornografia: Eles se acham só com suas imagens e um apetite insaciável por mais.
Embora seja assombroso para muitos, os usuários de pornografia acabam pondo a religião, o casamento, o trabalho e as amizades em segundo lugar depois de seu desejo por pornografia. Eles querem mudar, voltar à vida como era antes da pornografia, mas a maioria voltará e descerá muito mais. A Dra. Mary Anne Layden, diretora do Programa de Trauma Sexual e Psicopatologia do Centro de Terapia Cognitiva da Universidade da Pensilvânia, assemelha a pornografia ao crack. Num depoimento juramentado no Senado dos EUA em novembro de 2004, ela comentou: “Esse material é potente, viciador e fica permanentemente implantado no cérebro”.
Lamentavelmente, para o consumidor normal de pornografia, a confissão e contrição são geralmente insuficientes para se desprender da pornografia porque, como o vício das drogas, a pornografia não é só um mau hábito — é muitas vezes um vício.

Um desejo que não satisfaz

O vício da pornografia é agora comum entre adultos e é até mesmo um problema crescente para crianças e adolescentes. Poucos dos que são viciados conseguirão ajuda, e as consequências podem durar a vida inteira, de forma grave.
A força viciadora da pornografia é consequência de mudanças neuroplásticas de longa duração, às vezes permanentes, no cérebro. O psiquiatra Norman Doidge, autor do livro best-seller “O Cérebro que se Transforma” (The Brain That Changes Itself, Penguin, 2007), escreve: “A pornografia, ao oferecer um harém interminável de objetos sexuais, hiperativa o sistema apetitivo. Os que veem pornografia desenvolvem novos mapas em seus cérebros, com base nas fotos e vídeos que veem. Pelo fato de que se não exercitarmos nosso cérebro, ele ficará fraco, quando desenvolvemos uma área de mapa, ansiamos mantê-la ativada. Exatamente como nossos músculos se tornam impacientes para exercício se ficamos o dia inteiro sentados, assim também nossos sentidos têm fome de ser estimulados” (108).
Com a pornografia, em outras palavras, o sistema de prazer de nosso cérebro que excita nossos desejos é ativado, mas não há real satisfação. Isso explica a razão por que usuários conseguem passar horas sem fim fazendo busca por pornografia na internet.
Doidge comenta, além disso, que os que veem pornografia desenvolvem tolerâncias de modo que eles precisam de níveis cada vez mais elevados de estímulo. Por isso, eles muitas vezes avançam para pornografia mais explícita e pervertida. Mais de uma década atrás, Margaret A. Healy, professora adjunta da Escola de Direito da Universidade Fordham, e Muireann O’Brian, ex-diretora da organização Acabe com a Pornografia, Prostituição e Tráfico de Crianças (APPTC), observaram uma ligação entre pornografia adulta e infantil. Desde aquele tempo, grande número de autoridades policiais, em atividade ou aposentadas, notou que muitos consumidores de pornografia adulta acabam avançando para a pornografia infantil, ainda que não sejam pedófilos e não tivessem nenhum interesse em tal material no início. Essas descobertas explicam, em parte, a prevalência de pornografia infantil no mundo de hoje.
Ver pornografia muda a atitude do usuário para com o sexo, seu cônjuge e a sociedade. Ele ou ela usa fantasias sexuais para se estimular sexualmente, tenta fazer com que os parceiros imitem as cenas pornográficas, tem mais probabilidade de se envolver em assédio sexual ou agressão sexual, e vê o sexo como um privilégio casual, não íntimo e recreativo. Laydon e outros psicólogos clínicos relataram que, ironicamente, a disfunção erétil é comumente associada ao constante uso da pornografia entre os homens. Um dos motivos para isso é que a constante busca de imagens sexuais e masturbação que muitas vezes acompanha isso levam à insatisfação com o próprio cônjuge. Afinal, a esposa de um homem não consegue manter uma imagem que compita com as mulheres no mundo de fantasia dos vídeos e imagens pornográficos. O consumidor normal de pornografia se prepara para desapontamentos e desintegração quase certa de seu casamento.
O amor conjugal foi feito para ser uma entrega total de si para um parceiro permanente e fiel. É uma entrega confiante e abnegada. Em contraste, o sexo pornográfico é egoísta, degradante e mecânico. Em sua catequese sobre a teologia do corpo, o Papa João Paulo 2 frisou que existe uma “bondade moral” no casamento, que é a fidelidade. Essa bondade pode ser adequadamente alcançada apenas no relacionamento exclusivo de ambas as partes. Muitas pessoas não conseguem compreender essa bondade singular e se contentam com o excitamento temporário, pervertido e insatisfatório da pornografia.

Protegendo nossas crianças

Um pai tem o dever de proteger seus filhos da pornografia e uma obrigação sagrada de dar um exemplo de pureza para sua família. Que maior autoridade poderia um pai ter acerca dos danos da pornografia do que as palavras de Cristo? “Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela.” (Mateus 5:28)
Se você se tornou consumidor de pornografia, faça a seguinte pergunta para você mesmo: Será que sou o mesmo homem que prometeu fidelidade à minha esposa no dia do meu casamento? Não dá para se manter fidelidade se há consumo de pornografia. As esposas de consumidores de pornografia se sentem como se seus maridos estivessem cometendo adultério. Adultérios mentais são tão destrutivos quanto os adultérios do coração.
Os advogados que trabalham com divórcio relatam que há uma elevada correspondência entre consumo de pornografia e divórcios. Determinado estudo de 2004 na revista Social Science Quarterly com o título de “Adult Social Bonds and Use of Internet Pornography” (Vínculos Sociais Adultos e Uso de Pornografia de Internet) revelou que as pessoas que têm um caso extraconjugal tinham uma probabilidade três vezes maior de ter acessado a pornografia de internet do que as pessoas que não tinham casos. Além disso, aqueles que tiveram alguma experiência de sexo pago tinham uma propensão 3,7 maior de estar usando pornografia de internet do que aqueles que não tiveram.
Se você tem um hábito de pornografia, seus filhos poderão seguir seu hábito. Muitos viciados em pornografia relatam que sua primeira exposição à pornografia foi quando descobriram a coleção de pornografia de seus pais, a qual os iniciou numa vida de confusão e exploração sexual. Uma pesquisa de 2006 do Centro Nacional de Crianças Desaparecidas e Exploradas revelou que 79 por cento dos jovens sofrem exposição indesejada à pornografia dentro de casa.
Para uma criança, a pornografia normaliza os danos sexuais, de acordo com a Dra. Sharon Cooper, pediatra da Universidade da Carolina do Norte. “As pesquisas mostram que o córtex pré-frontal — onde reside a capacidade de avaliar, o bom senso, controle de impulsos e emoções — só fica completamente maduro quando o jovem tem 20-22 anos de idade”, explicou ela. A introdução da pornografia no córtex pré-frontal do cérebro é, pois devastadora para as principais áreas do desenvolvimento de uma criança e pode provocar alterações que durarão a vida inteira. “Quando uma criança vê pornografia adulta… o cérebro dela a convencerá de que ela está realmente experimentando o que está vendo”, acrescentou Cooper. Em outras palavras, o que uma criança vê na pornografia é o que ela acredita que é a realidade.
Algumas crianças realmente procurarão imitar o que veem na pornografia e tentarão experiências com seus irmãos, parentes e amigos. Muitos estudos mostram que crianças expostas à pornografia iniciam a atividade sexual muito precocemente, têm mais parceiros sexuais e têm múltiplos parceiros num curto período de tempo. Um estudo de 2001 na revista Pediatrics também revelou que meninas adolescentes expostas a filmes pornográficos têm sexo mais frequentemente e têm um desejo forte de engravidar.

Há ajuda e esperança

Felizmente, há organizações, conselheiros e recursos que fornecem esperança para aqueles que sofrem dos efeitos destrutivos da pornografia em crianças, casamentos, relacionamentos e sociedade. Muitos que estão viciados — adultos e crianças igualmente — receberam ajuda por meio de aconselhamento ou instruções detalhadas online oferecidas por serviços de restauração.
Entretanto, é muito importante que cada pessoa e cada família faça uma checagem da realidade. Pergunte para você mesmo se você e sua família estão protegidos do flagelo da pornografia. Você exerce controle adequado do que seus filhos veem ou tem softwares de filtragem no computador de sua casa? O computador está numa área aberta de sua casa? Se você tem filhos, você já conversou com eles acerca do custo espiritual e social da pornografia? Você tem canais pagos de satélite ou a cabo em sua TV que oferecem pornografia em pacotes normais?
Se você está vendo pornografia ou material indecente, você está prejudicando sua própria alma e talvez a alma de seus filhos e seu cônjuge. O aviso bíblico é sério: “Se teu olho te faz pecar, arranca-o” (Marcos 9:47) No mínimo, certifique-se de que seu computador em casa e no escritório tenha filtros e que você tenha um “companheiro a quem prestar contas” — talvez sua esposa ou um bom amigo — que tenha acesso ao seu computador e aos sites que você visita. Em conclusão, envolva-se na guerra contra a pornografia. Vale a pena lutar por você, sua família e sua nação.
Patrick A. Trueman é o presidente de Morality in Media. Membro do Conselho São Francisco Xavier 6608 em Buffalo, Minnesota, Trueman serviu como diretor da Seção de Exploração e Obscenidade Infantil da Divisão Criminal do Ministério da Justiça dos EUA, durante os governos dos presidentes Ronald Reagan and George H.W. Bush.
Há numerosos recursos para ajudar homens e mulheres com vício pornográfico. Eis apenas alguns em inglês:
Dá para se encontrar muitos outros pesquisando a internet.
por: Patrick A. Trueman

Traduzido por: Julio Severo

Fonte: Noticias Pró Família / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:08


Cristãos têm lançado uma campanha para proteger as crianças da pornografia na internet. A Premier Christian Media Trust e a campanha do grupo SaferMedia, estão pedindo ao governo para mudar a lei que obriga os provedores de serviços de internet (ISP) a introduzir um filtro em nível de rede que mudaria a configuração padrão para a pornografia na internet em ‘off’.

A mudança daria aos pais um controle maior socriança vendo pornografia Cristãos exigem mais restrição e controle sobre a pornografia na web bre o que seus filhos são capazes de acessar através da internet, através de uma filtragem da pornografia.

De acordo com a Premier, um em cada três crianças de 10 anos de idade, viu pornografia online, enquanto o maior grupo que vêem pornografia on line são entre 12 e 17 anos de idade.

O lançamento da Campanha Safetynet, coincide com o Dia da Internet mais segura hoje em dia.

Peter Kerridge, diretor executivo da Premier Christian Mídia Trust, disse que a pornografia é um “perigo real” para as crianças.

“Nossos filhos são uma questão de primordial importância para aqueles que são envolvidos no mundo da pornografia online. Reconhecemos a necessidade de adotarmos medidas para proteger nossos filhos do sexo e da violência em filmes, vídeo games e da televisão. Esse mesmo princípio deve-se estender-se a internet”.

“Esta medida permitirá aos adultos a opção de acessar pornografia e dar às crianças a liberdade para navegar na Internet com segurança.”

Miranda Suit, co presidente da Safermedia disse: “A introdução de filtros de nível ISP têm o potencial de oferecer proteção muito melhor para todas as crianças, e é por isso que estamos argumentando que esta medida seja aplicada de imediato.”

Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:06


homossexualismo naoa A mais longa lista de pecados da Bíblia está relacionada à homossexualidade

Quando o homem desprezou o conhecimento de Deus e perverteu o culto divino, perdeu a sua identidade. O homossexualismo é uma negação total do mundo real. Refuta qualquer possibilidade de continuidade e ameaça a identidade da pessoa como fruto do relacionamento de um pai e uma mãe. Não podemos concordar com a bandeira levantada pela homofobia, quando os ativistas desse movimento afirmam que o homossexualismo é uma opção normal e que o casamento de pessoas do mesmo sexo é uma união de amor que deve ser chancelada pela lei de Deus e dos homens. Ao descrever o homossexualismo, Paulo aponta sete características desse pecado abominável: 1) imundícia (Rm 1.24); 2) desonra para o corpo (1.24); 3) paixão infame (1.26); 4) antinaturalidade (1.26); 5) contrariedade à natureza (1.26); 6) torpeza (1.28); 7) erro (1.28).

O apóstolo Paulo amplia a questão quando faz um diagnóstico sombrio da realidade que nos cerca. A decadência moral atinge todos os relacionamentos: com Deus, consigo próprio, com o próximo e com a família. Esta é a mais longa lista de pecados encontrada nas epístolas paulinas. Paulo faz uma lista de 21 pecados, que mostraremos agora:

  1. Cheios de injustiça – A palavra grega adikia significa roubar tanto aos homens como a Deus de seus direitos.
  2. Cheios de malícia – A palavra grega poneria se refere a uma maldade sedutora, maligna. Trata da pessoa que não apenas é má, mas procura arrastar os outros para sua maldade.
  3. Cheios de avareza – A palavra grega pleonexia é o desejo desenfreado que não conhece limites nem leis, o desejo insaciável de ter o que não lhe pertence por direito. É amor insaciável às possessões e aos prazeres ilícitos.
  4. Cheios de maldade – A palavra grega kakia descreve o homem desprovido de todo o bem. Trata-se da pessoa que tem inclinação para o pior. É o vício essencial que inclui todos os outros e do qual todos os outros procedem.
  5. Possuídos de inveja – A palavra grega fthonos descreve o terrível sentimento de sentir-se desconfortável com o sucesso dos outros, não só desejando o que lhe pertence, mas também alegrando-se com suas tragédias.
  6. Possuídos de homicídio – A palavra grega fonos se refere a desejo, intenção ou atitude de ferir o outro para tirar-lhe a vida. O assassino é também aquele que odeia a seu irmão (1Jo 3.15). O homem pode ver a ação, mas Deus conhece a intenção.
  7. Possuídos de contenda – A palavra grega eris diz respeito ao sentimento e à atitude daquele pessoa que é dominada pela inveja e por isso se torna facciosa e briguenta.
  8. Possuídos de dolo – A palavra grega dolos retrata a pessoa que não age da maneira reta, usando sempre métodos tortuosos e clandestinos para alguma vantagem. A palavra vem do verbo doloun usado para referir-se à falsificação de metais preciosos e a adulteração de vinhos.
  9. Possuídos de malignidade – A palavra grega kakoetheia descreve a pessoa que sempre supõe o pior acerca dos outros. É a pessoa que sempre vê as coisas pelo lado mais sombrio.
  10. Difamadores – A palavra grega psithyristes representa a pessoa que murmura suas histórias maliciosas de ouvido a ouvido.
  11. Caluniadores – A palavra grega katalalos refere-se a pessoa que proclama publicamente suas infâmias.
  12. Aborrecidos de Deus – A palavra grega theostygeis retrata o homem que odeia a Deus, porque sabe que Deus é estorvo em seu caminho de licenciosidade. De bom grado eliminaria Deus se pudesse, pois para ele o mundo sem Deus lhe abriria o caminho para o pecado.
  13. Insolentes – A palavra grega hybristes retrata a pessoa altiva, soberba, sadicamente cruel, que encontra prazer em prejudicar o próximo.
  14. Soberbos – A palavra grega hyperefanos descreve a pessoa que está cheia de si mesma como um balão cheio de vento. Este é o ponto culminante de todos os pecados. Trata-se de quem despreza todos, exceto a si mesmo, e tem prazer em rebaixar e humilhar os outros.
  15. Presunçosos – A palavra grega alazon descreve a pessoa que pensa de si mesma além do que convém e exalta a si mesma acima da medida. Diz respeito a quem pretende ter o que não tem, saber o que não sabe e jacta-se de grandes negócios que só existem em sua imaginação.
  16. Inventores de males – As palavras gregas efeuretes kakon retratam aquelas pessoas que buscam novas formas de pecar, novos recônditos nos vícios, porque estão enfastiadas e sempre à procura de novas emoções em alguma fora diferente de transgressão.
  17. Desobedientes aos pais – As palavras gregas goneusin apeitheis se referem àquela atitude dos filhos de sacudir o jugo da obediência aos pais. Trata-se de filhos rebeldes e irreverentes.
  18. Insensatos – A palavra grega asynetos descreve o homem que é incapaz de aprender as lições da experiência. Trata-se da pessoa culpada de grande sandice, que se recusa a usar a mente e o cérebro que Deus lhe deu.
  19. Pérfidos – A palavra grega asynthetos descreve a pessoa que não é confiável. É aquele desonesto em quem não se pode confiar.
  20. Sem afeição natural – A palavra grega astorgos significa sem amor à família. Trata do desamor dos pais aos filhos e dos filhos aos pais. É a falta de afeto entre os irmãos de sangue. A prática abusiva de abortos e os crimes familiares apontam para a gravidade desse pecado em nossos dias.
  21. Sem misericórdia – A palavra grega aneleemon retrata a pessoa implacável, sem piedade, que fere e mata o outro sem compaixão.
Curta-nos no Facebook

Conclusão

Depois de descrever com cores fortes e vividas o estado de decadência da sociedade, Paulo faz duas afirmações ainda mais chocantes:

1) Os homens pecam conscientemente. “Ora conhecendo eles a sentença de Deus, de que são passíveis de morte os que tais coisas praticam não somente as fazer…” (Rm 1.32ª). As pessoas agem sabendo que estão agindo errado. Elas sufocam a verdade, abafam a voz da consciência, mas no íntimo sabem que aquilo que praticam é um ato de rebeldia contra Deus e passível de punição.

2) Os homens aplaudem os que praticam as mesmas coisas. “…mas também aprovam os que assim procedem” (Rm 1.32b). Amados vejam a atualidade das Escrituras. Não foi exatamente isto que o STF fez esta semana? A sociedade se mostra orgulhosa e até entusiasmada pelo pecado. O nível mais baixo da degradação moral de uma sociedade é quando ela não apenas pratica o mal, mas também o incentiva e aplaude. Esse é o clímax da perversidade. É isso que vemos todos os dias na televisão, nos outros meios de comunicação e o pior de tudo, no “guardião” da Constituição Federal – o STF.

O Eterno tenha misericórdia de nós,

por: Pr Marcelo Oliveira

Bibliografia: Wiersbe, Warren. Comentário Expositivo. Geográfica Editora

Rienecker, Fritz; Rogers, Cleon. Chave lingüística do NT

Lopes, Hernandes Dias. Romanos. Ed. Hagnos

Barclay, William. Romanos, p. 45-51

Davareloim /Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 17:05


O bispo Edir Macedo reproduziu em seu blog o email que uma filha de um pastor da Igreja Universal enviou à Márcia Panceiro, esposa do bispo Romualdo Panceiro, em que ela relata desde traumas de infância, rebeldia na adolescência, até envolvimento com o diabo.

No email, ela se identifica como Camila Martins, 18 anos, e pede que a Márcia auxilie outros jovens em situação como a dela, pois “muitos filhos de pastores sofrem sozinhos, seus pais nem desconfiam, como os meus também não sabiam”.

Entre os relatos, afirma que quando tinha 5 anos de idade, foi abusada por um parente, que tinha 10 anos na época, e que a partir disso, passou a sentir nojo de homens e a cultivar o ódio: “Eu comecei a ter muito ódio de Deus, pois eu dizia que o culpado do meu sofrimento era Ele. Odiava este meu parente, era revoltada, sentia nojo e ódio dos homens”.Camila relata que uma amiga a apresentou ao diabo e ela passou a fazer pedidos a ele, e em determinada fase de sua vida, passou a ser abusada sexualmente por demônios: “Masturbava-me todos os dias. E o fato de começar a fazer estes pedidos ao diabo me custou caro. Comecei a ser abusada pelos encostos, diariamente, era horrível e não era apenas um, eram vários, pois aquilo demorava muito tempo, e repetia-se por várias vezes na madrugada. Não os via, mas os sentia por completo”.

A jovem conta que após ter deixado seu ódio a Deus de lado, passou a buscar a libertação e que agora, pode ajudar outros: “Não tenho relações com os demônios, e agora posso ajudar as pessoas que sofrem, como eu sofri. Filhos de pastores que sofrem, que estão no mundo da prostituição, dos vícios, do homossexualismo, e não conseguem se libertar”.

Confira abaixo a íntegra do email publicado pelo blog do bispo Edir Macedo:

Olá, dona Márcia!
Por meio deste e-mail, gostaria de relatar meu testemunho. Meu nome é Camila Martins, tenho 18 anos, sou filha de pastor e estou como obreira há 3 anos.

Eu tinha 3 anos quando meus pais entraram na obra. Aos 5 anos de idade, fui abusada por um parente, na época, ele tinha 10 anos. Aos 7 anos, eu comecei a passar por grandes problemas espirituais. Via vultos, ouvia vozes, tinha diversos pesadelos, era uma criança nervosa, não conseguia me relacionar com as outras crianças e nem me desenvolver na escola. Os professores diziam aos meus pais que eu precisava da ajuda de psicólogos.
Além disso, tinha problemas de saúde, como dores fortíssimas de ouvido e queda de cabelo. Os médicos não descobriam as causas e os remédios não resolviam.

A partir dos 13 anos, os problemas se agravaram e os traumas voltaram com mais força. Eu comecei a ter muito ódio de Deus, pois eu dizia que o culpado do meu sofrimento era Ele. Odiava este meu parente, era revoltada, sentia nojo e ódio dos homens.

Lembro-me de uma situação que meu pai estava saindo comigo da IURD, e um pastor, amigo dele, veio cumprimentar-nos com um abraço, quando senti aquele cheiro de homem tive vontade de vomitar, mas me segurei. Apesar de ser um amigo da família, companheiro de fé, de obra, eu o rejeitava pelo fato de ser homem.

Na escola, eu passei a ser diferente, comecei a me vestir como um menino, falar muitos palavrões, mentir, falsificar assinaturas do meu pai para sair cedo, além de odiar os garotos do colégio.

Na IURD, eu era diferente. Vestia-me bem, comportava-me, mas não gostava de assistir as reuniões, principalmente as de sexta-feira. Eu tinha tanto ódio, era tão debochada, que em um domingo, assistindo a reunião, na hora em que o pastor estava buscando o Espírito Santo, eu cruzei os meus braços e fiquei de olhos abertos. No final da reunião, uma obreira veio conversar comigo, me falou para aceitar a Jesus e que eu não esperasse chegar o dia mau para buscá-Lo. Eu simplesmente me levantei e dei as costas para ela. A partir daquele momento, minha vida só andou para trás, o que era um trauma do passado, passou a ser uma realidade diária.

De uma semana para a outra, minha cabeça virou e me aproximei dos garotos da escola, bem mais velhos. Queria ser como eles, no jeito de falar, de me comportar e me vestir. Entrei para o time de futebol da escola, e comecei a gostar de uma garota também.

Não tive um relacionamento com ela por medo de que a IURD descobrisse e mandasse meus pais embora, esse era meu pensamento, e não pelo fato de ser algo abominável a Deus.

Um dia, esta mesma garota me apresentou um deus que poderia servir-me e atender a tudo o que eu pedia. Eu sabia que ela estava falando do diabo, mas mesmo assim comecei a seguir os conselhos dela e um dia fiz um pedido ao diabo. Eu tinha ódio de um rapaz (eu tinha ódio de todo mundo), e eu pedi para que ele sofresse um acidente de moto e quebrasse a perna direita, dito e feito, no dia seguinte, isto aconteceu.
Até mesmo as pessoas na escola diziam que eu precisava de Deus, e eu sempre respondia: “Eu não preciso desse cara, pra Ele tomar posse da minha vida, Ele vai ter de provar que é muito bom”.

O tempo foi passando, eu já estava no vício da pornografia, filmes, revistas, internet, entre outros. Masturbava-me todos os dias. E o fato de começar a fazer estes pedidos ao diabo me custou caro. Comecei a ser abusada pelos encostos, diariamente, era horrível e não era apenas um, eram vários, pois aquilo demorava muito tempo, e repetia-se por várias vezes na madrugada.
Não os via, mas os sentia por completo, como se fosse um homem, um ser humano mesmo, eu ficava incapaz de reagir, gritar ou ter alguma ação. Eu era triste, nervosa, chorava muito e não contava a ninguém o que se passava, nem para os meus pais. Sabia que Deus poderia me tirar daquela situação, mas o ódio que eu tinha era tão grande que não aceitava servir a Deus, era algo muito triste.

Porém, houve um dia, na hora em que fui dormir, já sabendo que eles viriam e abusariam de mim novamente, eu chorava, estava tão cansada de toda aquela situação, deitada na cama, me lembrei daquela obreira, das suas palavras, e clamei o nome de Jesus, eu chorava como uma criança e pedia que Jesus me salvasse.

Naquele dia, eu dormi e fiquei em paz, depois disso ainda demorei ainda um pouco para reconhecer que realmente Jesus tinha o poder de me salvar. Após 2 meses, mudamos de IURD e fomos para a João Dias, lá decidi entregar-me para Jesus. Passei a ir todos os dias à igreja, todos os dias mesmo, buscava minha libertação, buscava o Espírito Santo sem medo nem vergonha dos outros filhos de pastores, obreiros etc.

Em 4 meses, eu me libertei e fui batizada com o Espírito Santo, porque entendi que o Espírito de Deus era a garantia de que nunca mais eu cairia, mas para recebê-Lo tive de fazer algo que era impossível para mim, perdoar! Eu perdoei este rapaz que abusou de mim e perdoei as demais pessoas. Aí sim, fui batizada com o Espírito Santo. Tudo mudou, tudo!

Hoje sou uma nova pessoa, não sou nervosa, não sou rebelde, não tenho doenças, os traumas do passado não têm mais efeito na minha vida. Não tenho medo, angústia ou tristeza. Não tenho os vícios de pornografia e masturbação para preencher o vazio. Não tenho relações com os demônios, e agora posso ajudar as pessoas que sofrem, como eu sofri.

Filhos de pastores que sofrem, que estão no mundo da prostituição, dos vícios, do homossexualismo, e não conseguem se libertar. Obreiras que são mulheres de Deus, mas que sofrem um trauma no passado e, mesmo sendo novas criaturas, ainda não sabem lidar com isso.

Dona Márcia, é importantíssimo o auxílio a estas pessoas, pois, muitos filhos de pastores sofrem sozinhos, seus pais nem desconfiam, como os meus também não sabiam.

Hoje, posso dizer que não há nada mais importante do que ter a vida nas mãos de Deus, nem o amor de pai, de mãe, de irmão, ou de uma paixão pode se comparar ao amor de Jesus!

Um beijo.
Deus abençoe a senhora mais e mais!

Colaboração: Márcia Panceiro

Gospel + / Portal Paodm

publicado por institutogamaliel às 17:03


cama pole dance pulpito 253x155 150x150 Pastor leva cama e pole dance para o púlpito para encorajar os fiéis a fazerem mais sexo

O pastor Mike Scruggs da igreja “Light of Word Ministries” localizada em Thite Oak, no Estado de Ohio, Estados Unidos, virou manchete dos jornais locais por colocar um cama e um pole dance no púlpito para incentivar os casais a terem uma vida sexual mais ativa.

Os objetos fazem parte de uma série de sermões sobre sexo e relacionamentos que começaram a ser abordados no domingo (1) em uma campanha intitulada de “Batalha dos Sexos”.

Para falar sobre a diferença entre os homens e as mulheres o pastor colocou de um lado da cama equipamentos esportivos, vídeo games e um pole dance para representar o desejo masculino. Do outro lado ele colocou doces, ursos de pelúcia, rosas e uma garrafa de vinho para representar o desejo das mulheres.

A cama e o pole dance vão ficar no púlpito durante todo o mês de abril para que o pastor possa ministrar sobre as melhores práticas sexuais no quarto para manter a intimidade sexual do casal viva.

“Hoje mesmo temos muitas pessoas casadas fazendo muito sexo enquanto outras não fazem sexo o suficiente”, disse o pastor Mike Scruggs. Ele vai incentivar os casais a lerem o livro “Sexperiment” pelo casal Ed and Lisa Young que fala sobre sete dias de intimidade.

Scruggs está ciente que muitos frequentadores se sentirão ofendidos com a mensagem, mas para ele a igreja tem obrigação de falar sobre o tema. “Nós mostramos a verdade, não tiro isso do contexto. Algumas pessoas dizem, ‘ele vai para o inferno, ele está errado’, mas nós queremos conversar sobre isto’, disse ele.

Traduzido e adaptado de Christian Post por Gospel Prime

publicado por institutogamaliel às 17:01
tags:


sexo casal Casamento e sexo
Um dos assuntos que mais desperta interesse em nosso trabalho com casais é, sem dúvida, a questão do sexo e da própria sexualidade no contexto do casamento cristão.

Algumas considerações são importantes para os casais crentes desfrutarem o melhor do relacionamento sexual.

Saiba que sexo e sexualidade são coisas distintas
Muitas pessoas pensam que sexo e sexualidade são as mesmas coisas. Errado. A sexualidade está presente desde o nascimento e nos acompanha até a velhice. Já as relações sexuais, de acordo com a Bíblia, devem acontecer no contexto do casamento. Viver bem a sua própria sexualidade (gosta de si mesmo, do corpo, de ser homem ou mulher) é meio caminho andado para uma satisfatória vida sexual.

Entre quatro paredes, tudo é permitido?
Não. Tudo é permitido quando não fere os princípios bíblicos da sexualidade conjugal. Por exemplo, pornografia, atitudes egoísticas e práticas abusivas e humilhantes não devem fazer parte da experiência sexual do casal cristão.

Leia livros
Existem excelentes livros sobre sexualidade cristã que deveriam ser lidos por todos os casais cristãos. Citamos três deles: O ato conjugal (Editora Betânia), Sexo e sexualidade e Dinheiro, sexo e poder (Editora Mundo Cristão). Livros ajudam nas dúvidas, no conhecimento dos aparelhos reprodutores masculinos e femininos, na psicologia masculina e feminina.

Não separe sexo e espiritualidade
Um dos maiores erros que um casal cristão pode cometer é separar estes dois temas no casamento. Certa vez ouvi de um casal confessando que quando tinha relação sexual com sua esposa a impressão que ficava é que Deus se retirava do quarto. Deus criou o sexo, homem e mulher, e deseja que os cônjuges desfrutem todo o prazer que o sexo pode oferecer. Agradeça e peça a bênção de Deus para esta área do casamento.

Saia da rotina
Um dos assassinos da vida sexual do casal é a monotonia. É possível planejar e executar relações sexuais diferentes, criativas de forma aceitável e que não maculem a vida sexual do casal.

Entenda que as relações sexuais são dinâmicas
No casamento as relações sexuais são diferentes. Uma relação nunca é igual a anterior. Um dia a relação pode ser um pouco mais “quente”, noutro não.

Não restrinja sexo a “penis e vagina”
Restringir sexo a estes dois órgãos é diminuir toda sua amplitude e beleza. Beijar, andar de mãos dadas, trocar palavras de carinho fazer parte da vida sexual de um casal.

Conversem sobre sexo
Conversem sobre ritmos, freqüência, intensidade, toques que dão prazer, atitudes que não agradam, posições e tantos outros temas ligados à vida sexual. Um cônjuge não é obrigado conhecer os pensamentos e sentimentos do outro.

Se esforce para melhorar a vida sexual
Tentar melhorar a vida sexual no casamento é tão sagrado quanto estudar a Bíblia e orar. Se há algum problema de ordem emocional ou física, procure conversar com o cônjuge. Caso a conversa não seja suficiente, procure ajuda de terceiros, por exemplo, conselheiro cristão, psicólogo, sexólogo ou um médico.

por: Gilson Bifano

Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 16:59



casal cama 300x150 Sexualidade Cristã   o que pode?

Este é um assunto polêmico, onde há muitas contradições teológicas. Queremos expressar nossa opinião por aquilo que entendemos na Bíblia:

Crente pode ir ao motel?

“Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros.” – Hb 13.4 – ARA.

O problema do motel não é a cama e o ambiente em si, que está cheio de mácula.

A Bíblia diz que o leito cristão deve ser sem mácula. Muitos afirmam que a palavra “leito” neste versículo significa casamento, tanto que a Bíblia na Nova Tradução da Linguagem de Hoje, tem no lugar da palavra leito, a palavra “casamento”. De qualquer forma, o problema não está só na cama, mas no ambiente promíscuo em si, e de certa forma, infestado por espíritos de pornografias e imoralidades.

Porém a santidade no relacionamento sexual não está em fazer amor somente em casa, mas está na motivação e na maneira em que é feito. Somos a favor que o casal tenha momentos a sós para namorarem. Podem fazer isso passando um fim de semana num bom hotel. Dessa forma terá um belo passeio também.

Sexo oral e sexo anal é pecado?

Muitos estudiosos da Bíblia afirmam que a Bíblia não trás nenhuma proibição sobre o sexo oral e o sexo anal. Mas analisando o texto de Rm 1.26, percebe-se que Paulo trás uma referência sobre essa questão:

“Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza;”

Alguns afirmam que a expressão “contrário a natureza”, refere-se ao lesbianismo, mas trata-se de relações sexuais inadequadas, afinal cada parte do corpo tem a sua função específica. Boca foi feita para comer e para beijar e ânus para defecar!

Por outro lado existem várias citações em Cantares, onde alguns dizem tratar-se de um relacionamento com sexo oral. Em Ct 7.2 lemos:

“O teu umbigo é taça redonda, a que não falta bebida; o teu ventre é monte de trigo,cercado de lírios.”

Referem-se ao umbigo, como o órgão sexual feminino.

A Bíblia não trás dessa forma, mas de qualquer maneira, cada casal deve ter sua interpretação bíblica e direção própria de Deus.

Também, observa-se no livro de Cantares, um envolvimento sexual empolgante entre marido e esposa, com citações de românticas de carícias. Vejamos em Cantares 7.6-9, na NTLH:

“Como você é linda, minha querida! Como você me dá prazer! Como é agradável a sua presença! Você é tão graciosa como uma palmeira; os seus seios são como cachos de tâmaras. Vou subir na palmeira e colher os seus frutos.

Os seus seios são para mim como cachos de uvas.

A sua boca tem o perfume das maçãs, e os seus beijos são como vinho delicioso.”

As carícias não são pecado e podem acontecer na relação sexual. O homem pode beijar e acariciar as partes intima da mulher, e a mulher pode fazer o mesmo ao homem.

A relação sexual deve ser empolgante, cheia de amor e envolvimento, do tipo “filme romântico”, mas tudo dentro dos padrões bíblicos e não mundanos. É complicado um casal sair da Igreja e ir para a cama cheia de apetrechos e fantasias sexuais.

Um casal deve-se amar sim, com bastante intensidade, mas tudo dentro dos padrões de Deus, pois afinal, a Bíblia diz que os olhos do Senhor estão sempre nos observando (Sl 33.18 e Sl 139), mesmo entre quatro paredes.

De qualquer maneira, peço que orem para terem a direção de Deus sobre o assunto. Que o marido saiba respeitar a opinião e restrição da esposa, e a esposa do marido.

Para que a relação seja abençoada, deve ter o consentimento dos dois, pois em uma verdadeira relação de amor, não há constrangimento e nenhuma ação forçada.

Sobre o sexo anal, além de ser extremamente contrário a natureza, trás problemas para a saúde da mulher.

Masturbação é pecado?

A Bíblia não trás nenhuma orientação sobre a masturbação. Alguns dizem que a passagem de Gn 38.9-10, trata da masturbação como pecado:

“Sabia, porém, Onã que o filho não seria tido por seu; e todas as vezes que possuía a mulher de seu irmão deixava o sêmen cair na terra, para não dar descendência a seu irmão. Isso, porém, que fazia, era mau perante o Senhor, pelo que também a este fez morrer.” ARA.

Na verdade essa passagem trata do pecado encerrar a descendência do irmão.

O grande problema da masturbação está na “concentração do ato”. Ninguém se masturba pensando num carro ou na dívida, os pensamentos estão voltados naquilo que excita geralmente a pornografia ou outra mulher.

Pornografia é pecado?

“Senhor, tu me sondas e me conheces. Sabes quando me assento e quando me levanto; de longe penetras os meus pensamentos.” Sl 139.1-2 – ARA.

Ao se envolver com a pornografia, o pensamento é dividido com os personagens pornográficos. A mente viaja nas fantasias criadas e a memória é aguçada de forma que qualquer coisa chama a atenção para o sexo. Alguns se tornam aquele tipo de homem que não consegue tirar o olho das mulheres, e algumas mulheres começam a fantasiar coisas. A pornografia é a semente do adultério.

Podemos fazer sexo durante a menstruação?

“E o homem que tiver relações com a mulher durante a menstruação ficará impuro sete dias; e qualquer cama em que ele se deitar ficará impura.” Lv 15.33 – NTLH.

A Bíblia é bem clara ao dizer que o sexo não pode ser feito durante a menstruação. Por ser uma instrução do Antigo Testamento e fazer parte da Lei, muitos entendem que não se aplica para nós nos dias de hoje. De fato se analisarmos todo o texto, veremos que realmente devemos considerar a graça. Fisiologicamente, não há problema, porém sabemos que não é nada higiênico. Cabe a cada casal a decisão.

casaisnaplenitude / Portal Padom


publicado por institutogamaliel às 16:58
tags:


biblia sexo Razões (Bíblicas) Pelo Sexo

Seria difícil achar um assunto mais polêmico do que o sexo. Para alguns, “sexo” é um palavrão. Quanto menos se fala sobre o assunto, melhor. Esta “sexofobia” leva a atitudes não-saudáveis quanto ao sexo. Para outros, a própria palavra “sexo” é como ima: colocá-la na capa de uma revista ou em luzes de néon, e os olhos são atraídos naturalmente. Observando a nossa cultura, teríamos que concluir que somos “sexo-maníacos”: preocupados com e absorvidos pela nossa sexualidade.

O sexo também gera controvérsias em círculos religiosos. Em algumas religiões, o sexo se justifica somente pela reprodução da espécie, quase se tornando algo sujo fora esta intenção. Historicamente, seitas e religiões pagãs têm feito do sexo uma parte integral de adoração aos deuses ou a um líder carismático. A igreja evangélica, apesar da sua teologia geralmente sã com respeito ao sexo, tem sofrido golpe após golpe justamente por causa da promiscuidade e imoralidade de alguns de seus líderes.

À luz desta polêmica e confusão, cabe a nós uma reflexão séria e bíblica com respeito ao sexo. O que a Bíblia ensina sobre o sexo? Especificamente, qual o propósito do sexo, e qual deve ser a atitude do cristão com respeito a sua sexualidade? Existem pelo menos quatro razões bíblicas pelo sexo:

1. O sexo existe para promover intimidade total (conhecimento mútuo) entre duas pessoas.

Não é por acaso que o texto bíblico se refere ao sexo quando diz que “Adão conheceu a Eva, e ela deu à luz um filho . . .” (cf. Gn 4:1, 25). Infelizmente, algumas Bíblias não mantêm este eufemismo, assim perdendo a riqueza da palavra “conheceu”. O ato sexual é um evento em que duas pessoas se abrem totalmente uma para a outra, tornando-se totalmente vulneráveis, mas ao mesmo tempo dando continuidade a um processo de compreensão mútua.

Ao mesmo tempo, como muitos casais casados podem testemunhar, o bom andamento da vida sexual do casal exige um conhecimento mútuo cada vez maior. Muito mais do que um ato bestial e biológico, o sexo verdadeiro aos olhos de Deus é uma experiência que exige conhecimento íntimo, e que gera conhecimento mútuo. Por isso a vida sexual do casal deve crescer em significado e profundidade ao longo de um casamento. Não deve ser monótono ou cansativo, como alguns vendedores de sexo ilícito querem que acreditemos.

O “sexo livre” realmente barateia este aspecto da união física entre duas pessoas. Em vez de conhecimento mútuo e intimidade profunda, encontramos falsidade, hipocrisia, exploração e prostituição, produtos de sexo “animal” que não significa muito mais do que o coito de bichos.

Este é o problema também com contato físico precoce entre dois jovens, seja no “ficar” ou no namoro descuidado. Deus criou o homem e a mulher de tal forma que cada degrau na escada de intimidade física leve para o próximo. Intimidade física entre duas pessoas certamente tem seu lugar: no casamento (Hb 13:4)! Antes de firmar aliança, começar a subir a escada só pode resultar em uma de duas conseqüências: fornicação ou frustração. Isso porque Deus é quem fez a atração física. Dar um curto circuito no processo frustra; avançar até o topo perverte o propósito de sexo. Em ambos os casos o melhor remédio é abster de intimidades físicas até o casamento.

2. O sexo existe para o prazer e a satisfação de desejos profundos no ser humano.

Quando Adão foi criado, Deus lhe deu a tarefa de dar nomes para os animais. Sozinho, ele completou a tarefa, que mostrou-lhe um fato alarmante. Depois que todos os animais haviam desfilado na frente do homem, ele percebeu que todos tinham seus pares, “para o homem, todavia, não se achava uma auxiliadora idônea” (Gn 2:18). Por isso é que Deus falara “Não é bom que o homem esteja só . . .” .

É interessante notar que o homem não estava literalmente sozinho. Havia cachorros e gatos no Jardim com os quais podia manter algum tipo de companheirismo. O próprio Deus estava com ele, e iria andar com ele diariamente ao anoitecer. Mas eram relacionamento verticais-o homem acima dos animais, e Deus acima do homem. Não eram suficientes para suprir desejos bem mais profundos para um relacionamento horizontal de companheirismo. Deus deu ao homem alguém que fazia parte dele para desfrutar de intimidade e comunhão com ele, assim satisfazendo seus desejos mais profundos. O ato sexual é a consumação da satisfação e do prazer desta comunhão.

Curta-nos no Facebook

Provérbios 5 aconselha o casal casado a procurar esta satisfação mútua como forma de evitar a imoralidade: Bebe a água da tua própria cisterna, e das correntes do teu poço. . . Sejam para ti somente e não para os estranhos contigo. Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade, corça de amores, e gazela graciosa. Saciem-te os seus seios em todo o tempo; e embriaga-te sempre com as suas carícias” (Pv 5:15-19). O livro de Cantares foi escrito para exaltar a beleza de amor romântico e sexual dentro do plano matrimonial de Deus. Estes textos certamente desmentem a idéia de que o sexo por prazer está fora da vontade de Deus!

O Novo Testamento ecoa este aspecto de satisfação sexual mútua no casamento. O apóstolo Paulo alista desejos sexuais como uma das principais razões por que casar-se (“é melhor casar do que viver abrasado”, 1 Co 7:9). Também adverte os casais a não absterem por muito tempo da união sexual “para que Satanás não vos tente por causa da incontinência” (7:5).

3. O sexo existe para refletir aspectos da imagem de Deus no ser humano.

Muito mais importante que todas as razões citadas acima é o fato de que existe profunda relação entre a sexualidade humana e a teologia. Ou seja, o casal casado tem o privilégio de refletir um pouco do próprio ser de Deus.

“Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou”(Gn 1:27). “Homem e mulher os criou” (à imagem de Deus) significa que o casal como casal revela aspectos profundos da Pessoa de Deus. O casal espelha unidade em diversidade, assim como vemos na Santa Trindade, onde há três pessoas distintas, com funções diferentes, mas com harmonia total.

O casal também reflete a imagem de Deus através da intimidade de seu relacionamento. Há aspectos da personalidade de Deus, seus atributos, que somente se vêem em comunidade, tais como amor incondicional, bondade, longanimidade e misericórdia. Deus criou o casal, e deu-lhes o sexo, como forma de demonstrar esta união de “dois-em-um” com amor incondicional.

Por isso Deus odeia aberrações sexuais– sujam sua imagem aqui na terra! O plano de Deus exige que uas pessoas do sexo oposto, porém unidas por “aliança”, se unam para refletir essa unidade em diversidade. Qualquer relacionamento sexual que não seja entre um homem e uma mulher casados implica em jogar grafiti na imagem de Deus. Homossexualismo (unidade sem diversidade), prostituição (unidade sem aliança), pornografia (exploração), e até o “ficar” (exploração sem compromisso) são todas aberrações que pervertem a imagem de Deus e o plano dEle para nossa sexualidade. Não é que Deus quer acabar com a “festa”; Ele quer proteger a Sua imagem.

4. O sexo existe para a procriação de novas imagens de Deus, e do casal.

Infelizmente alguns no decorrer dos séculos têm limitado o propósito do sexo para a reprodução da espécie. Embora procriação não seja o único propósito para o sexo, certamente é um propósito. É interessante que o primeiro mandamento na Bíblia tem a ver com o sexo e a reprodução: “Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e sujeitai-a . . . ” (Gn 1:28).

Precisamos valorizar o significado teológico por trás desta ordem. Deus queria que a imagem dele, espelhada no homem e na mulher, fosse espalhada no mundo inteiro! Antes da queda, a união de Adão e Eva teria reproduzido pequenos espelhos da Pessoa de Deus, e também do amor do casal. Depois da queda a imagem ainda se vê, mas agora de forma ofuscada. Somente em Cristo Jesus é que esta imagem pode ser resgatada e o homem feito uma “nova criatura”. Por isso a experiência sexual de um casal de cristãos, redimidos pelo sangue de Jesus e vivendo uma vida em comunhão com Deus e um com o outro, deve ultrapassar por muito a imitação pobre oferecida pelo mundo. Este é o plano de Deus!

Como se o prazer da intimidade sexual em si não fosse suficiente, muitas vezes Deus dá “graça sobre graça”: filhos feitos não somente à imagem de Deus, mas à imagem do casal! “No dia em que Deus criou o homem, à imagem de Deus o fez; homem e mulher os criou, e os abençoou, e lhes chamou pelo nome de Adão, no dia em que foram criados. Viveu Adão cento e trinta anos, e gerou um filho à sua imagem, e lhe chamou Sete (Gn 5:1-3). A procriação de novas imagens de Deus e novas imagens dos pais é um dos propósitos mais sublimes do sexo do ponto de vista de Deus.

Apesar de toda esta beleza no propósito de Deus para a sexualidade, temos que admitir que o sexo não é tudo na vida do cristão. Infelizmente, nosso inimigo, o “sedutor de todo o mundo” (Ap 12:9) tem alcançado suas maiores vitórias contra a igreja de Jesus Cristo justamente neste ponto. Temos engolido as propagandas, revistas, novelas e piadas sujas que o mundo circula, barateando uma das mais sublimes e belas criações de Deus. O sexo tem seu lugar, mas não ocupa todo lugar! Devemos louvar a Deus pela sua sabedoria e bondade, por ter criado o sexo e dado-o ao homem. Mas vamos manter equilíbrio, não sendo sexofobíacos, nem sexomaníacos. Vamos louvar ao Criador, e não à sua criação.

por: Pr. Davi Merkh

Amo Família / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 16:57
tags:



familia feliz O propósito de Deus para a família cristã Deus, em sua infinita bondade, quer que todos os seres se façam sua imagem e semelhança para assim herdar o Reino dos Céus. Para isso, desde o ínicio dos tempos, fez um propósito para que todas as famílias se tornem seguidoras de seus ensinamentos.
Após criar Adão e Eva, Ele os uniu como marido e mulher, abençoou-os e então lhes disse: “Frutificai e multiplicai-vos; enchei a Terra e sujeitai-a.” Gênesis 1:28. Era propósito de Deus que a Terra fosse povoada com seres criados à Sua própria imagem, compondo famílias que trariam glória a Ele e se tornariam membros da família maior no céu. Isaías 45:18; Efésios 3:14 e 15.
Apesar de o propósito original de Deus haver sido posto de lado como resultado do pecado humano, seu cumprimento final é certo. Romanos 8:28; Apocalipse 21:3 e 5.A família é o princípio da sociedade

A família cristã é aquela em que Deus é reconhecido como objeto supremo de adoração. Ele é a cabeça, protetor, guia e instrutor de famílias assim. A família cristã é a menor unidade orgânica da igreja de Deus na Terra. Mateus 18:20. Também é escola onde seus membros são professores e alunos que compartilham conhecimento e aprendem uns com os outros. A Palavra de Deus, juntamente com o livro da natureza, deve ser a principal fonte de instrução na escola da família. O objetivo da empresa familiar deve ser preparar seus estudantes para utilidade nesta vida e graduá-los para a escola de cima. Deuteronômio 6:4-9; Salmo 128:1-6.Uma obra especial de restauração na família foi profetizada para ter lugar antes da segunda vinda de Cristo. Malaquias 4:5 e 6.

I – O marido e pai

O marido cristão, como pai e sacerdote da família, é seu protetor, instrutor, guia e provedor. Gênesis 3:19; 1 Coríntios 11:3. Essa é a função atribuída a ele por Deus. Ele é responsável pelo bem-estar espiritual, mental e físico de sua família. Efésios 6:4; 5:28-31 e 33; 1 Timóteo 5:8; 1 Pedro 3:7.

Em conjunto com sua esposa, deve ensinar os filhos a amar e obedecer a Deus, e criá-los para utilidade nesta vida e na vida porvir, de acordo com as instruções dadas na Bíblia. Como sacerdote na família, o pai é o chefe responsável pela instrução e treinamento religioso dos filhos. Também é o dirigente dos cultos de adoração matutinos e vespertinos. Gênesis 18:19; 35:2-4; Josué 24:15; Colossenses 3:21.

II – A esposa e mãe

A esposa cristã, como mãe, é a principal instrutora dos filhos na família, especialmente em seus tenros anos. Tem grande e importante responsabilidade em instruí-los e educá-los de acordo com as instruções dadas na Palavra de Deus. Juntamente com o marido, é responsável pelo bem-estar espiritual, mental e físico, e por desenvolver nos filhos caráter em semelhança divina para o tempo e a eternidade. Enquanto o pai é o “laço de união da família”(1), a mãe é a gerenciadora do lar. Provérbios 31:10-31; Efésios 5:22-24, 33; 1 Tessalonicenses 5:23; 1 Timóteo 5:4; Tito 2:4 e 5.

III – Os filhos

Os filhos são herança do Senhor. Salmo 127:3-5; Provérbios 17:6. São o futuro da sociedade e da igreja de Deus na Terra. Foram confiados a pais e mães com o objetivo de serem instruídos e educados por eles para se tornarem membros da família de Deus no céu, e membros úteis da sociedade enquanto aqui na Terra. Salmo 144:12; Isaías 8:18. Os filhos devem aprender a amar, honrar e respeitar seus pais e a obedecer-lhes como apropriado no Senhor. Êxodo 20:12. Devem também aprender a amar e obedecer a Deus, e a respeitar ministros, professores, autoridades e todos os outros a quem Deus delegou autoridade. Os filhos devem ser educados e motivados a preparar-se para se tornarem coobreiros de Deus na Terra, aprendendo trabalhos e/ou profissões que possam ajudar a promover Seu reino e apressar a vinda de Cristo. Levítico 19:32; 2 Reis 2:23 e 24; Salmo 78:2-7; Provérbios 22:6; Efésios 6:1-3; Colossenses 3:20.

“Deus criou o homem para Sua própria glória, para que depois de testada e provada, a família humana pudesse tornar-se uma com a família celestial. Era o propósito de Deus repovoar o Céu com a família humana, caso se mostrasse obediente a toda Palavra Sua. Adão devia ser provado, para ver se seria obediente como os anjos fiéis, ou desobediente.”

“Nos tempos primitivos o pai era o governador e sacerdote da família. Exercia autoridade sobre os filhos, mesmo depois que estes tinham a própria família. Os descendentes eram ensinados a considerá-lo como chefe, tanto em assuntos religiosos como seculares. Abraão esforçou-se por perpetuar esse sistema de governo patriarcal, já que o mesmo favorecia a conservar o conhecimento de Deus. Era necessário ligar os membros da casa conjuntamente, para ser edificada barreira contra a idolatria que se havia tornado tão espalhada e profundamente estabelecida. Abraão procurou por todos os meios ao alcance guardar os domésticos de seu acampamento de se misturarem com os gentios e de testemunharem suas práticas idólatras, pois sabia que a familiaridade com os maus corromperia insensivelmente os princípios. O máximo cuidado foi exercido para excluir toda forma de religião falsa, e impressionar o espírito com a majestade e glória do Deus vivo como o verdadeiro objeto de culto.”

“Para que pais e mestres façam essa obra [educar os filhos], eles próprios devem compreender ‘o caminho’ em que a criança deve andar. Isso abrange mais que mero conhecimento de livros. Envolve tudo quanto é bom, virtuoso, justo e santo. Compreende a prática da temperança, piedade, bondade fraternal e amor para com Deus e de uns para com os outros. A fim de alcançar esse objetivo, é preciso dar atenção à educação física, mental, moral e religiosa da criança.”

“Nunca se pode acentuar demasiado a importância da educação ministrada à criança em seus primeiros anos de existência. As lições aprendidas, os hábitos formados durante os anos da infância, têm mais que ver com o caráter e a direção da vida do que todas as instruções e educação dos anos posteriores.”

“As mães podem ter adquirido conhecimento de muitas coisas, mas não adquiriram o conhecimento essencial, a menos que conheçam a Cristo como Salvador pessoal. Se Cristo estiver no lar, se as mães O tiverem tornado o Conselheiro, educarão os filhos desde a própria infância nos princípios da religião verdadeira.”"A maior prova do poder do cristianismo que se pode apresentar ao mundo, é uma família bem ordenada, bem disciplinada.”

Revista Comunhão / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 16:55
tags:



gênesis josé foge da mulher de potifar 300x224 Corra que o pecado vem aí

"Como, pois,cometeria eu tamanha maldade e pecaria contra Deus? (...) Então, ela o pegou pelas vestes e lhe disse: Deita-te comigo; ele porém,deixando as vestes nas mãos dela, saiu, FUGINDO para fora."

A Bíblia exorta que devemos viver em santidade, porém muitas vezes colocamos desculpa no nosso atual contexto de sociedade para sermos menos santos. Porém, um dos personagens mais admirados das Escrituras ensina o que devemos fazer quando o pecado bate a porta:

E aconteceu depois destas coisas que a mulher do seu senhor pôs os seus olhos em José, e disse: Deita-te comigo.Porém ele recusou, e disse à mulher do seu senhor: Eis que o meu senhor não sabe do que há em casa comigo, e entregou em minha mão tudo o que tem;
Ninguém há maior do que eu nesta casa, e nenhuma coisa me vedou, senão a ti, porquanto tu és sua mulher; como pois faria eu tamanha maldade, e pecaria contra Deus?
E aconteceu que, falando ela cada dia a José, e não lhe dando ele ouvidos, para deitar-se com ela, e estar com ela,
Sucedeu num certo dia que ele veio à casa para fazer seu serviço; e nenhum dos da casa estava ali;
E ela lhe pegou pela sua roupa, dizendo: Deita-te comigo. E ele deixou a sua roupa na mão dela, e fugiu, e saiu para fora.” (Gênesis 39:7-12)

UM ESCRAVO FIEL A DEUS

José é um dos maiores exemplos bíblicos de temor a Deus, percebemos em toda sua história como o Senhor moldou sua vida visando usá-lo como testemunho a todo povo de Israel.

Este acontecimento descrito acima ocorreu após a venda de José pelos próprios irmãos aos mercadores midianitas. Ele foi comprado para ser escravo (modo de produção da época) na casa do oficial da guarda de faraó, chamado Potifar, homem rico e importante no Egito.

A história relata que o Senhor foi muito benigno com José, Deus viu o esforço dele e usou as habilidades que possuia para fazer prosperar na casa de seu senhor. As coisas pareciam ir muito bem para José ao ponto de chegar a ser mordomo na casa de Potifar. O trabalho de um mordomo é de grande responsabilidade e só era dado a pessoas de extrema confiança, pois envolvia cuidar de todos os bens e riquezas de seu senhor.

FIRME PARA NÃO PECAR
Entretanto, a mulher de Potifar passa a ter um desejo doentio por José, ela se insinuava constantemente ao hebreu. Há relatos que as mulheres egípcias daquela época não eram muito confiáveis e a infidelidade conjugal parecia corriqueira.

Quero chamar a atenção para uma das alegações que José utilizou para não se deitar com aquela mulher: “como, pois, cometeria eu tamanha maldade e pecaria contra Deus”. Acho essa resposta uma das mais fascinantes frases da Bíblia, pois não representa apenas uma desculpa qualquer, mas sim a filosofia de vida de José. Ao meditarmos nessa frase percebemos que José não era apenas um homem religioso, mas sim uma pessoa que tinha uma enorme intimidade com o Senhor. José baseava sua felicidade em obedecer a Deus, sua alegria era viver em santidade, por isso ele considerou loucura pecar contra o seu|Deus.

José sabia que era um pecador e por isso quando a mulher de Potifar o agarrou (talvez ela estivesse em trajes sensuais ou até mesmo sem trajes) ele correu e fugiu da presença dela. Ele sabia se ficasse por ali com certeza um pecado grave acorreria.

Quando Potifar soube do acontecido ele deveria ter matado José, pois a acusação dele era muito grave e contra alguém muito poderoso daquela época, mas Potifar resolveu apenas prendê-lo. Provavelmente ele percebeu que aquela situação era muito estranha e que não combinava com o testemunho de vida de seu jovem moderdomo.

A FELICIDADE ESTÁ NA OBEDIÊNCIA A DEUS

A filosofia de vida de José constrasta com a felicidade hedonista pecaminosa no qual o mundo está preso, até em muitas igrejas as pessoas só se sentem felizes se houverem atividades que envolvam os prazeres banais desta vida.

O conceito de felicidade é muito raso, muitos a veem como apenas momentos de alegria ou ter sucesso financeiro ou profissional, porém o crente tem certeza que existe uma fonte de felicidade eterna que traz prazeres indescritíveis. Essa fonte é a certeza da salvação em Jesus Cristo e por isso que José e tantos outros heróis da fé entregaram tudo para servir e obedecer a Deus.

Pense nisso:
Muitas vezes pecamos porque o nosso conceito de felicidade ainda está baseado na filosofia deste mundo, porém aqueles que encontram regozijo na obediência ao Senhor conseguem viver mais facilmente em santidade.

Bíblia Center / Portal Padom

publicado por institutogamaliel às 16:50



publicado por institutogamaliel às 16:48



Igreja inclusiva “Chamados da Última Hora” afirma ser pentecostal e defende liberdade de opção sexual: “mudar e convencer é ação do Espírito Santo”A Igreja Pentecostal Chamados da Última Hora foi fundada em Janeiro de 2012 na cidade de São Luiz, Maranhão, declarando-se ser a primeira igreja inclusiva do nordeste do Brasil.

Durante o culto de inauguração da igreja, que é aberta à prática do homossexualismo, estiveram presentes pessoas de orientação sexual hetero e homossexual, segundo informações da igreja:
“Um dos pontos que diferenciará a igreja das demais já existentes será a verdadeira inclusão religiosa. Pois as igrejas que se dizem inclusivas, a maioria é exclusiva para gays, o que diferencia da nossa visão, temos membros gays, mas da mesma forma temos heteros e o mais curioso é que os heteros são em maior número”, afirmou um dos presentes.

O líder e fundador da Igreja Chamados da Última Hora, identificado apenas como Lucas, afirmou ter o desejo de que a denominação cresça: “A chamados da Ultima Hora é uma igreja que tem a missão de cumprir o ide do Senhor Jesus sem fazer acepção de pessoas, não ser uma igreja de heteros ou gays. Seguimos a linha pentecostal e pregamos santificação ao Senhor independentemente de quem seja. Não temos a obrigação de mudar a sexualidade de ninguém, pois não se trata de cura, opção e nem vontade e sim de algo natural. Nós como igreja do Senhor devemos deixar que Deus decida se Ele aceita a adoração de A ou B. Nossa missão é cuidar, amar, ajudar e aconselhar para o bem;
mudar e convencer é ação do Espírito Santo”, argumenta.
Ainda falando sobre suas convicções, Lucas afirma que as atuais igrejas inclusivas são egoístas, por priorizarem a participação de gays: “Não creio num evangelho inclusivo se o líder constituído por Deus não tem a capacidade de unir as pessoas, não importando a sexualidade. Caso ele se sente apto para organizar apenas uma igreja de uma sexualidade, vejo aí uma visão egoísta com respeito ao Reino de Deus, que é para todos e não apenas para um grupo”, ressalta o líder da Igreja Chamados da Última Hora.

Fonte: CJ Portal Gospel
publicado por institutogamaliel às 16:47



Contra a ordenação de pastores gays, presbiterianos iniciam uma nova denominação

Uma nova denominação evangélica, a “Aliança Evangélica Ordem dos Presbiterianos” (ECO), nasceu no último dia 19 de janeiro, nos EUA. A denominação foi criada por dissidentes da Igreja Presbiteriana, que alegaram que a denominação está muito consumida por seus conflitos internos para conseguir gerar congregações saudáveis.
Durante o lançamento da nova instituição o presidente da ordem de pastores da ECO, John Crosby, deixou claro o rompimento teológico que levou à criação da igreja. Falando sobre a Igreja Presbiteriana ele afirmou: “Sua tenda tornou-se tão ampla que está caindo, pois não tem um mastro no centro. O mastro central é a autoridade bíblica, conforme é entendida pela comunidade ortodoxa e que tem implicações sobre a sexualidade”, afirmou o pastor que esclareceu que a ECO é uma resposta à decisão da Igreja Presbiteriana em permitir pastores gays.
De acordo com informações do Urban Christian News mais de 2.000 pessoas, oriundas de 500 igrejas, participaram do culto de lançamento da ECO, em Orlando, Flórida. A revista independente Presbyterian Outlook, fez uma enquete que indicou que a maioria ainda não decidiu se vai deixar de vez a sua antiga denominação. E em uma declaração conjunta, várias igrejas conservadores afirmaram que não deixarão a denominação Presbiteriana, mesmo reconhecendo que existem discordâncias sobre a ordenação de pastores gays.
A ECO é resultado de questões envolvendo homossexuais, da mesma forma que aconteceu na Igreja Anglicana inglesa, que desde 2003 reconhece os bispos homossexuais, o que acabou gerando uma nova denominação criada pelos que não concordaram com a decisão. A Eco não menciona abertamente a restrição aos gays em seus regimentos, mas seu compromisso declarado com a teologia conservadora indica claramente que o clero gay não será aceito.


Fonte: CJ Portal Gospel
publicado por institutogamaliel às 16:46


fatos hmossexualidade Os Fatos Sobre a Homossexualidade

O que o relato da criação ensina a respeito do estilo de vida homossexual?

Os relatos de Gênesis (Gênesis 1.27; 2.18,21-24) e Mateus 19.4-6 ensinam que Deus criou a humanidade de uma maneira específica (macho e fêmea) com propósitos específicos relativos a isso (casamento, unidade sexual e procriação subentendidos).

O lugar mais adequado para começar uma avaliação bíblica sobre o homossexualismo não é com textos que o rejeitam, mas com textos que sustentam e apóiam essas passagens condenatórias.[1] Essa abordagem de pano de fundo é algo que quase todos os escritores pró-homossexuais falham em suprir.

A consideração do relato da criação é vital por muitas razões. Para começar, é um relato dacriação. Homens e mulheres não são o produto cego de uma evolução ao acaso em que, literalmente, nada é normativo e os indivíduos são livres para escolher sua própria moralidade ou sexualidade. Os homens devem prestar contas ao Deus que os criou; eles não são o produto de uma natureza impessoal que não se importa com o estilo de vida deles.[2]

Abaixo estão cinco razões pelas quais o relato da criação é decisivo para qualquer discussão bíblica sobre a homossexualidade.

Primeiro, a aceitação da homossexualidade viola a ordem e a essência da própria criação humana.

Deus declarou que não era bom que o homem estivesse só. Para remediar essa situação, Ele criou a mulher como complemento divino e contrapartida da masculinidade. A comunhão sexual íntima foi pretendida somente para o homem com a mulher. Isso quer dizer que a homossexualidade distorce e desordena as intenções de Deus na criação e que a prática da homossexualidade contradiz o padrão da heterossexualidade em seu nível mais básico. O estilo de vida homossexual nega e desafia as polaridades do sexo de tal maneira que nem mesmo comportamentos heterossexuais, tais como fornicação e adultério, o conseguem.

Segundo, os homossexuais não podem obedecer ao mandamento de Deus quanto à procriação.

Em Gênesis 1.28, Deus ordenou a Adão, Eva e seus descendentes: “sede fecundos, multiplicai-vos e enchei a terra”. Se Adão tivesse decidido ser homossexual, ninguém jamais teria nascido.

Terceiro, a homossexualidade constitui uma rebelião consciente contra a ordem divinamente criada.

De acordo com Romanos 1.32 e outras passagens bíblicas, os homossexuais sabem que seu comportamento é pecaminoso. A escolha contínua da prática de tal atividade é, portanto, uma rebelião intencional contra Deus e a ordem da criação.

Quarto, a Bíblia está repleta de premissas do relato da criação.

Se a homossexualidade fosse de alguma maneira legítima, as Escrituras não assumiriam uma inclinação heterossexual, mas incluiriam a opção homossexual. Se Deus tivesse a intenção de que o homem fosse bissexual, ou homossexual, ou se Ele tivesse criado o homem andrógino, o fato de criá-lo dessa maneira seria evidente em outros relatos das Escrituras relacionados à natureza do homem. Mas, o único padrão mantido e defendido é o heterossexual. “Do primeiro capítulo de Gênesis até o livro de Apocalipse, o significado duplo de expressão sexual-genital – a saber, procriação e união – é claramente manifesto… Javé é descrito como o noivo fiel, e Israel, como a noiva fiel, indicando que o amor heterossexual pode ser a base para se expressar o mistério de Deus em amar a raça humana… Além disso, o autor de Efésios reitera a mesma verdade revelada sobre a sexualidade humana, no contexto da sublime comparação em que o marido é comparado a Cristo e a mulher à Igreja. Quando o autor deseja descrever o amor que Cristo tem pela Sua Igreja, ele se volta para o amor heterossexual do marido e da mulher. [Efésios 5.25,28].”[3]

Em outras palavras, as Escrituras estão impregnadas com premissas concernentes à adequação da heterossexualidade; por comparação, a homossexualidade está conspicuamente ausente exceto quando se trata de condenação.

Quinto, a homossexualidade distorce a imagem de Deus.

Gênesis 1.27 ensina claramente que a imagem de Deus compreende tanto macho e fêmea – uma complementaridade que é eterna e existirá para sempre. Afirmar que a homossexualidade é bíblica e normal é distorcer a imagem de Deus e, conseqüentemente, insultar a natureza e o próprio Ser de Deus.

Ao entendermos o propósito divino da criação e o fato de que a criação reflete o próprio Ser de Deus, podemos entender mais claramente as razões para as condenações bíblicas da homossexualidade moderna e porque elas são tão rígidas.

O que 2 Pedro 2.1-10 e Judas ensinam a respeito do estilo de vida homossexual?

Essas passagens estão repletas de referências ao homossexualismo e, implicitamente, também ao movimento homossexual cristão. As passagens paralelas ao trecho de Romanos são dignas de nota. Em 2 Pedro 2, observe que o contexto envolve “falsos mestres entre vós” (i.e. dentro da igreja) que ardilosamente introduzem “heresias destrutivas” até mesmo negando o Mestre (Jesus) que os comprou. Note, além disso, que muitos seguirão sua “sensualidade” (v. 2) ou “caminhos vergonhosos”, e por causa de tais mestres o caminho da verdade será “difamado” ou distorcido.

Tais pessoas são consideradas como repletas de ganância e descritas como sendo aquelas que exploram os cristãos com “palavras falsas” ( v. 3) ou “fábulas”.

Até aqui, a passagem é aplicável tanto a homossexuais quanto a “homossexuais cristãos” que promovem os tipos de argumentos que temos considerado no livro Os Fatos Sobre a Homossexualidade. Note também que nessa passagem é a homossexualidade que é diretamente citada como ilustração de todos acima. Sodoma e Gomorra são mencionadas especificamente por terem sido destruídas como “um exemplo para aqueles que viessem a viver vidas impiedosas depois disso.”

O livro de Judas continua a rejeitar a homossexualidade:

“Como Sodoma e Gomorra e as cidades circunvizinhas que, havendo-se entregue à prostituição como aqueles seguindo após outra carne, são postas para exemplo do fogo eterno, sofrendo punição… Ora estes da mesma sorte, quais sonhadores alucinados, não só contaminam a carne, como rejeitam governo e difamam autoridades superiores… Estes, porém, quanto a tudo que não entendem, difamam… Estas são as coisas que os destroem… São estes os que promovem divisões, sensuais, que não têm o Espírito” (Judas 7-19).

Essas palavras dispensam qualquer explicação e requerem pouco comentário.

Examinamos os principais e mais explícitos versículos das Escrituras relacionados ao homossexualismo. Aquele que afirma que a questão bíblica contra a homossexualidade é baseada em alguns textos “isolados” e “obscuros”, simplesmente não entende o peso desses trechos das Escrituras. Além dos versículos acima, há um grande número de versículos adicionais que são aplicáveis às práticas homossexuais apesar do termo em si não ser usado (por exemplo, Romanos 6.11-21; Romanos 12.1-2; 1 Coríntios 6.19-20: Filipenses 1.20; Colossenses 3.5-8, Apocalipse 21.8).

Como se pode deixar o estilo de vida homossexual?

Deixar o estilo de vida homossexual pode ser relativamente fácil ou difícil, dependendo de diversos fatores. O passo mais importante é este – aceitar que o estilo de vida homossexual é moralmente errado e resolver mudar. Como comentamos no livro “Os Fatos Sobre a Homossexualidade”, a mudança é claramente possível para homossexuais que queiram mudar, e Deus concederá graça e poder àqueles que se voltarem para Ele com fé, desejosos de agradá-lO com seu comportamento sexual. Nesse caso, a chave é uma oração de arrependimento diante de Deus, resolvendo deixar o estilo de vida homossexual, o incentivo e o aconselhamento daqueles que já fizeram isso.

Para aqueles que verdadeiramente desejam deixar o estilo de vida homossexual, nós recomendamos a seguinte oração:

Querido Deus:

Eu agora reconheço que a minha homossexualidade tem Te desagradado. Confesso meu pecado diante de Ti e peço o Teu poder e Tua graça para deixar o meu estilo de vida anterior, de forma final e completa. Entendo que o Senhor é Santo e que meu pecado me separou de Ti. Portanto, agora recebo a Cristo como meu Senhor e Salvador pessoal, crendo que Ele morreu na cruz por todos os meus pecados e que ressuscitou dentre os mortos ao terceiro dia. Agradeço-Te que, pela fé no Teu Filho, posso agora saber que todos os meus pecados foram perdoados, – passados, presentes e futuros. Não preciso mais temer o Teu julgamento por causa do que Cristo consumou na cruz. Com a Tua ajuda, eu agora resolvo buscar qualquer ajuda e aconselhamento necessários para obedecer à Tua vontade para a minha vida. Em nome de Jesus, amém.

Aqueles que fizeram essa oração devem entender que a entrega a Cristo é um assunto sério e envolve fazer dEle o Senhor de cada área de sua vida.

Vocês devem saber também que inclinações para o mesmo sexo podem, mas provavelmente não vão, cessar automaticamente.

O pecado da homossexualidade é igual a qualquer outro pecado sexual e requer tempo e paciência para ser vencido. Outro passo importante é um rompimento explícito e permanente de todos os laços com a comunidade homossexual, incluíndo, se necessário, todas as amizades anteriores. Nenhuma brecha de tentação deve ser permitida. Toda rejeição ao pecado equivale à auto-negação e, é claro, é algo doloroso, mas o simples fato da dificuldade não nos isenta da responsabilidade diante de Deus de amá-lO como Ele nos amou. Milhares de homens e mulheres gays testemunharam que existe vitória – vitória completa – e aqueles que acabaram de começar seu novo estilo de vida devem ser encorajados por esse fato.

por: John Ankerberg e John Weldon

publicado por institutogamaliel às 16:45



O pastor Silas Malafaia recebeu apoio da Associação Brasileira de EX-LGBTT (ABEXLGBTT, também conhecida como Abex) formada por ex-homossexuais e travestis que enviaram uma nota de repúdio público contra a ação do procurador federal Jefferson Aparecido Dias que pediu ao pastor assembleiano, que se retrate por suas falas consideradas por ele como homofóbicas.
A Abex também comunica a abertura de um processo administrativo disciplinar contra o procurador pedindo explicações sobre os motivos que o levaram a encarar as declarações do pastor Malafaia como “homofóbicas”.
As declarações em questão foram ditas durante o programa Vitória em Cristo que foi ao ar em julho de 2011 quando o pastor criticou severamente a atitude de manifestantes gays que usaram a imagem de santos católicos durante a Parada do Orgulho Gay de São Paulo. Malafaia disse que a Igreja Católica precisava “baixar o porrete” e “entrar de pau” nos participantes e organizadores, se referindo a mover processos, mas a ABLGBT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) considerou essas frases como homofóbicas.
O grupo de ex-gays acredita que o Ministério Público está atuando em prol do movimento homossexual que não aceita as diferenças de opiniões sobre a homossexualidade. Defendendo Malafaia o documento, assinado pelo ex-travesti Joide Miranda, presidente da Abex, e pelo Dr. Matheus Sathler diz que eles não evitarão esforços para impedir que a doutrinação pró gays venha a ocorrer.
Leia a nota na íntegra:
Nesse sentido, declara que está tomando as devidas medidas legais junto ao Conselho Nacional do Ministério Público para dar início a um pedido de abertura de processo administrativo disciplinar em relação à atuação do procurador Jefferson Aparecido Dias para que explique na ótica do direito positivo pátrio de onde tirou a tipificação alienígena de “declaração homofóbica” em relação a fala do pastor Malafaia.
Por fim, vem declarar com profundo pesar que é extremamente preocupante uma autoridade da República Federativa Brasileira, livre e democrática, estar aparentemente utilizando um órgão tão estimado como o Ministério Público para atuar em prol de um pequeno grupo intolerante e que não aceita as diferenças de opiniões com relação a homossexualidade.
O que nos parece é que uma doutrinação totalitária da sociedade brasileira está aos poucos tentando ser implementada. Mas que com a atuação de homens de coragem, que não temem a própria morte e não se curvam frente ao mal, não evitarão esforços para impedir que tal doutrinação sem base racional e científica venha a ocorrer.
Fonte: CJ Portal Gospel
publicado por institutogamaliel às 16:29


Começou nesta terça-feira, em Brasília, a discussão para a implantação do programa Crack, é possível vencer que combaterá este tipo de droga em todo país.
Em reunião com os secretários de Segurança Pública de 26 estados, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, anunciou que o primeiro convênio deverá ser assinado na próxima semana com a Prefeitura do Rio de Janeiro.
O convênio deveria ter sido firmado na semana passada, mas o ato foi adiado devido ao desabamento de três prédios, no centro da cidade.
O encontro teve a presença do ministro interino da Saúde, Mozart Sales, e de representantes do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, que também participam do programa, lançado em dezembro do ano passado pelo governo. Segundo Cardozo, a iniciativa começou a ser posta em prática com a realização do “mapa das cenas de uso”, mas só poderá ser efetivamente iniciada quando o Ministério da Saúde tiver os equipamentos necessários para o atendimento aos usuários da droga.
A reunião contou com a presença dos secretários de Segurança ou representantes do setor de quase todo o país. Roraima foi o único estado ausente. O ministro da Justiça manifestou satisfação com a receptividade do programa entre os secretários. “Rapidamente vamos pactuar nas ações que são muito importantes. Estamos com discussões técnicas concluídas em três Estados, mas a ideia é que, no primeiro semestre, consigamos cobrir oito estados”, disse.
Crack, é possível vencer
O programa dispõe de R$ 4,1 bilhões para repasse de recursos ou aplicação direta em ações de combate ao crack nos Estados, informou o ministro. Além de uma série de medidas de assistência aos usuários da droga, Cardozo prometeu um “duro enfrentamento” do tráfico, inclusive nas fronteiras do país, para que o programa apresente os resultados esperados pelo governo.
Ele informou que o programa prevê internação hospitalar de viciados para tratamento voluntário, embora também possa haver internação compulsória, quando isso não for possível e ficar caracterizada a necessidade desse tipo de medida. Essa parte do programa, porém, “respeitará os direitos individuais e evitará abusos”, ressaltou. A participação do Ministério da Saúde é fundamental para o sucesso do plano, com a implantação de consultórios nas ruas e colocação de leitos em hospitais para atender os usuários do crack, acrescentou.
O programa Crack, é possível vencer é dividido em três eixos de ação: Prevenção, Tratamento e Autoridade, sendo este último o que diz respeito à parte policial de combate ao tráfico da droga.

Fonte: Agência Brasil

publicado por institutogamaliel às 16:26
tags:



O crack é preparado a partir da extração de uma substância alcaloide da plantaErythroxylon coca, encontrada na América Central e América do Sul. Chamada benzoilmetilecgonina, esse alcaloide é retirado das folhas da planta, dando origem a uma pasta: o sulfato de cocaína. Chamada, popularmente, de crack, tal droga é fumada em cachimbos.

Cerca de cinco vezes mais potente que a cocaína, sendo também relativamente mais barata e acessível que outras drogas, o crack tem sido cada vez mais utilizado, e não somente por pessoas de baixo poder aquisitivo, e carcerários, como há alguns anos. Ele está, hoje, presente em todas as classes sociais e em diversas cidades do país. Assustadoramente, cerca de 600.000 pessoas são dependentes, somente no Brasil.

Tal substância faz com que a dopamina, responsável por provocar sensações de prazer, euforia e excitação, permaneça por mais tempo no organismo. Outra faceta da dopamina é a capacidade de provocar sintomas paranoicos, quando se encontra em altas concentrações.

Perseguindo esse prazer, o indivíduo tende a utilizar a droga com maior frequência. Com o passar do tempo, o organismo vai ficando tolerante à substância, fazendo com que seja necessário o uso de quantidades maiores da droga para se obter os mesmos efeitos. Apesar dos efeitos paranoicos, que podem durar de horas a poucos dias e pode causar problemas irreparáveis, e dos riscos a que está sujeito; o viciado acredita que o prazer provocado pela droga compensa tudo isso. Em pouco tempo, ele virará seu escravo e fará de tudo para tê-la sempre em mãos. A relação dessas pessoas com o crime, por tal motivo, é muito maior do que em relação às outras drogas; e o comportamento violento é um traço típico.
Neurônios vão sendo destruídos, e a memória, concentração e autocontrole são nitidamente prejudicados. Cerca de 30% dos usuários perdem a vida em um prazo de cinco anos – ou pela droga em si ou em consequência de seu uso (suicídio, envolvimento em brigas, “prestação de contas” com traficantes, comportamento de risco em busca da droga – como prostituição, etc.). Quanto a este último exemplo, tal comportamento aumenta os riscos de se contrair AIDS e outras DSTs e, como o sistema imunológico dos dependentes se encontra cada vez mais debilitado, as consequências são preocupantes.
Superar o vício não é fácil e requer, além de ajuda profissional, muita força de vontade por parte da pessoa, e apoio da família. Há pacientes que ficam internados por muitos meses, mas conseguem se livrar dessa situação.

publicado por institutogamaliel às 16:25
tags:



Serão 100.000 fiéis de todas as denominações, incluindo 20.000 jovens e 20.000 crianças intercessoras. Todos treinados para prevalecer em oração durante a WPA2012 – Assembleia Mundial de Oração, que está programada para ocorrer 14 a 18 de maio, em Jacarta, Indonésia.
O evento será transmitido ao vivo para 200 cidades da Indonésia, onde haverá encontros semelhantes, que devem atrair mais de 2 milhões de pessoas. O Dia Global de Oração, no último dia da Assembleia, terá a participação de dezenas de milhões de cristãos em todo o mundo, através da transmissão de TV via satélite e da internet.
O estádio nacional de Jacarta hospedará a edição deste ano do que está sendo anunciado como “uma nova onda do que Deus está fazendo em todo o mundo”. A Assembleia se reúne novamente, agora baseada na experiência que a Igreja mundial tem vivido com grandes movimentos de oração mundiais que surgiram e se fortaleceram desde o último encontro deste tipo, na Coréia do Sul, em 1984.
O vídeo promocional anuncia: “Em muitos lugares, nós estamos vendo uma intervenção sobrenatural de Deus”. Entre outras coisas, “O objetivo é ver todas as nações, cidade e área rural em todo o mundo encher-se de intercessão constante e inspirada pelo Espírito Santo a ação até que os valores Seu Reino são plenamente manifestada.”
A Assembleia Mundial de Oração 2012 servirá para unir e ajudar estrategicamente centenas de movimentos globais de oração. Líderes de quase 200 países estarão unidos através da oração, “inspirados pelo Espírito Santo para transformar nosso mundo”.
Tudo está sendo organizado por líderes de movimentos de oração da Indonésia e Coréia do Sul, que são dois dos países com maior expressão em oração no mundo. Eles contam com o apoio da International Prayer Council.
O objetivo atual da Assembleia é alcançar duas metas: ver o conhecimento da glória de Deus enchendo a Terra, assim como as águas cobrem o mar (Habacuque 2:14) e o cumprimento da oração de Jesus que pede para que seus seguidores se tornem um, para que o mundo conheça seu criado e salvador (João 17:21).
Redes de oração e ministérios já têm trabalhado e orado pela transformação em todas as esferas da sociedade, como governo, educação, economia, cultura e mídia. Os líderes que irão participar da Assembleia poderão trocar experiências e fazerem novos planos. O objetivo maior é ver um avanço no evangelismo e no alcance de pessoas, experimentar um reavivamento espiritual na igreja ao mesmo tempo que se busca alcançar justiça social.
Para mais informações sobre o encontro, visite o site www.worldprayerassembly.com.
Assista:

Traduzido e adaptado de God Discussion e Tribal Generation

Fonte: CJ Portal Gospel
publicado por institutogamaliel às 16:23
tags:


Ativista Julio Severo questiona criticas contra o pastor Silas Malafaia: “A Teologia da Prosperidade é a maior ameaça ao Brasil?”
Julio Severo, blogueiro e ativista pró-família, postou em seu site um artigo em que condena as críticas feitas ao pastor Silas Malafaia por sua adesão à teologia da prosperidade. “Minha pergunta agora é: a Teologia da Prosperidade é a maior ameaça ao Brasil?”, questiona.
Para Severo, o país tem muitos outros problemas a serem discutidos, inclusive a estratégia do Partido dos Trabalhadores de tornar o país livre da influência evangélica, e que Silas Malafaia é uma das vozes mais fortes contra essa situação.
O blogueiro referiu-se à notícia publicada pelo jornalista Reinaldo Azevedo, da revista Veja, que afirma fazer parte da estratégia traçada por Gilberto Carvalho, homem influente no PT e braço direito do ex-presidente Lula durante seu mandato, de calar as lideranças evangélicas que lutam contra o aborto e contra o PLC 122.
A possível mordaça que as lideranças evangélicas possam sofrer são motivo de preocupação para Julio. Porém ele acredita que há líderes inflexíveis na defesa de sua postura, e cita o missionário R. R. Soares e o pastor Malafaia como exemplos, e coloca em lado oposto o líder da Igreja Universal do Reino de Deus, Edir Macedo: “Excetuando a IURD, cujo fundador e chefão segue a ideologia do aborto, todas as outras igrejas neopentecostais se opõem ao aborto e homossexualismo. R. R. Soares, por exemplo, fala claramente contra o aborto e o homossexualismo em seus programas. Silas Malafaia então é muito mais enérgico”, pontua.
Neste artigo, intitulado “Um pastor assembleiano que não gosta de moscas”, Julio Severo afirma que “Silas Malafaia tem sido alvo de constantes ataques. Do lado secular, o governo e a mídia sustentada pelo governo rejeitam sua forte defesa da família contra os ataques da agenda do aborto e do homossexualismo. Do lado evangélico, ele tem sido muito atacado por seguir a Teologia da Prosperidade. Os ataques têm vindo de todos os lados, inclusive de seus colegas assembleianos, um dos quais recentemente escreveu um artigo educado criticando essa teologia no ministério de Malafaia”.
Sem citar nomes, o blogueiro referiu-se à crítica emitida pelo pastor Ciro Sanches Zibordi, em que ele afirma que o pastor líder da Associação Vitória em Cristo “além de defender abertamente a teologia da prosperidade, costuma não economizar nos impropérios, ao responder aos seus críticos”.
Severo afirma ainda que “aqueles que criticam Malafaia fazem vista grossa a outros graves pecados. O pastor assembleiano que fez uma crítica educada a Malafaia juntou-se a muitos outros que detestam a Teologia da Prosperidade e seus adeptos, mas não detestam as teologias que facilitam a aceitação do socialismo como salvação social”.
As iniciativas do pastor Silas Malafaia, de protestar em seus canais contra o PLC 122 foram elogiadas e defendidas abertamente pelo blogueiro: “Malafaia não é perfeito, mas ele tem feito um trabalho estupendo de mobilizar a população contra o PLC 122”.
Fonte: Gospel+
publicado por institutogamaliel às 16:19



Governo americano decidiu aprovar o uso de células de crianças abortadas para produção de realçadores de sabor
A Pepsi, a Kraft e a Cadbury assinaram um contrato em janeiro deste ano com a Semonyx para usar células de bebês abortados para produzir realçadores de sabor em seus produtos.
Houve um protesto da população e instituições nos EUA, que apelaram aos órgãos reguladores do governo americano.
Porém, em 28 de fevereiro, o governo americano decidiu aprovar o uso de células de crianças abortadas para produção de realçadores de sabor. Por isso, nos EUA, vários grupos já estão fazendo campanha para boicotar esses produtos dessas empresas a partir de agora. Leia a reportagem a seguir:

A empresa Pepsi, que lançará o novo produto Pepsi Next nas próximas semanas, está enfrentando um boicote enquanto ativistas pró-vida protestam contra o uso que a empresa faz de células derivadas de um feto abortado em pesquisas de realçamento de sabores. Mas a Pepsi teve sucesso, com a ajuda do governo de Obama, em seus esforços de impedir que seus acionistas pudessem examinar suas operações polêmicas.

Numa decisão em 28 de fevereiro, a Comissão de Título e Câmbio Americana (CTCA) determinou que o uso que a PepsiCo faz de células derivadas de bebês abortados permanece em seu acordo de pesquisa e desenvolvimento com Senomyx para produzir realçadores de sabores, constitui “operações normais de negócios”.

A carta assinada pelo advogado Brian Pitko do Gabinete do Promotor Público Chefe da CTCA foi enviada em resposta a um documento de 36 páginas apresentado pelos advogados da PepsiCo em janeiro de 2012. Nesse arquivamento, a PepsiCo apelou para que a CTCA rejeitasse a Resolução dos Acionistas apresentada em outubro de 2011 de que a empresa “adotasse uma política de empresa que reconheça os direitos humanos e empregue padrões éticos que não envolvam restos de seres humanos abortados tanto em acordos de desenvolvimento e pesquisas participativas quanto privadas”.

George A. Schieren, principal advogado da PepsiCo, comentou que a resolução deveria ser excluída porque “lida com assuntos relacionados às operações normais de negócios” e que “certas tarefas são tão fundamentais para administrar uma empresa no dia a dia que eles não deveriam ser sujeitos à supervisão dos acionistas”.

Debi Vinnedge, diretora-executiva de Filhos de Deus pela Vida, a organização que desmascarou a colaboração entre PepsiCo e Senomyx no ano passado, ficou “pasma com a apatia e insensibilidade” tanto dos executivos da PepsiCo quanto do governo de Obama.
“Não estamos falando sobre que tipo de canetas a PepsiCo que usar — estamos falando sobre tirar proveito dos restos de um bebê abortado para obter lucro”, disse ela. “Usar rins de embriões humanos (HEK-293) para produzir realçadores de sabores para suas bebidas não tem nada a ver com operações rotineiras!”
A PepsiCo também pediu que a resolução fosse excluída porque “inquiria com demasiada profundidade em assuntos de natureza complexa sobre as quais os acionistas não têm capacidade de fazer uma avaliação informada”.

“Em outras palavras, a PepsiCo pensa que seus acionistas são burros demais para compreender o que ela está fazendo com os restos de crianças abortadas”, declarou Vinnedge. “Pois bem, eles estão para descobrir exatamente como o público é realmente esperto quando ele aumentar a pressão no boicote mundial!”
O senador Ralph Shortey, de Oklahoma, apresentou o projeto de lei SB1418 que proíbe a venda de produtos que são desenvolvidos ou contêm restos de bebês abortados. No caso dos produtos da Pepsi, as células derivadas dos bebês abortados não terminam no produto final.

“Elogiamos o senador por sua atitude corajosa”, comentou Vinnedge. “O público já está evitando todas as bebidas da Pepsi e a Pepsi Next é só isso — o próximo produto a se evitar!”

Até o momento, o boicote mundial se expandiu para incluir Canadá, Alemanha, Polônia, Inglaterra, Irlanda, Escócia, Espanha, Portugal, Austrália e Nova Zelândia.
Células de bebês abortados também serão usados no Gatorade e no Trident
A organização Filhos de Deus pela Vida forneceu uma jeitosa lista de página inteira de produtos que usam células de bebês abortados. A organização pró-vida recentemente desmascarou a empresa Pepsi e outras empresas por terem feito contrato com Semonyx, que usa células de bebês abortados para testar seus realçadores de sabores de alimentos e bebidas.

Além dos refrigerantes da Pepsi, a empresa é responsável por tais produtos populares como Mountain Dew, Ocean Spray, Seattle’s Best coffee, Aquafina, Lipton tea, Gatorade e Tropicana.
Os produtos Kraft e Cadbury também entram na mesma categoria. Chiclets, Clorets, Dentyne e Trident são alguns dos produtos na lista dada na página de Filhos de Deus pela Vida.

FONTE: CJ Portal Gospel / Life Site News
publicado por institutogamaliel às 16:16
tags:



Nesta terça-feira (3) o senador Magno Malta (PR-ES) discursou alertando todos sobre a possibilidade da criação de um “império homossexual no Brasil”. Ele se refere ao PL 122/2006 que criminaliza toda opinião contrária à prática e também aos processos que militantes gays moveram contra o pastor Silas Malafaia.
Pontuando alguns artigos do referido projeto de lei, Malta comenta que há pontos que deixam os homossexuais “intocáveis” enquanto que negros, índios e deficientes físicos não possuem tanta proteção.
“Se você não aluga seu imóvel para um homossexual, ou não aceita o ato afetivo de um casal gay, pega sete anos de cadeia. Se demite ou não admite um homossexual na sua empresa, cinco anos de cadeia. Eu posso não alugar minha casa para um negro, eu posso demitir um portador de deficiência, eu posso não admitir gestos afetivos de um casal heterossexual na porta da minha casa e pedir que eles se beijem em outro lugar, longe dos meus filhos. Mas, se eu fizer isso com um casal homossexual, um simples boletim de ocorrência me levará para a cadeia”.
Durante sua declaração na tribuna do Senado, Magno Malta falou do que ele chamou de “campanha contra o pastor Silas Malafaia” lembrando a todos que assistiam que o pastor da Assembleia de Deus Vitória em Cristo tem sido processado por se manifestar contra os organizadores da Parada Gay de 2011 que usaram figuras de santos católicos em posições sensuais.
O vídeo do Programa Vitória em Cristo de julho do ano passado foi editado e levado para a procuradoria pelos militantes do movimento gay afirmando que ao dizer que era para a Igreja Católica “baixar o porrete” nos organizadores Malafaia estava incentivando a violência contra os homossexuais.

Fonte: CJ Portal Gospel
publicado por institutogamaliel às 16:15



A dose diária que você consome de cafeína pode alterar mais que os seus níveis de energia. Uma pesquisa recente com mulheres entre 18 e 44 anos indica que beber café e outras bebidas com cafeína em sua composição pode alterar, por um período curto, os níveis de estrogênio.
O efeito varia de acordo com a raça. Nas mulheres brancas, a cafeína parece diminuir os níveis de estrogênio. Nas asiáticas ocorre o inverso, com o aumento nos níveis do hormônio.
Publicado no "The American Journal of Clinical Nutrition", o estudo não analisou mulheres com idade avançada.
Os cientistas afirmam, contudo, que as mulheres em idade reprodutiva que tomam uma xícara de café todos os dias têm poucos motivos para preocupações.
Os efeitos da cafeína sobre o estrogênio são tão pequenos que, nas mulheres saudáveis, a substância não influi na ovulação ou no estado geral de saúde, pelo menos a curto prazo.
"Isso é importante do ponto de vista fisiológico porque ajuda a compreender como a cafeína é metabolizada pelos diferentes grupos genéticos", afirmou Enrique Schisterman, um dos autores e pesquisador sênior dos Institutos Nacionais da Saúde americanos.
"Porém, beber café não alterará significativamente, do ponto de vista clínico, o funcionamento hormonal das mulheres em idade reprodutiva", afirmou.
Ele observou que é necessário prosseguir com a investigação. "Não sabemos se existem efeitos a longo prazo dessas pequenas alterações nos níveis hormonais", afirmou.

Fonte: CJ Portal Gospel
publicado por institutogamaliel às 16:14
tags:


Fundador de “Igreja da Maconha” afirma que Jesus operou seus milagres sob efeito da erva
O fundador da igreja da maconha, Geraldo Antonio Batista concedeu uma entrevista ao portal Uol, em que afirma que Jesus operou seus milagres sob o efeito da droga.
A Primeira Igreja Niubingui Etíope Coptic de Sião do Brasil, localizada na cidade de Americana, no interior de São Paulo, já foi alvo de uma blitz policial e seu líder, preso sob a acusação de tráfico de drogas. Após prestar depoimento, Batista foi liberado pela polícia e chegou a afirmar que a maconha era “presente de Deus”.
Na entrevista concedida, Geraldinho Rastafári, como é conhecido, afirma que a droga está presente na Bíblia: “Sabe como é o nome da cidade que eles foram? Canaã. A cidade da maconha. Ela é uma planta sagrada porque ela permeia as escrituras”, afirma Batista.
O líder da seita afirma ainda que “todos os milagres que Jesus realizou ele usou a maconha”. A seita incentiva o uso da erva durante seus cultos e Batista pretende autorização da justiça para que a plantação seja liberada, pois ele não vende a droga e compara a erva ao chá usado pelos fiéis adeptos do Santo Daime.
Fonte: Gospel+
publicado por institutogamaliel às 16:06



lar destruido 150x150 Uma Maneira De Salvar O Seu Lar! “…manda chamar Simão, por sobrenome Pedro, o qual te dirá palavras mediante as quais serás salvo, tu e toda a tua casa” (At. 11: 13,14).
Será que a sua casa precisa ser salva, literalmente ou espiritualmente, ou então ambos? Há algum cataclisma físico, espiritual ou financeiro que esteja surgindo bem à sua frente, ameaçando a sua casa? Está ela sendo devastada pela contenda, pela tensão, por um divórcio iminente, por filhos revoltados, por um amor em deterioração ou um relacionamento conturbado? Será que a sua vida, a sua fé, o seu casamento, a sua casa, estão correndo algum perigo? Estará havendo a necessidade de um genuíno milagre da parte de Deus para livramento e salvação?
A julgar pela correspondência que chega ao meu escritório, estou convencido de que Satanás está tentando com toda a dissimulação do inferno, destruir os lares cristãos de qualquer maneira. As crianças estão sendo seduzidas e enganadas pelas tentações demoníacas. Muitos casamentos enfrentam graves dificuldades, com o divórcio se tornando um câncer que se multiplica dentro da igreja. Emocionei-me e fui levado a orar a partir de todos os relatos que me chegaram de cristãos, cujas situações financeiras são desesperadoras.
Jamais os lares cristãos estiveram sob maior carga e pressão do que neste momento. Os próprios fundamentos do lar cristão estão abalados – um resultado direto da decadência moral e espiritual da nossa sociedade.
É simplório se culpar a falta de fé ou então a ignorância a respeito de alguns direitos, os quais os crentes não estão reivindicando. Trata-se de algo mais profundo do que isto, e é uma questão do maior interesse da parte de nosso Pai celestial.
Há uma maneira de salvar o seu lar. De acordo com as Escrituras, é a única maneira que eu vejo, e está lindamente esboçada no capítulo 10 de Atos. Você pode salvar o seu lar exatamente da mesma maneira que Cornélio salvou o seu. Em um só dia, com um milagre glorioso, todos os seus familiares foram salvos e cheios com o Espírito Santo. Em um dia, a sua casa foi transportada da cegueira espiritual para maravilhosa luz e para a vida . Deus concedeu à sua casa um Pentecostes particular que chocou a igreja em Jerusalém, transtornou a teologia de Pedro, e abriu a porta para a salvação da raça gentílica. Tudo porque um homem resolveu com determinação salvar a sua casa.
Antes de eu lhe mostrar como Cornélio salvou a sua casa, quero lhe perguntar se você está realmente desejando salvar a sua. Você deseja um céu aberto e um acesso ao trono de Deus? Você deseja ser aquele que Deus usa para trazer reavivamento e uma transformação sobrenatural à toda a sua família?
Às vezes, imagino se muitos cristãos verdadeiramente querem ver Deus fazer uma nova obra nos seus lares. Recebemos milhares de pedidos de oração de todos os tipos, especialmente de donas de casa e dos avós, solicitando orações para os seus lares conturbados. Recentemente, enquanto Gwen e eu orávamos e nos afligíamos a respeito de todos os tristes problemas e dos pedidos que nos partiam o coração, vi-me dizendo ao Senhor: “Ó Deus, quantos destes amados cristãos estão verdadeiramente desesperados o suficiente, para se prenderem Contigo em seus próprios quartos de oração em secreto? Quantos estarão apenas deixando que nós oremos, sem que eles próprios gastem horas diante do trono de Deus em intercessão?” Sei que muitos oram com sinceridade, mas não todos.
Muitos crentes hoje em dia desejam atalhos. Queremos passar o mínimo tempo possível pranteando diante do Senhor. Não queremos jejuar e orar durante horas, contemplando a face de Jesus e recolhendo força e fé para derrubar fortalezas.
Não gastamos tempo suficiente na santa Palavra de Deus renovando nossa fé. Gastamos horas colados a um ídolo chamado televisão, atormentando os nossos espíritos e abrindo o nosso lar para o poder das trevas. Buscamos a Bíblia só o suficiente para colher promessas especiais que possamos reivindicar. Desejamos simplesmente especificar e depois reivindicar a promessa,como aquele irmão que disse: “Por que toda esta falação sobre jejum e oração? Tudo foi feito por nós – então apenas diga a palavra de fé, creia, e pronto. É tão simples.” Este é simplesmente o modo que um cristão preguiçoso usa para contornar o chamado de nosso Senhor para a santidade, a intercessão, a oração e o jejum. Posso provar a qualquer cristão de mente aberta que se trata mais do que um exercício de fé. É muito mais do que um jogo mental ou de palavras. A vida de Cornélio prova que Deus busca devoção absoluta, obediência total, e oração sem cessar.
Estude as maneiras pelas quais este consagrado homem de Deus salvou a sua casa, e os milagres que a sua devoção obteve.
1. Cornélio Jejuava E Orava Sem Cessar
“Morava em Cesaréia um homem de nome Cornélio, centurião da corte chamada Italiana, piedoso e temente a Deus com toda a sua casa e que fazia muitas esmolas ao povo e, de contínuo, orava a Deus” (At. 10:1,2).
Quando digo que Cornélio jejuava e orava sempre, quero dizer que ele estava tão determinado a que ele e a sua casa chegassem à plenitude de Deus, que chegou ao desespero ao ponto de neglicenciar alimento, de modo que pudesse buscar a Deus.
Alimento era totalmente secundário à sua profunda fome espiritual e ao seu ardente desejo por Deus. Dias de jejum sem as correspondentes fome e sede por Deus não trazem nenhum proveito – é melhor comer do que usar o jejum como mérito para extrair bênçãos do céu. O jejum de uma ou duas refeições é a natural reação de um coração que busca a Deus – a fome por Ele remove qualquer desejo de alimento. É simplesmente uma questão de se perder o apetite, devido a um profundo anseio interior por um toque de Deus.
Este homem deveria causar vergonha em todos nós. Ele não possuía ensinamentos através de fitas ou de cassettes; ele nem tinha professor. Não era um prosélito judeu; era simplesmente um homem obcecado por Deus, e o que ele havia aprendido tinha sido através da maneira difícil. Não havia seminários, não havia convenções, não havia livros ensinando “como conseguir tal coisa de Deus”. Ele nem mesmo tinha em si o Espírito Santo ainda, para estimulá-lo a orar e a buscar a face de Deus. No entanto, ele jejuava e orava de contínuo.
A sua vida de oração fez dele um doador de esmolas. Deus ainda não havia lhe respondido a oração em favor de seus familiares, contudo ele dava generosamente a todos que tinham necessidade. Ele não estava tão amarrado à suas próprias necessidades de modo a despender nelas todo o seu tempo, a sua atenção e o seu dinheiro.
Homens de oração sempre recebem a atenção de Deus. Ele, foi a Deus em oração, e “Deus…se aproximou dele e lhe disse” (Atos 10:2,3). O homem em oração ouve Deus falando. Tem sido assim desde o Éden.
Não há uma quantidade grande de cristãos nos dias de hoje que ouvem diretamente de Deus. O povo de Deus nunca muda. Os israelitas disseram a Moisés: “Fala-nos tu, e te ouviremos; porém não fale Deus conosco, para que não morramos” (Ex. 20:19). E o povo de Deus se afastou da santa presença de Deus enquanto Moisés se aproximava da grossa nuvem escura “onde Deus estava” (Êxodo: 20:21). “Deixe o nosso pastor ouvir a Deus”, era o seu brado. “Não suportamos a Sua presença aterradora,” disseram. Assim ocorre hoje. O povo de Deus colocou-se tão distante do lugar santo da presença de Deus, que criou um mediador que tenha se tornado famoso (uma “estrela”). Pregadores, professores e evangelistas “estrelas”, a quem se pode escrever e pedir intercessão, oração e orientação. As pessoas não parecem compreender que os computadores não oram.
É totalmente bíblico buscar sustentação através da prece de dois ou três homens ou mulheres de oração que sejam fervorosos. Mas não antes que você próprio tenha chegado ousadamente até o trono da graça, para receber graça e misericórdia para auxiliá-lo em sua hora de necessidade.
Vou lhe explicar exatamente porque tantos cristãos não estão recebendo resposta às suas orações, e porque os seus lares enfrentam tamanha agitação. Eles se tornaram insensíveis devido aos seus problemas – tão dominados que simplesmente se assentam e choram em angústia. Em frustração, muitos se estacionam em frente da televisão e têm esperança de aliviar a dor que vai em suas mentes. Uma letargia estupefaciente toma conta deles, e passam a ser presas de seus problemas.
Todos sabemos onde se encontra a resposta. Sabemos que a oração é a única maneira de salvar os nossos lares e solucionar todos os nossos problemas. Não a oração apressada, não a oração de preguiça, mas o derramamento de um contrito coração, quebrantado diante da Sua presença santa.
Possuímos o Espírito Santo continuamente gemendo em nós, tentando nos persuadir, convidando-nos a nos ocultar em nosso quarto em secreto, para louvarmos e adorarmos o Rei da Glória. Sabemos que na Sua presença reside o máximo da alegria, da graça e da misericórdia para ajuda na hora de necessidade; um ouvido que ouve e um olho que tudo vê. Então por que, sim, por que nós não oramos?
O povo de Deus está correndo atabalhoadamente para grandes reuniões e seminários, para ouvir professores oferecendo soluções simples e fórmulas fáceis para produzir milagres. Conheço pessoas que gastam de dois a sete dias inteiros sentados durante horas para ouvir sobre Deus, mas não conseguem passar duas horas ao dia para conversar com Ele. Se conseguíssemos interromper esta correria que nos entulha de mestres, os quais coçam os nossos ouvidos com prurido e, em vez disto, amarrássemo-nos a Deus por um dia, veríamos verdadeiros milagres e transformação em todos os nossos familiares.
Casamentos seriam curados! Não se trata de problemas de uma pessoa com outra, mas um problema das pessoas com Deus. Temos nos tornado estranhos para Deus; temos ignorado e negligenciado o altar em nossos lares; e Deus entregou-nos aos nossos estúpidos esquemas.
Está na hora de sermos honestos, santos de Deus. Nada haverá senão derrota contínua, inquietação, e problemas infindáveis, a menos que peçamos a Deus para nos devolver a fome por Ele; a menos que reaprendamos a derramar todos os nossos problemas em secreta oração; até que novamente apoiemo-nos unicamente nEle; até que permaneçamos em Sua santa presença; até que recebamos as nossas respostas da parte de Deus.
Não salvaremos os nossos lares com uma prece de coração dividido, ou por algum tipo de fé carnal inflada. O nosso Deus de pactos não opera em favor daqueles de corações divididos, que brincam com o pecado secreto; Ele é proveitoso apenas a partir do orar efetivo e fervoroso de crentes santificados.
Orientações Claras E Detalhadas Através Da Oração
É estimulante se ler a respeito das orientações claras e detalhadas que Cornélio recebeu de Deus. “…envia homens a Jope, e manda chamar a Simão, que tem por sobrenome Pedro. Ele está com um certo Simão curtidor, que tem a sua casa junto do mar. Ele te dirá o que deves fazer” (Atos 10:5,6).
Ao mesmo tempo, outro homem de oração, Simão Pedro, está recebendo uma visão do Senhor, preparando-o para ir à casa de Cornélio para trazer salvação.
Deus trabalha de todos os lados quando o Seu povo ora com sinceridade. Deus possui inúmeros anjos ministradores; possui as carruagens e legiões do céu; Ele tem o poder e a majestade no céu e na terra; Ele fala a palavra e ela é feita; e nada pode resistir à Sua perfeita vontade. Tudo o que Deus aguarda é um coração ligado nEle.Um coração que tenha conversa íntima com Ele; inteiramente devoto a Ele; um coração que se apodera dEle; um coração não apenas ligado nEle, mas separado para Ele.
Os combatentes da oração nunca devem abdicar de sua autoridade espiritual para outrem. Nunca necessitam ir, de chapéu na mão, pedir orientação para os outros. Eles próprios estão dentro do domínio de um céu aberto, ouvindo diariamente o Senhor.

Quando eu era criança lembro-me de santos de Deus falando que alguém “…pegou nas pontas do altar” (I Re. 1:50-51). Através do ato de pegar nas pontas do altar, os israelitas se colocavam sob a proteção da graça salvadora e auxiliadora de Deus. O altar era um local de santuário bem como de ofertas, e os ofensores que se agarravam à suas pontas estavam seguros contra todo mal. Nem mesmo o Rei Salomão pôde matar o usurpador Adonias, quando este fugiu para a casa de Deus, e lá se agarrou às pontas do altar.
Há um lugar de refúgio e de segurança, um local de graça e livramento. É o altar! Mas como nos dias de Elias, os nossos altares estão derrubados. O único altar em muitos lares de hoje é um ídolo – ou seja, um aparelho de televisão, ao qual são sacrificadas muitas horas preciosas. Mãe, se você realmente deseja que a sua família seja salva, curada e libertada, por que você está sentada assistindo aquelas perniciosas novelas? Por que você está desperdiçando o tempo precioso de Deus assistindo à abominações como “Novela das Seis”, “Novela das Sete”, “Novela das Oito”, e todos os demais programas que apresentam depravação? Papai, você aguarda que Deus opere um milagre nas suas finanças – você precisa que algo aconteça rápido. Por que então, você não se coloca em desespero diante de Deus? Você tem tempo disponível para os esportes, recreação, repouso? Então, se a coisa é tão crítica, por que você não encerra todas estas atividades, pára tudo, e espera no Senhor em oração secreta? Por que não nos convencemos de que nada vai acontecer, nada vai mudar, irá apenas piorar, a menos que voltemos para Deus em oração apaixonada e em rededicação?
2. Cornélio Estava Pronto Para Obedecer Tudo Que Lhe Foi Ordenado!
“…Agora, pois, estamos todos aqui, na presença de Deus, prontos para ouvir tudo o que te foi ordenado da parte do Senhor” (Atos 10:33).
Nem uma palavra quanto ao que Deus tinha em favor dele e da sua família em termos de bênçãos, riquezas, saúde, poder ou dons. Não disse: “Diga-nos o que Deus pode fazer por nós. Fale-nos sobre os dons do Espírito Santo que foram derramados em Jerusalém. Diga-nos o que fazer para sermos pessoas de sucesso, prósperas e saudáveis.” Não, ele só queria ouvir: “O que Deus espera de nós em termos de obediência?”. E: “o que nos foi ordenado?”
Saulo, imediatamente após a sua conversão, bradou: “Senhor, o que queres que eu faça?”. Estes primeiros santos do Novo Testamento estavam mais interessados em saber quais eram as suas responsabilidades diante de Deus, do que em saber como receber algo proveniente dEle para si próprios. Obediência era algo de grande interesse para eles. As palavras de Jesus ainda ressoavam frescas em suas mentes: “Se me amas, então Me obedecereis”. A obediência era o fruto do amor por Ele.
Quantos de nós poderíamos orar como Cornélio fez, por si e toda a sua família? Será que entraríamos nós no secreto quarto de oração, colocando de lado todas as promessas, todos os pedidos de bênçãos e coisas boas, e então nos abriríamos a Deus em busca de uma revelação a respeito das nossas responsabilidades para com Ele? Caso Ele nos dissesse que, como pais, somos os responsáveis para derrubar todos os ídolos, incluindo a televisão, para que os nossos lares pudessem ser salvos da corrupção, será que faríamos isto? Por que orar pela proteção de Deus sobre a nossa família, especialmente nossos filhos, e a seguir deixá-los plantados diante de um ídolo destes, e permitir que as suas mentes se inclinem em direção ao mal, sob a nossa própria supervisão?
O que aconteceria se o Espírito Santo lhe convencesse a cessar todos os mexericos, todo leva-e-traz a respeito do fracasso dos outros – e que com o purificar dos seus lábios Ele iluminaria o seu lar com grande paz e alegria – você obedeceria?
Cornélio fez toda a sua família se assentar, olhou para Pedro bem nos olhos e disse: “Nós, como família, queremos saber o que devemos fazer para salvar a nossa casa – saber quais são os mandamentos de Deus”. Como Deus se move rápido para responder a este tipo de oração; tão rápido na verdade, que o sermão de Pedro nunca pôde ser terminado – o Espírito de Deus caiu sobre eles no meio desta mensagem.
Pedro deixou bem claro que Jesus Cristo foi “constituído por Deus Juiz de vivos e de mortos” (Atos 10:42). Disse, na verdade, “Cristo não apenas julgou os pecados de Sodoma e dos que zombavam de Noé – mas Ele é o Juiz dos seus pecados. Então arrependam-se, creiam e sejam salvos.”
A verdade é que os nossos pecados têm impedido as nossas orações de serem respondidas. O pecado em nós tem levado Deus a ocultar a Sua face. Isaías avisou: “Mas as vossas iniquidade fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que vos não ouça” (Isaías 59:2). Nos esquecemos que Ele é o nosso juiz a Quem devemos responder; escolhemos vê-lO apenas como um doador benevolente de coisas boas. Apenas nos concentramos em Sua bondade e em Sua misericórdia eternas, ao mesmo tempo que ignoramos a ordenança que Ele recebeu do Pai para ser nosso juiz. O Espírito busca levar a humilhar-nos na presença do Senhor, nos mostrar a pecaminosidade excessiva de nossas iniquidades, revelar-nos Cristo no papel do Juiz santo e aterrador diante do Qual um dia prestaremos contas. “Pois todos devemos comparecer diante do tribunal de Cristo”.
Podemos salvar os nossos lares determinando que nossos corações obedeçam ao Senhor a qualquer custo. Enquanto outros vão a Ele só para serem abençoados, deve-se ir a Ele para escutar. Com os ouvidos abertos e um coração desejoso, Deus vai revelar Sua vontade, lhe mostrará o que é necessário da sua parte, e você poderá obedecer e desimpedir o caminho para restaurações e reavivamentos reais em seu lar.
3. Deus Salvou A Casa De Cornélio Enviando Um Derramamento Do Espírito Santo!
“Ainda Pedro falava estas cousas quando caiu o Espírito Santo sobre todos os que ouviam a palavra…pois os ouviam falando em línguas e engrandecendo a Deus” (Atos 10: 44,46).
Pense nisto, um Pentecostes particular vindo sobre uma família inteira, todo mundo que lá estava sendo elevado em direção ao que é celestial. Foi um milagre; os louvores foram arrebatadores; a família inteira, todos os parentes e as crianças foram salvos e cheios do Espírito Santo de Deus. Tudo porque um homem determinou em seu coração buscar a Deus até que viesse uma resposta.
E aqui estamos nós, na época do derramamento torrencial do Espírito Santo, com poucas ou nenhuma prova da Sua ação e de Sua presença em nossos lares. Terrível, mas é verdade: muitos dos nossos lares cristãos estão agora sob o controle do espírito do mundo, e não do Espírito de Deus. Onde está o Espírito do Senhor, aí há unidade. Onde Ele habita, há descanso e paz; há alegria indizível e um sentido de vitória contra o pecado e o diabo.
Necessitamos recobrar a autoridade espiritual em nossos lares. Se o marido e a esposa cristãos não estão em unidade total, fluindo juntos no Espírito e no amor de Jesus, há perigo extremo pela frente. Um deles, ou ambos, não estão andando no Espírito. Quando ambos estão buscando a Deus na oração pessoal e na devoção a Deus, o Espírito opera as Suas maravilhas e os recolhe para o mesmo reino da ressurreição.
Nos últimos meses, o Espírito Santo tem despertado esposos, esposas e avós, e chamado os crentes de volta a um andar mais profundo no Espírito. Há uma purificação que caminha em todas as direções, com o Espírito estendendo-se sobre os lares, trazendo de volta lágrimas de arrependimento, e uma crescente fome pela realidade.
As pessoas estão ficando cansadas com todos os jogos religiosos, cansadas de serem vítimas dos poderes demoníacos, cansadas de todos prazeres vazios , do materialismo que não satisfaz. Milhares de cristãos, agora em chamas para Deus, estão jogando fora seus aparelhos de TV, e voltando a buscar o Senhor com sinceridade. Estão derrubando todos os seus ídolos, e fazendo os seus lares regressar para os templos do Espírito Santo.
Deus está fazendo uma coisa nova na terra neste instante. Algo tão poderoso, tão sobrenatural, que está aterrorizando o inferno. O Espírito Santo veio para separar um povo para o Senhor. Ter sucesso na vida, atualmente, não é tão importante quanto ouvir a Deus. Prosperidade, para estes santos recem-batizados, significa enxergar Jesus de uma maneira nova e viva. Casas, terras, móveis, carros, roupas – todas estas coisas perderam o seu encanto junto a um povo que agora está amando apaixonadamente o Senhor da Glória. O Espírito Santo veio para revelar Cristo no papel de Salvador dos lares – nossos lares.
Tenho enxergado o interior do mundo espiritual, e vejo demônios fugindo; vejo poderes das trevas tremendo; vejo um diabo despojado – porque a verdadeira igreja de Deus, que anteriormente era um gigante adormecido, foi provocada pelo Espírito Santo a sacudir a si própria, se levantar e reivindicar seu posto de poder e autoridade.
Famílias inteiras, igrejas inteiras, ministérios inteiros estão sendo virados de cabeça para baixo. Deus está dizendo: “Levem a sério! Levem mortalmente a sério as coisas espirituais ou então sejam deixados de fora!”. De todo o mundo ouço ministros dizendo: “Nunca estive com tanta fome de Deus, ou mais quebrantado ou necessitado! Estou buscando o Senhor para uma renovação total! Quero ser parte disto que Deus está fazendo!”
Conclamo a cada um dos filhos de Deus que lê esta mensagem – ORE! Ore pela purificação! Ore a favor de uma renovação do poder contra o pecado. Ore por uma nova unção do Espírito Santo sobre você. Ore por um derramamento do Espírito Santo sobre a sua casa. Ore por um grande e glorioso derramamento do Espírito de Deus sobre o seu pastor e sobre a sua igreja.
Se formos salvar os nossos lares, tem que ser agora! Deus está nos lançando um ultimato para que voltemos para o Seu altar, que voltemos à humildade e ao arrependimento. Somente podemos salvar os nossos lares pela oração, pela obediência, e um renovado derramamento do Espírito Santo.
Ouça A Voz Dos Profetas!
  • Oséias – “…Semeai para vós outros em justiça, ceifai segundo a misericórdia; arai o campo de pousio; porque é tempo de buscar ao Senhor, até que ele venha, e chova a justiça sobre vós” (Oséias 10:12).
  • Amós – “Tocar-se-á a trombeta na cidade, sem que o povo se estremeça? Sucederá algum mal à cidade, sem que o Senhor o tenha feito? Certamente, o Senhor Deus não fará cousa alguma, sem primeiro revelar o seu segredo aos seus servos, os profetas. Rugiu leão, quem não temerá? Falou o Senhor Deus, quem não profetizará?” (Amós 3:6-8).
  • Obadias – “Mas, no monte Sião, haverá livramento; o monte será santo; e os da casa de Jacó possuirão as suas herdades” (Obadias 1:17).
  • Naum – “O Senhor é bom, é fortaleza no dia da angústia e conhece os que nele se refugiam” (Naum 1:7).
  • Sofonias – “Naquele tempo, esquadrinharei a Jerusalém com lanternas e castigarei os homens que estão apegados à borra do vinho e dizem no seu coração:o Senhor não faz bem, nem faz mal” (Sofonias 1:12).
  • Malaquias – “Pois eis que vem o dia e arde como fornalha; todos os soberbos e todos os que cometem perversidade serão como o restolho; o dia que vem os abrasará, diz o Senhor dos Exércitos, de sorte que não lhes deixará nem raiz nem ramo. Mas para vós outros que temeis o meu nome nascerá o sol da justiça, trazendo salvação nas suas asas; saireis e saltareis como bezerros soltos da estrebaria. Pisareis os perversos, porque se farão cinzas debaixo das plantas de vossos pés, naquele dia que prepararei, diz o Senhor dos Exércitos” (Malaquias 4:1-3).
Fonte: CJ Portal Gospel
publicado por institutogamaliel às 15:59
tags:



Silas Malafaia tem 72 horas para se defender contra acusação de homofobiaDe acordo com o colunista da Veja, Lauro Jardim, o Pastor Silas Malafaia, acusado de incitar a violência contra homossexuais em seus programas na TV, tem 72 horas para se defender das acusações. As declarações em questão foram ditas durante o programa Vitória em Cristo que foi ao ar em julho de 2011 quando o pastor criticou severamente a atitude de manifestantes gays que usaram a imagem de santos católicos durante a Parada do Orgulho Gay de São Paulo. Malafaia disse que a Igreja Católica precisava “baixar o porrete” e “entrar de pau” nos participantes e organizadores, se referindo a mover processos, mas a ABLGBT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) considerou essas frases como homofóbicas.
O pastor é réu em processo que corre na 24ª Vara Federal de São Paulo. O Ministério Público exige um pedido de desculpas de Malafaia no ar. Silas Malafaia considera o processo “absurdo” e já informou que não pretende se retratar e que não vai ser incriminado através de um vídeo que foi manipulado, se referindo ao vídeo usado como prova, que teria sido manipulado por ativistas gays.
“Em hipótese alguma vou pedir retratação, pois isso é um absurdo. Os gays manipularam a minha fala para me incriminar, e sou eu que tenho de pedir retratação? Isto deve ser uma brincadeira”, disse.
O vídeo que foi interpretado pela promotoria como homofóbico e por isso o líder religioso, e também a Band, emissora que divulgou o programa Vitória em Cristo e junho passado, precisariam se retratar usando o dobro do horário usado para comentar sobre a Parada Gay.

Fonte: CJ Portal Gospel
publicado por institutogamaliel às 15:57


mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13
14

15
16
17
21

22
23
24
25
26
27
28

29


Últ. comentários
No seu site, vc esta citando o nome de MEU PAI, se...
Como não consegui encontrar um "Fale Conosco" no S...
Graça me Paz em Cristo amado. Esse termo devorador...
Edenilson da Silva (http://facebook.com/profile.ph...
Fumar é pecado? http://t.co/H7TH4xGGZ1
10 maiores mitos sobre homossexualidade http://t.c...
Porque o espiritismo atrai tanto??? http://t.co/hY...
O anjo massagista http://t.co/tvszR2eFR9
Organização Angelical http://t.co/rPCf0e8EgY
Ministerio Reobote (http://facebook.com/profile.ph...
arquivos
subscrever feeds